Como escolher padrinhos de casamento: tudo o que você deve levar em consideração

A orientação principal é escolher pessoas com quem você sabe que poderá contar em qualquer momento da vida

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Getty Images

O casamento é um acontecimento que, independentemente do tamanho ou estilo de evento, deve ser único para os noivos. Todos os detalhes devem ser escolhidos com atenção e carinho para que realmente tenham um significado especial para o casal.

Entre tantas decisões necessárias para o grande dia, certamente uma das tarefas mais difíceis e, também, importantes e prazerosas, é a escolha dos padrinhos.

Isso porque, padrinhos não são pessoas escolhidas “simplesmente para estarem ao lado dos noivos no momento da cerimônia”, apenas para cumprirem uma tradição; mas, sim, são pessoas especiais (para os noivos) que recebem a missão de auxiliar e estarem próximos do casal nos bons e maus momentos que virão com a vida a dois.

Diante de uma função tão nobre, é natural que surjam dúvidas sobre quem escolher: “preciso convidar algum parente para ser meu padrinho?”, “posso convidar somente pessoas casadas?”, “preciso convidar a namorada do meu amigo, que vi poucas vezes na vida, para ser minha madrinha?” são apenas alguns exemplos.

Neste contexto, o consultor matrimonial, Estênio Azevedo, esclarece as principais dúvidas relacionadas à escolha e todos os detalhes que envolvem os padrinhos de casamento.

Leia também: 10 temas para sua festa de casamento que todos vão adorar

A escolha

Foto: Reprodução / Style me Pretty

O primeiro desafio é realmente escolher aqueles que quer ter ao seu lado. Esclareça algumas questões sobre este momento:

1. Quem chamar para ser padrinho?

Preciso convidar meus familiares para serem padrinhos? Ou posso escolher somente os amigos? Muitas pessoas se veem neste dilema, mas o que deve prevalecer é a real vontade dos noivos!

Azevedo lembra que o ato de apadrinhar significa zelar, cuidar, orientar, apoiar, e vai muito além do cortejo de entrada na cerimônia! “Escolha para ser padrinho aquela pessoa que você sabe que poderá contar em qualquer momento da vida. Costumo dizer, durante as orientações aos padrinhos, que a cerimônia é o momento mais importante de todo o evento, e que os noivos escolheram eles para entrarem primeiro e demonstrarem que apoiam e fazem parte do nascimento daquela nova família”, diz.

“A escolha de cada padrinho e cada madrinha é uma questão 100% emocional. Quem você quer ver ao seu lado no momento mais importante da vida? Como os pais já têm lugar fixo na cerimônia, este é um ótimo ‘cargo’ para os irmãos”, comenta o consultor matrimonial.

2. Quantos padrinhos devo escolher?

Tudo vai depender do local do casamento: se a cerimônia será na igreja ou no local onde será realizada a festa, se o espaço é grande ou pequeno etc.

Leia também: DJ ou banda: saiba qual escolher para animar seu casamento

O especialista comenta que, mesmo sendo uma escolha em que é importante ouvir a emoção (e não a razão), é necessário pensar na logística do cortejo, do cerimonial. “Para casamentos no campo, costumo sugerir um limite de 4 casais de cada lado, totalizando 10 casais, visto que temos os pais. Mas, quando a cerimônia ocorre em templos (igrejas, etc.), é necessário verificar o espaço disponível para a celebração, mas não custa sempre optar por ter menos pessoas e garantir um visual legal no altar, sem parecer que estão todos se apertando ou se espremendo”, explica.

3. O que levar em consideração na hora de decidir os casais de padrinhos?

Azevedo comenta que escolher um padrinho ou madrinha para o casamento é o mesmo que escolher padrinhos para os filhos. “Busque pessoas que conheçam a sua história, a história do casal, que te acompanharam em momentos especiais e com quem você queira compartilhar muitos outros momentos da vida de casados”, diz.

“Se a pessoa que você quiser convidar tiver um companheiro(a), não se sinta obrigado a convidar o casal, faça isso apenas se esta outra pessoa também for próxima a você e vocês tiverem uma boa relação”, diz o consultor matrimonial.

4. Preciso convidar somente pessoas que são casadas?

Um ponto que gera muitas dúvidas é: o que fazer quando se tem amizade somente com o homem ou a mulher? Quando se quer convidar, por exemplo, uma amiga para ser sua madrinha, mas não necessariamente o namorado/marido dela.

E ainda: é “deselegante” convidar uma pessoa casada para fazer par com uma pessoa solteira, por exemplo?

