7 erros que você não deve cometer na educação dos filhos

Atitudes que parecem benéficas podem acabar tendo um impacto negativo na criação dos filhos

Por Andressa Dias
Atualizado em 08/05/2012 10:55

erros que voce nao deve cometer na educacao filhos 7 erros que você não deve cometer na educação dos filhos

Primeiro, descobre-se a gravidez, depois se passam os 9 meses. Quando o filho chega ao mundo, dificilmente o pai ou a mãe para a vida para pensar em como vai criar o filho. As coisas simplesmente vão acontecendo e tomando um rumo que muitas vezes passa sem ser analisado.

Aos poucos, o pai e a mãe começam a tomar atitudes e adotar práticas que podem parecer inofensivas, mas que na realidade podem ser verdadeiras bombas-relógio esperando para explodir no futuro do seu filho. Continue lendo e veja quais atitudes comuns dos pais podem ter o efeito contrário ao que se espera na educação dos filhos.

1 – Facilitar tudo na vida deles

Tentar tirar todas as pedras do caminho do seu filho pode parecer tentador e soar como algo muito bom para o seu filho, mas na verdade, com essa atitude você está: declarando que ele não consegue se virar sozinho e impedindo que ele aprenda. Além disso, está criando uma relação de dependência que um dia pode vir a ser muito problemática quando você não estiver por perto.

2 – Querer apressar o caminho deles

É muito comum alguns pais quererem que o filho saiba mais que as outras crianças da mesma idade, que seja mais maduro, que já saiba ler mesmo quando os outros ainda não aprenderam. Porém, apressar o desenvolvimento da criança pode causar muita confusão. Segundo especialistas, o ideal é deixar a criança viver cada fase da vida e se desenvolver de acordo.

3 – Tapar o sol com peneira

Outra prática muito comum é arrumar soluções rápidas para problemas que demandam muito tempo e dedicação. Por exemplo, se um filho não está fazendo o que você quer que ele faça, uma solução simples é chantageá-lo dizendo que se ele se comportar bem ganhará o videogame que tanto quer. Entretanto, esse tipo de relação não ensina a criança a respeitar os pais, as regras e a ouvir não quando é necessário.

4 – Querer ser amigo do filho e esquecer os limites

Procurar manter uma relação harmoniosa e próxima do filho é uma atitude admirável, entretanto, quando a amizade com o filho passa a ser mais importante do que educa-lo, isso se torna um problema. Por exemplo, há situações em que alguns pais não tomam medidas disciplinares com os filhos, pois temem perder a amizade com a criança e isso não é recomendável.

5 – Medir o seu sucesso como pais por meio das conquistas do filho

Outra atitude dos pais que pode causar um impacto negativo na criação dos filhos é achar que se o filho é bem sucedido no que faz isso significa que estão sendo bons pais. Nem sempre isso é uma verdade. Além disso, esse tipo de pensamento pode gerar cobranças excessivas e causar frustração. Evite este comportamento.

6 – Tentar a todo custo proteger seu filho

Proteger é bom, cuidar do seu filho é seu papel, porém não de forma excessiva. Proteger o filho exageradamente impede que ele aprenda a lidar com as adversidades que encontrará na vida adulta. Se você quer que seu filho saiba se proteger mesmo quando você não estiver por perto, comece deixando ele sair da bolha.

7 – Deixar o filho ser criado por tudo menos por você

A correria da vida moderna tem deixado os pais com cada vez menos tempo para investir na educação dos filhos. Um efeito colateral dessa mudança de comportamento é que hoje em dia os pais estão sempre em busca de artifícios e recursos para manter os filhos ocupados enquanto eles descansam ou trabalham (mesmo quando estão em casa). Desta forma, os filhos passam 95% do tempo sendo educados por filmes, desenhos, babás… menos pelos pais. Além desse comportamento distanciar o filho e os pais, isso também pode acarretar outras consequências psicológicas na criança.

Apesar dessas recomendações, cada caso é único e nenhuma sugestão resolve o problema de todos os pais. Por isso, se você sentir que pode estar tomando atitudes similares a essas, procure a ajuda de um profissional, de um psicólogo; converse com os professores dos seus filhos e também com o pedagogo do colégio. Invista na educação do seu filho e não só em uma boa escola. Você, melhor do que ninguém, sabe o quanto ele merece.