Suor excessivo: causas e tratamentos para problemas de transpiração

Escrito por
Em 17.08.20

iStock

Ficar com o corpo suado em dias quentes, em momentos de nervosismo ou depois de práticas esportivas é absolutamente normal. E quando há suor excessivo? Para entender quais são suas causas, os tratamentos e como diferenciar essa situação de outras doenças, conversamos com a dermatologista Dra. Gabriela Horn (CRM 42018 RQE 29198).

Continua após o anúncio

Causas do suor excessivo

Conforme a Dra. Gabriela, a hiperidrose se caracteriza pela produção de suor de maneira excessiva, sem uma causa óbvia como exercício físico, por exemplo. Ela é classificada de duas formas, primária e secundária, e pode apresentar diferentes causas:

Hiperidrose primária

A forma primária do suor excessivo, também chamada de idiopática (sem causa definida), é a forma mais frequentemente vista, caracterizando-se por acometimento focal e simétrico, como suor excessivo no rosto, nas axilas, palmas, plantas e outras áreas. Pode ser exacerbada por calor, emoções, alimentos condimentados ou bebidas alcoólicas. Seu início geralmente ocorre antes dos 25 anos.

Hiperidrose secundária

A hiperidrose secundária pode ocorrer em consequência a quadros infecciosos, uso de drogas (álcool, cocaína, heroína), uso de medicações (ciprofloxacina, aciclovir, esomeprazol e sertralina), problemas endócrinos (hipertrireoidismo, menopausa, entre outros), problemas neurológicos (doença de Parkinson e lesão medular), além de outras causas como linfoma, insuficiência cardíaca, ansiedade e obesidade. Portanto, uma investigação médica é essencial.

Como identificar

iStock

Se suar é algo normal, como saber se você sofre de hiperidrose? De acordo com a dermatologista Dra. Gabriela Horn, a hiperidrose possui a peculiaridade de causar impacto na qualidade de vida através de experiências subjetivas. Ela pode causar constrangimento em situações corriqueiras (exemplo: dar as mãos) e causar alterações comportamentais que muitas vezes culminam no isolamento social.

O impacto que a hiperidrose causa na qualidade de vida é comparável àquele causado por doenças fisicamente mais incapacitantes como psoríase grave, artrite reumatoide, esclerose múltipla e insuficiência renal crônica terminal. Isso nos mostra a importância desta doença, que é muito subdiagnosticada. Muitas vezes uma pessoa sofre por anos com o suor excessivo sem saber que aquilo é uma doença, que pode ser tratada e controlada.

Tratamentos para o suor excessivo

O tratamento da hiperidrose tem o objetivo de controlar sintomas. A escolha da opção terapêutica mais adequada depende de fatores como a intensidade, a localização e o impacto na qualidade de vida dos portadores da condição.

  • Tratamento tópico: cremes tópicos à base de cloridrato de alumínio são considerados como primeira escolha para hiperidrose leve.
  • Iontoforese: é uma opção muito utilizada para tratamento da hiperidrose palmo-plantar – suor excessivo nos pés (na sola) e suor excessivo nas mãos (nas palmas). Envolve o uso de um dispositivo que aplica corrente elétrica que introduz íons na pele afetada, causando obstrução dos ductos excretores das glândulas sudoríparas.
  • Toxina botulínica tipo A: é um tratamento temporário, mas que tem cada vez mais sido procurado por quem sofre de hiperidrose primária. Injeções intradérmicas de toxina botulínica são aplicadas com o objetivo de bloquear a liberação do suor nas glândulas sudoríparas.
  • Tratamento cirúrgico: sim, existe cirurgia para suor excessivo. Para casos de hiperidrose axilar (suor excessivo nas axilas), pode-se realizar uma remoção cirúrgica da área hiperidrótica, bem como remover as glândulas através de lipocuretagem. Um procedimento alternativo é a simpatectomia torácica endoscópica, que interrompe cirurgicamente as fibras nervosas simpáticas.
    • A procura por um dermatologista deve ocorrer sempre que a presença do suor excessivo esteja interferindo no convívio social, causando incômodo e prejuízo na qualidade de vida.

      Tratamentos caseiros

      A dermatologista Dra. Gabriela comenta que não existem tratamentos naturais ou caseiros que sejam realmente efetivos no controle desta doença.

      Continua após o anúncio

      Como lidar com suor excessivo

      iStock

      Como visto até aqui, o mais recomendado é procurar auxílio médico para encontrar a causa e o tratamento da hiperidrose, seja em um ponto específico ou suor excessivo no corpo todo. Porém, existem algumas recomendações de como lidar com o problema.

      1. Use roupas leves e respiráveis

      Especialmente para quem sofre com suor excessivo à noite, usar roupas soltas e com tecidos de fibras naturais ajuda a melhorar a transpiração. Porém, fica o alerta: se o seu suor noturno é acompanhado de outros sintomas, como fadiga e dor, procure por ajuda médica.

      2. Faça a higiene corretamente

      Se você está constantemente com as mãos suadas, a recomendação é lavá-las com água e sabão. Lenços umedecidos são uma boa solução para quando você estiver fora de casa. O suor excessivo na cabeça, que pode acontecer por diferentes fatores, de utilização de medicamentos até menopausa, também pode ser aliviado através de limpeza – no entanto, evite água quente.

      3. Evite o consumo de cafeína e de álcool

      Por mais que um café ou uma boa cervejinha combinem com diferentes momentos, as bebidas devem ser evitadas por quem sofre com suor excessivo. Isso porque essas substâncias – o álcool e a cafeína – são indutoras de suor e aumentam a transpiração.

      4. Aposte em produtos absorventes

      A sensação de pés molhados dentro dos calçados e as manchas nas roupas são grandes incômodos de quem transpira bastante. Uma alternativa para trazer mais conforto no dia a dia é a utilização de palmilhas e discos absorventes, que podem ser usados nos sapatos e nas axilas.

      Assim como a hiperidrose, uma doença de pele mais comum do que se imagina é a disidrose. Aproveite para saber mais sobre ela, como tratar e prevenir.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.