De bem com a saúde e em forma com a ajuda da ioga

Conheça mais sobre a técnica que é opção para quem quer cuidar bem do corpo e da alma

Por Amanda Saraiva
Atualizado em 05/06/2012 14:42

de be estar com a ioga De bem com a saúde e em forma com a ajuda da ioga

Criada na Índia há mais de cinco mil anos, a ioga mistura disciplinas físicas e mentais. Com inúmeros benefícios para o corpo, a prática ganha cada vez mais adeptos, entre famosos e anônimos e está presente atualmente em inúmeras academias espalhadas pelo Brasil. Seu sucesso deve-se ao fato da união de uma filosofia própria e de uma ginástica singular, que faz com que seus praticantes cuidem do corpo e da mente de forma eficaz.

Integrante desse mundo zen, o professor de ioga do Centro de Bem-Estar Levitas, Stefan Buger exalta o uso da modalidade como forma de manter a boa forma física e mental. “Tão importante quanto trabalhar o corpo, é cuidar de nosso cérebro. Só assim, é possível estar bem por inteiro”, explica.

Segundo ele, os exercícios contribuem diretamente na obtenção da qualidade de vida. Isso porque, o objetivo principal da ioga é fazer com que o praticante obtenha consciência do seu corpo. Trabalhamos para que essa sabedoria e benefícios sejam transferidos para o dia a dia, proporcionando bem-estar”, conta Buger.

E o corpo agradece. Flexibilidade, força e tonificação muscular são as principais mudanças proporcionadas através da prática da ioga. E de quebra, a resistência a dores aumenta significativamente. Além disso, os exercícios ensinam seus praticantes a respirar da maneira correta, usando toda a capacidade dos pulmões, o que ajuda no controle do sistema sanguíneo e nervoso, diminuindo a ansiedade e proporcionando relaxamento e concentração. E quem opta por essa atividade ainda diminui o colesterol, a pressão arterial e melhora a circulação cardiovascular o que pode levar até a reversão do espessamento das artérias.

A ioga é liberada para qualquer pessoa, pois não há limitações. “Havendo uma gestação ou problemas de saúde, como a pressão alta, a prática deve que ser adaptada para a execução de um trabalho mais suave. No caso da gravidez, após os três primeiros meses”, ressalta Buger. Depois desse período, desde que a gestante tenha liberação médica, a prática é recomendada, pois proporciona mobilidade à mãe.

E os idosos também podem embarcar nessa, caso estejam com a saúde em dia. “Se a praticante sentir dificuldades na realização de alguma posição, o professor pode alterá-la sem nenhum problema ou diminuição da eficácia da prática ou alteração de resultados”, diz o professor. O importante é, apenas, trabalhar corpo e mente, não importa a idade.