Rinite alérgica: conheça os principais sintomas e medidas para driblá-los

Manter o ambiente domiciliar muito limpo é essencial para melhorar a qualidade de vida do paciente

Escrito por

Foto: iStock

Publicidade

Espirros, coceira nasal, coriza abundante e entupimento nasal. Esses são os principais sintomas que caracterizam a rinite alérgica, uma das doenças mais comuns do mundo.

Dirceu Solé, diretor da ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia), explica que a rinite é uma doença alérgica e inflamatória que acomete a mucosa de revestimento da cavidade nasal e dos seios paranasais.

Adriane Medeiros Casado, médica otorrinolaringologista da clínica Ceol Otorrino e do Hospital Santa Lúcia (Brasília), ressalta que a rinite alérgica é uma inflamação de toda mucosa nasal ocasionada por agente externo irritativo da mucosa, como, por exemplo, poeira, pólen, ácaros, entre outros.

Ainda de acordo com Adriane, este é um problema que pode acometer pessoas de qualquer idade. “Mas, geralmente (o mais comum) é a doença vir de uma história familiar, de uma carga genética… O que não impede, porém, de a pessoa adquiri-la ao longo da vida”, diz.

Em geral, destaca Solé, os sintomas se iniciam na infância, mas podem acontecer em qualquer época da vida. “Nos primeiros dois anos de vida, o diagnóstico é difícil pela confusão com outras causas que fazem com que a criança tenha sempre sintomas nasais”, comenta.

Saiba mais sobre as causas, sintomas, tratamentos e prevenção da rinite alérgica abaixo.

Principais causas da rinite alérgica

Foto: iStock

Em relação a grupos de riscos para a doença, Solé comenta que filhos de pais com rinite alérgica são os que carregam a maior chance de desenvolvê-la. “Entretanto, é importante lembrar que, como em toda doença alérgica, é necessário a interação ambiente e genética”, explica.

Neste contexto, confira abaixo as principais causas da doença:

Publicidade

  • Histórico familiar;
  • Ácaros da poeira doméstica;
  • Fumaça;
  • Poluição;
  • Ambientes úmidos;
  • Pelos de animais;
  • Pólen de flores e árvores;
  • Ambiente sem limpeza e sem ventilação;
  • Alérgenos de baratas.

“Vale destacar que as infecções virais também podem desencadear ou agravar um episódio de rinite”, acrescenta Solé.

Sintomas da rinite alérgica

Foto: iStock

É bom saber que os sintomas variam de acordo com a intensidade da doença, conforme destaca Solé. Mas, abaixo você confere os sinais mais característicos:

  • Espirros em salva (repetidos)
  • Prurido (coceira) nasal
  • Coriza nasal abundante
  • Obstrução (entupimento) nasal

Além desses, alguns pacientes podem ter sintomas oculares associados, conforme destaca Solé: vermelhidão ocular, lacrimejamento, sensação de areia nos olhos e, nos casos mais intensos, fotofobia (sensação de sensibilidade ou aversão a qualquer tipo de luz). “Em alguns pacientes com formas graves e não adequadamente tratadas, pode haver perda do olfato e do paladar. Problemas auditivos também podem ser relatados”, acrescenta.

Tratamentos possíveis

Foto: iStock

Adriane destaca que as principais medidas para tratamento do problema são: afastamento do princípio causador, controle do ambiente, limpeza e arejamento da casa (inclusive do quarto), retirada dos animais de dentro de casa, bem como o uso de medicamentos (como os antialérgicos orais e/ou tópicos).

Solé explica que os seguintes medicamentos podem ser administrados e combinados de acordo com a intensidade da doença: anti-histamínicos (antialérgicos) de segunda geração; corticosteroide tópico nasal, cromoglicato dissódico tópico nasal, associação corticosteroide e anti-histamínico para uso tópico nasal; antagonistas de receptores de leucotrienos e imunoterapia. “A resposta a cada um deles pode ser variável, por isso o tratamento deve ser individualizado”, ressalta.

Existem tratamentos caseiros para rinite alérgica?

Adriane destaca que as medidas mais recomendadas neste sentido são: controle do ambiente e limpeza nasal com soro fisiológico.

Dirceu Solé reforça que a higiene da cavidade nasal é muito importante na manutenção da integridade da via aérea. “Assim, a sua higienização pode ser feita com solução fisiológica”, diz.

Além disso, acrescenta o diretor da ASBAI, para alguns pacientes, a inalação de vapor durante o banho pode ajudar na obstrução das fossas nasais.

Publicidade

Rinite x Sinusite

Foto: iStock

Uma dúvida bastante comum é: quais são as diferenças entre rinite e sinusite?

Solé responde que a sinusite indica comprometimento dos seios paranasais. “Em geral, o leigo usa essa denominação para apontar processo infeccioso nos seios da face caracterizado por febre, congestão nasal, dor na região correspondente aos seios maxilares (mais comum) e dor de cabeça”, diz.

A médica otorrinolaringologista Adriane acrescenta que, tanto os sintomas, como os tratamentos são diferentes no caso dessas duas doenças. “Mas a sinusopatia (sinusite) pode ser uma evolução da rinite não tratada e até de uma gripe”, comenta.

Medidas simples que podem ajudar a driblar os sintomas

Foto: iStock

Como lidar com este problema que é tão comum? É difícil se falar em uma “prevenção total” à rinite alérgica, mas existem, sim, alguns cuidados (especialmente dentro da proposta de controle ambiental) que podem contribuir para uma melhor qualidade de vida do paciente. Confira as orientações dos especialistas:

  • Seguir corretamente o tratamento indicado pelo médico especialista;
  • Evitar exposição à fumaça de cigarro;
  • Manter o ambiente domiciliar e/ou de trabalho o mais limpo possível;
  • Prezar por ambientes arejados;
  • Trocar roupas de camas com mais frequência;
  • Colocar almofadas e colchão “para tomar um ar”;
  • Evitar exposição a mudanças abruptas de temperatura do ar;
  • Evitar cheiro forte de produtos (inclusive de tintas);
  • Não ter livros e/ou ursinhos de pelúcia em casa (especialmente no quarto);
  • Afastar-se, na medida do possível, dos animais de pelo (se este for um dos agentes que lhe causam sintomas);
  • Evitar locais com mofo.

“A manutenção do tratamento prescrito pelo médico é a principal medida a ser atendida, sobretudo nas formas mais intensas da doença. A sensação de melhora faz com que a maioria dos pacientes interrompa o tratamento, deixando-o mais vulnerável”, comenta Solé.

Enfim, de forma geral, reconhecendo os agentes que causam sintomas (por exemplo: poeira doméstica, pelos de animais, locais com mofo, cheiros fortes, entre outros), o paciente deverá se afastar deles e seguir corretamente o tratamento prescrito pelo médico, para que possa, assim, ter melhor qualidade de vida.

Este conteúdo foi útil para você?
SimNão

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.