Profissional esclarece as principais dúvidas sobre métodos contraceptivos

Escrito por
Em 26.05.21

iStock

Por                                
Em 26.05.21

A ginecologista e sexóloga Nathalie Raibolt Barbosa (CRM: 5288532-0) esclarece as principais dúvidas sobre métodos contraceptivos: quais são os tipos, quais as vantagens e desvantagens, qual deles funciona melhor? Isso e muito mais você encontra em seguida!

Índice do conteúdo:

Tipos de métodos contraceptivos

Nathalie indicou os principais métodos contraceptivos, além das vantagens e desvantagens de cada um. Siga a leitura e confira!

Métodos hormonais

iStock

Esses métodos são aqueles baseados em hormônios que atuam inibindo a ovulação ou impedindo a subida do SPTZ, sendo eles as pílulas, anel, implantes e o DIU hormonal. São vantajosos por atuarem no controle do ciclo menstrual e do volume de sangramento, além do controle de doenças como endometriose. Ainda, são muito seguros quando utilizados adequadamente. Contudo, podem acarretar algumas desvantagens pois interferem no ciclo menstrual, podendo gerar efeitos colaterais como sangramento de escape, dor de cabeça e náuseas. Vale ficar de olho!

Métodos de barreira

iStock

É o caso da camisinha e do diafragma. Eles impedem a fecundação, impossibilitando a subida do SPTZ. A maior vantagem é que eles também previnem contra infecções sexualmente transmissíveis e são bastante seguros se utilizados corretamente. Mas é importante lembrar que uma de suas desvantagens é a obrigatoriedade da disciplina e comprometimento para não deixar de usar!

Dispositivos intrauterinos

iStock

O dispositivo intrauterino (DIU) impede a fecundação. Ele pode ser de cobre ou hormonal e tem como vantagem a longa duração, já que pode ser usado de 5 a 10 anos e é considerado um método seguro. Porém, o DIU de cobre pode apresentar a desvantagem de ocasionar um aumento do volume de sangramento e cólicas nos primeiros meses. Já o DIU hormonal pode proporcionar sangramentos de escape.

Métodos comportamentais

iStock

São métodos baseados no reconhecimento do período fértil, por exemplo a famosa tabelinha, a medição da temperatura corporal e o billings (reconhecimento da secreção da ovulação). A vantagem é que eles não interferem no ciclo menstrual. Entretanto, apresentam menor eficácia e só podem ser aplicados em ciclos regulares.

Agora que você conhece os principais métodos anticoncepcionais, fica mais fácil entender o que é melhor para você, né? Se ainda restarem dúvidas, não se preocupe, elas serão sanadas no próximo tópico!

Dúvidas sobre métodos contraceptivos

A ginecologista e obstetra respondeu as principais questões sobre os diferentes métodos contraceptivos. Dá uma olhada:

  • Métodos contraceptivos naturais funcionam? Os métodos baseados na percepção de fertilidade funcionam, mas exigem atenção ao ciclo e autoconhecimento. Como nosso corpo não é uma máquina, imprevisibilidades podem acontecer eventualmente. Quando somos expostas a uma situação de estresse, por exemplo, é possível que os hormônios do estresse impactem na produção dos hormônios que regulam o ciclo menstrual. Nestes casos, é possível que a previsão da fertilidade falhe. Os índices de gravidez em mulheres que usam estes métodos está em torno de 20%. Ainda sobre métodos comportamentais, é preciso destacar que alguns propõem abstinência no período fértil, quando estamos mais receptivas e interessadas em sexo. Por isso, “proponho associar um método de barreira como a camisinha para não precisar se privar do prazer”, afirma Nathalie.
  • Como escolher o melhor método contraceptivo? Para escolher o melhor método no seu caso, você precisa entender minimamente as opções e como elas funcionam. Também é preciso ter em mente quais seus objetivos e expectativas com o método. Para isso, sugiro que quando for a ginecologista, tenha em mente as seguintes questões: por quanto tempo quer usar o método; se está disposta a usar uma medicação diária; se prefere menstruar ou não; se gostaria de manter um ciclo natural, sem bloqueio; qual o tamanho do risco de gravidez que está disposta a correr e se está disposta a passar por um procedimento para um método de longa duração. Com isso em mente, sua ginecologista vai te direcionar para as melhores opções dentro das suas necessidades. Não existe um método que atenda universalmente as necessidades de todas as mulheres, por isso Nathalie aponta que não existe método bom ou ruim.
  • Algum medicamento pode cortar o efeito da pílula ou dos métodos hormonais? A ginecologista indica que a principal interação com as pílulas anticoncepcionais acontece com a Rifampicina, um antibiótico usado exclusivamente para o tratamento da tuberculose.
  • Existe um método contraceptivo mais efetivo? “Os melhores níveis de efetividade são do DIU de Levonorgestrel, implante de Etonogestrel e cirurgia para esterilização”, aponta Nathalie.
  • Algum deles pode falhar? A médica nos conta que não existe método sem falha. Inclusive a laqueadura pode falhar. Mas é importante entender que existem métodos muito seguros e a mulher deve estar tranquila sobre a proteção que ele confere.

Não se esqueça que você deve sempre consultar uma ginecologista antes de iniciar o uso de um método contraceptivo. Tomando os cuidados necessários, você estará pronta para aproveitar todos os benefícios do sexo!

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.