O que é o cone chinês e quais são os perigos da técnica oriental

Escrito por
Em 06.12.21

iStock

Por                                
Em 06.12.21

As técnicas e terapias orientais são utilizadas no Brasil como um complemento ao tratamento de alguns problemas de saúde. Este é o caso do cone chinês, que só deve ser feito por um profissional especializado. Para explicar mais sobre o tema, confira o que disseram Camila Nichelle (CRBM-PR 0425), biomédica acupunturista especialista na técnica; e Nathalia Tenório (CRM-SP 175104 | RQE 92786), otorrinolaringologista do Hospital Albert Sabin de SP:

Publicidade

Índice do conteúdo:

O que é o cone chinês

Segundo a terapeuta, “o cone chinês, também conhecido como cone hindu, é uma técnica de terapia complementar que objetiva desobstruir as vias aéreas superiores (nariz, fossas nasais, faringe e laringe) e os ouvidos.” Ela também falou sobre o material que compõe o cone: “é feito de tecido de algodão, cera e/ou parafina.”

Para que serve o cone chinês

iStock

Camila citou que além de benefícios físicos, como “alivio de sintomas de dor de cabeça, tontura, zumbido, rinite, sinusite, tosse, dor de garganta, entre outros”, também pode ajudar a mente, pois “age energeticamente, desobstruindo a mente e aliviando sintomas de ansiedade, stress e insônia.”

Continue a leitura para saber como funciona a técnica do cone chinês e entender a importância de fazê-la apenas com um terapeuta especializado.

Como funciona

Camila explicou que “a técnica consiste em colocar fogo na extremidade maior, encaixar a menor no ouvido do paciente e aguardar o cone queimar até determinada altura. A pressão negativa e calor gerados vão atuar na desobstrução, beneficiando principalmente os ouvidos e rins”. A própria medicina tradicional chinesa explica que os rins ligam-se aos ouvidos, sendo assim, o calor é benéfico para este órgão que guarda a essência vital.

Ela também falou sobre o conteúdo que sai do cone após a queima: “na parte restante do cone, ficam sedimentadas a cera e parafina queimadas, já que o tecido virou cinzas. Muito importante ressaltar que não é cera retirada do ouvido e sim do próprio cone.” A terapeuta ressaltou que “o cone não faz limpeza ou retirada de cera diretamente, ele age fazendo com que o próprio organismo elimine o possível excesso de cera posteriormente.”

Camila também citou a importância de contar com um profissional ao fazer a terapia oriental. “Apesar de ser uma terapia relativamente simples, requer técnica de aplicação e alguns cuidados; por isso a relevância em fazer com um profissional qualificado, que saberá se é contraindicado para seu caso ou momento atual, diminuirá os riscos de queimaduras ou acidentes e o resultado será positivo.” Finalizou.

Perigos do cone chinês

iStock

Publicidade

Segundo a otorrinolaringologista Nathalia, “a prática do cone chinês é contraindicada, porque quando utilizado no ouvido, a parafina derretida pode obstruir o conduto do ouvido, podendo queimar a região da orelha, o couro cabeludo, a face, perfurar o tímpano, causar surdez e lesão no ouvido externo. Essas lesões podem ser irreversíveis.”

Devo ou não devo fazer o tratamento?

Apesar da técnica oriental contar com benefícios, é importante não ignorar os perigos ressaltados pela otorrinolaringologista. Assim, caso decida fazer a terapia, como um complemento a outros tratamentos, conte sempre com um profissional especialista e nunca faça sozinha, principalmente por envolver o uso de fogo e a ponta do cone ser inserida no ouvido.

Você já conhecia o cone chinês? Como você pode ver, a técnica é interessante, mas exige cuidados e escolha de um profissional sério. Agora, o que acha de conferir também a matéria sobre moxabustão, outra terapia oriental utilizada no Brasil?

Este conteúdo foi útil para você?
SimNão

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.