Leia também: Maquiagem para casamento: dicas e inspirações para acertar na produção

Embora muitas pessoas não recomendem que esse tipo de “separação de um casal” seja feito e pouca gente “tenha coragem” de optar por isso por medo de causar confusões desnecessárias ou de chatear alguém, Azevedo orienta: “convide apenas quem você quiser; pessoas com quem você se sinta à vontade em compartilhar o seu grande dia”.

“Caso queira convidar um amigo, mas não a pessoa com quem ele namora ou é casado, basta tomar alguns cuidados. Primeiro, certifique-se de que o seu amigo compreende a sua necessidade e a sua vontade, converse abertamente com ele (afinal, ninguém melhor para lhe dizer se isso vai causar ‘climão’ no relacionamento dele, do que ele). Depois, para formar o par com ele, procure alguém que seja conhecido de todos, uma amiga em comum, evite colocá-lo com pessoa desconhecida”, destaca Azevedo.

“Neste caso, solicite ao seu assessor para convidar os cônjuges de todos os padrinhos e madrinhas nas fotos oficiais e faça questão de tirar foto com todos os casais. Em alguns casos, vale até uma lembrancinha para a pessoa também. O importante é que ninguém se sinta desconfortável”, acrescenta o consultor matrimonial.

5. No caso do casamento católico, quais são as diferenças entre padrinhos do civil e do religioso?

Estênio explica que, para o casamento oficial, do cartório, exige-se a presença de duas testemunhas, que não precisam ser casal, muito menos serem do sexo oposto, apenas a representação de duas pessoas que atestam a veracidade daquela união. “O casamento no cartório é um contrato”, comenta.

“No caso da igreja, é bom sempre conversar com o líder religioso ou na secretaria paroquial se há algum critério que precisa ser seguido na formação dos pares, pois determinadas religiões seguem certas regras que precisam ser respeitadas para quem deseja se unir perante aquelas leis”, acrescenta o consultor matrimonial.

O convite

Foto: Reprodução / Style me Pretty

Depois de selecionar os nomes que pretende chamar, é preciso oficializar o convite. Veja dicas e orientações para a etapa de comunicar seu desejo aos seus futuros padrinhos:

6. Quando convidá-los?

Este é também um ponto importante: com quanto tempo de antecedência deve-se convidar os padrinhos?

“Sempre oriento aos casais para convidarem os padrinhos ao menos com seis meses de antecedência, quando possível. É bom ter tempo hábil para discutir trajes com todos. E, principalmente, porque se a ‘função’ dos padrinhos é apoiar, estar ao lado do casal, por que não contar com eles também durante a preparação do evento?! Preparar um evento não é fácil… Os noivos vivem em função disso todo o tempo, então, muitas vezes, é essencial ter alguém que os convide para sair, jantar, rir, distrair, fugir um pouco da loucura que estão vivendo”, comenta Azevedo.

7. É preciso convidá-los formalmente e com um presente especial?

“Formalmente, sim. Faça com que eles se sintam privilegiados e cientes de que, dentre vários, você os escolheu”, diz Azevedo.

Já o presente é um mimo não obrigatório. “Particularmente, me divirto com a criatividade dos noivos em surpreender os seus padrinhos… Conheço casais que apenas montam um presente e inserem o cartão/convite dentro, até outros que preparam festa surpresa”, comenta o consultor matrimonial.

8. Quais são exemplos de lembranças que podem ser dadas como um convite para os padrinhos?

“Convidamos para ser padrinhos pessoas com quem temos laços, então, quando o presente ou lembrança remete ao laço de amizade que existe ali, tudo se torna mais emocionante”, destaca Azevedo. “Porta-retratos, caixa com espumante, chocolates, canecas, itens personalizados… Tudo é possível, desde um e-mail com um texto legal, até mesmo colocar o convite na embalagem do hambúrguer (quando o fast food for presença constante nos encontros com esse amigo, por exemplo). Busque referências, mas faça algo seu; é o seu padrinho e não o padrinho dos outros casais que vemos na internet”, orienta.

9. Depois de darem um presente/convite especial para os padrinhos, os noivos precisam também enviar o “convite oficial” para eles?

“Os padrinhos não precisam receber também o convite enviado aos convidados. Apenas certifique-se de que todos eles estejam bem informados sobre local, horário que devem chegar e demais compromissos e solicitações que o seu assessor fizer”, destaca Azevedo.

Os trajes

Foto: Reprodução / Style me Pretty

Esse costuma ser um ponto delicado durante o planejamento do casamento, afinal existem muitas opiniões sobre o tema. Confira as dicas e esclarecimentos do especialista:

10. Definir ou não a roupa dos padrinhos?

Atualmente, esta é uma dúvida bastante comum. Mas, quais são as vantagens e desvantagens de padronizar ou não padronizar o traje dos padrinhos?

Muitas pessoas não padronizam, pois querem deixar os padrinhos “mais à vontade”, não “impondo” que eles vistam algo que não achem legal ou que fique acima do orçamento deles, por exemplo.

