Bem-estar

Plano de parto garante uma experiência personalizada e respeitosa

Canva

Em 23.12.22

Durante nove meses, provavelmente você imaginou o dia do nascimento do seu bebê. Entretanto, será que todos os seus desejos serão atendidos? No momento da ansiedade, alguma coisa pode fugir do seu controle. Respire fundo e fique calma, pois o plano de parto oferece a personalização e a segurança que te ajudarão a se concentrar apenas no seu pacotinho de alegria. A enfermeira obstetra Roberta Salles e a ginecologista Melina Guerra explicam os detalhes desse documento no decorrer da matéria. Acompanhe!

O que é o plano de parto?

Roberta explica que o plano de parto é um documento, com validade legal, “elaborado pela mulher com sua enfermeira obstetra ou doula. Nele, deve constar os desejos e os cuidados que a gestante quer ou não receber, tanto para si quanto para o seu bebê, no momento do parto e no pós-parto imediato”.

O documento precisa ser assinado pela médica responsável e pela gestante. Além disso, Dra. Melina informa que ele “pode ser protocolado no hospital escolhido para o parto, adquirindo, assim, caráter oficial”. Por ser reconhecido pelo Ministério da Saúde, está disponível no SUS e é um direito da mãe.

Como montar um plano de parto?

De acordo com as recomendações da Dra. Melina, para montar um plano de parto, “você precisa de ajuda, idealmente, do seu obstetra ou de pessoas capacitadas na área”. Sem as informações profissionais, é impossível fazer escolhas conscientes. Antes de tudo, porém, vale conhecer o local do parto, bem como seus recursos e limitações. Lembre-se que cada gestação é única, então, não tente reproduzir a experiência de outra gestante, apenas foque nas suas vontades e nas possibilidades apresentadas pelo especialista. A seguir, Roberta Salles explica o passo a passo do documento.

Publicidade

Sobre o trabalho de parto

No trabalho de parto, é importante especificar: quem estará presente; se haverá tricotomia (raspagem dos pêlos pubianos); declarar a liberdade para beber água e sucos, bem como para caminhar e escolher a posição; informar se aceita usar de métodos farmacológicos ou não farmacológicos para alívio da dor. Essas especificações valem para o parto normal.

Durante o trabalho de parto

Você precisará delimitar preferências em relação ao ambiente do parto, manejo do bebê após o nascimento e procedimentos com o cordão umbilical. Por exemplo: quero um ambiente calmo e silencioso; quero que o pai corte o cordão umbilical; quero alimentar o bebê assim que ele nascer.

Após o parto

Entre as decisões que você precisará tomar para os procedimentos após o parto, estão: decidir sobre a expulsão espontânea da placenta ou aplicar manobras, tração ou massagens; se gostaria de auxílio para amamentação, aplicação de ocitocina sintética (para evitar hemorragia pós-parto); e sobre as disposições para ter o bebê e possível companheiro consigo.

Em caso de cesárea

Segundo Roberta, é importante colocar a possibilidade de parto cesárea no documento, principalmente em caso de complicações. Além disso, a Dra. Melina explica que, durante a cesária, “caso não se configure como risco de morte, toda a equipe de assistência deve conversar com a parturiente, explicando os motivos de qualquer procedimento e deixando claro os riscos se a mesma optar por não realizar”.

Cuidados do recém-nascido

Aqui, você decidirá sobre os primeiros cuidados com o bebê: sexagem, administração de remédios, primeiro banho etc. Em seguida, segundo Roberta, será preenchido a tabala apgar, que avalia a “frequência cardíaca, respiração, tônus muscular, irritabilidade, reflexos e cor do recém-nascido”.

Com base nas informações acima, é possível entender a importância da participação de um profissional capacitado na elaboração do plano de parto. Assim, você conhecerá as variáveis envolvidas no procedimento, além de receber todo o suporte necessário para assegurar uma experiência personalizada e respeitosa.

Dúvidas sobre plano de parto

Para evitar ruídos na comunicação e estabelecer uma relação amistosa com a equipe médica, a gestante precisa estar com o plano de parto bem elaborado. Considere esse documento como uma fase da gestação, reflita sobre o assunto, lembre-se que não existe um modelo pronto e continue esclarecendo dúvidas. Abaixo, Roberta Salles respondeu algumas questões importantes:

Publicidade

Dicas de Mulher – O que a lei diz sobre plano de parto?

Roberta Salles – O plano de parto é reconhecido por lei. Embora não seja obrigatório, ele e é recomendado e reconhecido pelo Ministério da Saúde.

Dicas de Mulher – O hospital é obrigado a seguir o plano de parto?

Sim, porém há ressalva no caso de risco para mãe e bebê.

Quem tem direito ao plano de parto?

Todas as gestantes têm direito ao plano de parto.

Quem deve ser envolvido na criação do documento?

Publicidade

O plano de parto é realizado pela própria mulher. Não necessariamente precisa ser validado por um profissional de saúde, entretanto, o mais indicado é pedir ajuda capacitada durante a elaboração.

O que devo ter em mente antes de criar o plano de parto?

Antes de criar o plano, a mulher deve ter em mente o tipo de parto que ela quer, bem como conhecer as técnicas utilizadas nos procedimentos. Assim, ela poderá especificar seus desejos com clareza.

Como funciona o plano de parto no SUS?

No SUS, o plano de parto é aceito normalmente. Na verdade, por lei, ele deve ser aceito tanto na rede privada quanto pública. Entretanto, faltam políticas informativas sobre o documento, pois muitas mulheres não sabem que ele existe.

Qual valor do plano de parto?

Geralmente, o valor está incluso nos pacotes das doulas e obstetras.

Não deixe de fazer o seu plano de parto. O nascimento de uma criança é uma experiência única, e toda mulher merece um parto humanizado. Converse com seu médico e planeje tudo com muito carinho.

Redatora, pesquisadora feminista e futura psicóloga. Gosta de falar de coisa que mexe com a gente e de mexer com gente. Apaixonada pela escrita e pelas diferentes formas de existência. Busca viver e promover a autenticidade de ser.