Bem-estar

Ginecologista esclarece as principais dúvidas sobre a vacina HPV

Envato

Atualizado em 26.06.23

A vacina HPV tem como principal função prevenir doenças e infecções causadas pelo papiloma vírus, que pode causar o câncer de colo do útero. A ginecologista Jacqueline Mazzotti esclarece as principais dúvidas sobre o assunto. Confira!

Para que serve a vacina HPV

Segundo a doutora Jacqueline Mazzotti, “a vacina HPV (papiloma vírus humano) serve para prevenir doenças causadas pelos tipos de vírus 6, 11, 16 e 18”. Entre as enfermidades ocasionadas, estão: “verrugas genitais, câncer de colo do útero, ânus e vagina, bem como lesões pré-cancerígenas”.

Existem três tipos de vacina contra o HPV. A bivalente (Cervarix) protege apenas contra os tipos 16 e 18, que causam o câncer do colo do útero. A quadrivalente (Gardasil) protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18. Já a nonavalente (Gardasil 9) protege contra 9 subtipos do vírus. A vacina é aplicada por meio de uma agulha de injeção e estimula o organismo a produzir anticorpos.

Quem deve tomar a vacina HPV?

O ideal é que todas as pessoas tomem a vacina HPV antes de ter o primeiro contato sexual. A aplicação da primeira dose é liberada para meninas a partir dos 9 anos e para meninos a partir dos 12 anos. Quem já tem HPV também pode tomar a vacina, porém ela possui apenas ação preventiva, ou seja, não impede a progressão da infecção.

Publicidade

A doutora enfatiza: em alguns casos, a pessoa tem o vírus do HPV, mas não apresenta lesões, ou seja, nem sempre o sintoma é visível. Além disso, ter uma lesão não quer dizer que ela evoluirá para um câncer. São estágios. Por isso, orientamos a fazer o preventivo. Assim, caso a paciente esteja com a infecção, é possível tratar adequadamente e evitar desdobramentos mais graves”.

A vacina é ofertada em um esquema de 2 ou 3 doses: 2 doses com intervalo de 6 meses para meninas de 9 a 14 anos; 2 doses com intervalo de 6 meses para meninos de 12 a 13 anos; 3 doses com intervalo de dois e seis meses para mulheres com HIV entre 9 e 26 anos; 3 doses com intervalo de dois e seis meses para homens com HIV entre 9 e 26 anos.

Onde tomar a vacina HPV

A vacina HPV é ofertada tanto pelo SUS quanto por clínicas e hospitais particulares. No caso de clínicas particulares, ela está disponível para meninas e mulheres entre 9 e 45 anos, bem como meninos e homens entre 9 e 26 anos. O preço varia conforme o estado, clínica e tipo de vacina, a bivalente custa em média R$ 300, já a quadrivalente a partir de R$ 400.

O SUS oferece a vacina HPV?

A ginecologista informa que “o SUS oferece gratuitamente a vacina HPV para meninas de 9 a 14 anos, meninos de 11 a 14 anos, bem como para pessoas imunossuprimidos (com baixa imunidade), oncológicos, que vivem com HIV ou transplantadas de órgãos sólidos e medula óssea de 9 a 45 anos”.

Além disso, o SUS oferece o preventivo, também conhecido como papanicolau. Se você está com alguma lesão, fez sexo sem proteção ou nunca realizou esse exame citopatológico, basta procurar uma UBS (Unidade Básica de Saúde) para agendar uma consulta. O recomendado é fazer o preventivo a cada 3 anos, após dois exames consecutivos normais, ou se estiver com sintomas.

Dúvidas sobre a vacina HPV

Um assunto tão importante para a saúde da mulher precisa ficar muito bem esclarecido. Abaixo, a ginecologista Jaqueline Mazzotti responde às principais dúvidas sobre a vacina HPV. Acompanhe:

Dicas de Mulher – Quantas doses da vacina de HPV são necessárias?

Publicidade

Jaqueline Mazzotti – Antigamente, eram indicadas 3 doses. Entretanto, estudos confirmaram que 2 doses, com intervalo de 6 meses, possuem grande eficácia. Nenhuma pesquisa indica que apenas uma dose seja suficiente para garantir a proteção.

Quem tem HPV pode tomar a vacina?

Quem tem ou teve HPV também aproveita os benefícios da vacina. Tendo em vista que o vírus possui vários tipos, a vacinação previne uma nova infecção.

Os homens também devem tomar vacina HPV?

Com certeza. Além de estarem suscetíveis às lesões graves, os homens são transmissores da doença (as mulheres também). Por isso, no caso de qualquer lesão, é importante consultar o urologista.

Quem toma a vacina fica imune à doença?

A vacina do HPV apresenta 98% de eficácia contra 4 tipos de HPV, sendo eles: 6 e 11 mais associados às verrugas externas; 16 e 18 mais associados às lesões malignas. No entanto, há outros tipos de HPV, por isso, não dá para deixar de fazer o preventivo e usar preservativo mesmo após a vacinação.

A vacina trata quem já está com a doença?

Publicidade

Não. A vacina previne a infecção, ela não ajuda no tratamento de verrugas ou câncer. Dependendo do tipo da lesão, é preciso fazer uma cauterização ou cirurgia.

Quais são as outras formas de prevenir o HPV?

Além da vacina, é fundamental usar preservativos durante a relação sexual e fazer preventivo periodicamente para detectar possíveis lesões.

Quem tomou vacina pode pegar o HPV?

Sim, infelizmente, pois a vacina não protege contra todos os tipos de HPV. Por isso, orientamos manter a vacinação em dia e continuar a rotina ginecológica com preventivos.

Quem não pode tomar a vacina?

Menores de 9 anos, maiores de 45 anos, pacientes que tenham apresentado reação grave com dose anterior da vacina, gestantes e quem tem doença febril aguda.

Quais são os efeitos colaterais da vacina?

Como a maioria das vacinas, pode dar cefaleia, dor no braço, febre leve, inchaço ou vermelhidão local, náuseas, dores nas articulações e músculos.

A vacina HPV é segura?

Com certeza. As vacinas passam por uma série de testes antes de serem aplicadas na população. Até hoje, nenhum estudo mostrou evento adverso grave ao uso. Ela foi criada em 2006, desde então, é usada em mais de 50 países como estratégia de saúde pública.

Como orientou a doutora, além de tomar a vacina HPV, é essencial usar preservativos e manter o preventivo em dia. Ainda, mulheres com feridas no colo do útero ficam mais propensas a contrair esse vírus. Por isso, no caso de qualquer sintoma, como lesões ou verrugas nas genitálias, procure imediatamente ajuda médica.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Sou a Karina Faria, redatora SEO há 5 anos. Amo escrever sobre moda, beleza, viagens e comportamento. Minha missão é inspirar as pessoas através da escrita!