Azevedo, porém, orienta padronizar o traje dos padrinhos. “Eu costumo falar: só não padronize se realmente for algo que te incomode muito, muito mesmo; pois a padronização é essencial para manter a linguagem e identidade visual do seu casamento”, diz Azevedo.

“Quando você padroniza, pelo menos as cores, por mais que alguns não se sintam à vontade, vão compreender; afinal, os padrinhos são pessoas que já convivem com você e te entendem, certo?”, comenta o consultor matrimonial.

Azevedo orienta, para as madrinhas, definir pelo menos as cores ou uma única cor. “Apresente para elas as opções de tons que você deseja, converse sobre os modelos que acha legal e não se sinta constrangida em pedir para evitarem algo que você não goste, como decotes, aberturas na perna ou costas nuas”, diz.

“Já os padrinhos, é interessante manter todos no mesmo traje, torna tudo mais prático, inclusive você pode obter um belo desconto se optar por locar todos os trajes no mesmo atelier, alguns ‘pacotes’ até cedem gratuitamente a locação do traje do noivo”, acrescenta Azevedo.

11. Caso os noivos queiram definir detalhes da roupa dos padrinhos, como informá-los sobre isto?

Converse e decida esses detalhes com o seu assessor. “Faça pesquisas de mercado e até mesmo vá provar tais trajes no atelier. Quando estiver decidido, convide todos os seus padrinhos para um encontro (pizza, churrasco) e deixe que o seu assessor apresente as opções que escolheram… Certeza que ele saberá como transmitir isso a todos sem parecer uma imposição”, comenta Azevedo.

“Uma dica: caso queira presentear esses padrinhos novamente no dia da cerimônia, uma boa opção é gravatas para os padrinhos e pulseiras para as madrinhas”, acrescenta o consultor matrimonial.

12. É desejável que a noiva convide as madrinhas para se arrumarem junto com ela no salão de beleza escolhido?

“Não, pelo contrario. É preferível que as madrinhas não se arrumem junto com a noiva, justamente para evitar qualquer tipo de atraso no cronograma. No dia do casamento todos estão sensíveis, nervosos e qualquer situação pode se tornar grandiosa e afetar o andamento do todo”, destaca Azevedo.

“Quando a noiva insiste em viver esse momento com as madrinhas, eu procuro um local que disponibilize uma grande quantidade de profissionais para atender todas em tempo hábil, agendo para todas as meninas chegarem bem cedo ao salão… Assim, fazem a interação, tiram fotos, se divertem juntas… Mas, quando faltam três horas para o evento, eu tiro a noiva do meio delas e a levo para uma sala exclusiva, no máximo junto com a mãe. Os últimos momentos da preparação são os mais delicados”, comenta o consultor matrimonial.

Outro ponto a ser pensado é que a madrinha pode ter suas preferências e não querer, necessariamente, ir ao mesmo cabeleireiro/maquiador que você escolheu; mas, sim, ir a um salão de beleza que ela já conhece e com o qual também “simpatiza com o preço”.

O evento

Foto: Reprodução / Style me Pretty

Por fim, duas questões recorrentes sobre os padrinhos e o dia do casamento:

13. No evento em si, é desejável reservar mesas para os padrinhos?

Azevedo explica que é interessante reservar mesas para os padrinhos, pois, geralmente, ao fim da cerimônia, eles seguem junto ao casal para fazer fotos, cumprem alguns protocolos e acabam entrando no salão depois que os demais convidados já entraram. “Sendo assim, ao menos o lugar deles está garantido. Mas, eu sempre aviso que não tem obrigação deles sentarem naquela mesa específica, podem ficar à vontade para se sentarem onde quiserem e com quem quiserem. A festa é para comemorar”, ressalta.

14. No casamento, é necessário fazer foto com cada casal de padrinhos separadamente?

Fazer fotos com cada casal de padrinhos é importante como registro, mas não é obrigatório, de acordo com Azevedo. “Busque referências de fotos em grupo e dê preferência para imagens que registrem a interação com os seus amigos, registrem aquele momento de alegria ao lado de pessoas tão especiais. Procure por profissionais de foto e vídeo que tenham uma linguagem que te agrade, que registrem os sentimentos, as sensações, as emoções e não apenas as formalidades”, orienta.

Agora você sabe que, apesar de algumas questões práticas (como a quantidade de casais), o que mais vale no momento de escolher os padrinhos de casamento é o sentimento: a amizade, o carinho, a afinidade que você tem com determinadas pessoas e o desejo de tê-las sempre por perto, não somente na cerimônia, mas em toda sua vida!

Assuntos: Casamento, Planejamento

Dicas pela Web
Comentários