Camisinha feminina: guia completo para se livrar dos tabus e se prevenir

Escrito por Mariana Paiva

iStock

Desenvolvida ao final da década de 90, a camisinha feminina é tão eficaz contra doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) ou gravidez indesejada quanto à masculina. Apesar disso, muitas mulheres ainda desconhecem ou têm dúvidas sobre o seu uso, criando assim uma atmosfera de confusão quando falamos sobre esse método contraceptivo.

Vendida em farmácias e distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a camisinha feminina tem cerca de 15 centímetros de comprimento e é formada por dois anéis de diferentes tamanhos, que são unidos como uma espécie de tubo protetor. Saiba mais sobre seu poder de proteção, e entenda o porquê devemos incentivar cada vez mais sua utilização.

Por que usar camisinha feminina?

iStock

De acordo com Jairo Iavelberg, ginecologista do Hospital Dom Alvarenga, o uso camisinha feminina é muito importante. Principalmente por servir como uma barreira contra doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Além disso, ela também funciona como todos os outros preservativos, com a diferença de que seu uso é interno. Conheça abaixo suas principais vantagens:

  1. Como é feita de poliuretano, é mais resistente;
  2. Oferece mais lubrificação, uma vez que já vem com lubrificante;
  3. Atua como uma barreira física sem ação hormonal;
  4. Não interfere no ciclo menstrual, portanto, sem efeitos colaterais;
  5. Assim como a camisinha masculina, também está disponível nos postos de saúde gratuitamente.

Assim, o preservativo feminino também colabora com o autoconhecimento da mulher, que por vezes deixa de sentir ou conhecer o próprio corpo. O ato de colocar a camisinha feminina pode estimular e fazer com que elas observem com mais curiosidade e atenção essa região tão íntima e importante, e que também merece atenção.

Leia também: Cervicite: conheça a doença que atinge muitas mulheres ao longo da vida

Como usar

iStock

Por ficar dentro do canal vaginal, o uso da camisinha feminina ainda é motivo de dúvidas entre as mulheres. Dessa forma, muitas se perguntam como deve ser feita sua introdução, assim como quais as melhores posições para colocá-la corretamente. Assim sendo, veja as orientações do ginecologista Jairo Iavelberg para evitar possíveis incômodos:

  1. Encontre uma posição confortável – que pode ser sentada com os joelhos afastados, agachada ou, até mesmo, deitada.
  2. Abra o pacote e identifique o lado fechado da camisinha – ela parece um saquinho plástico.
  3. Com a ajuda dos dedos indicador e médio, empurre a camisinha feminina delicadamente para dentro da vagina – com a parte aberta virada para fora.
  4. Na hora de retirar, dê várias voltas na ponta do preservativo para não deixar a secreção escapar.

Ainda que seja fácil identificar o lado da abertura da camisinha feminina, muitas mulheres se confundem e introduzem o preservativo ao contrário. Portanto, observe com atenção para evitar erros desnecessários e, durante a penetração, guie o pênis para o centro do anel externo.

Cuidados

iStock

Segundo o ginecologista Jairo Iavelberg, um dos principais cuidados que a mulher precisa ter é com a manipulação da camisinha no momento de inserção e retirada. “Tudo isso para evitar o vazamento da secreção espermática, comprometendo a principal função do preservativo, que é a proteção”, complementa o especialista. Além disso, é preciso considerar também:

  1. Colocar a camisinha antes de iniciar a relação, protegendo contra DSTs.
  2. Sempre verificar a embalagem, conferindo possíveis danos e perfurações.
  3. Deixar um pedaço do preservativo para fora da vagina, a fim de evitar que ela se movimente ou que o pênis tenha contato com sua parte externa.

Em síntese, essas são orientações necessárias para que a eficácia da camisinha feminina não seja comprometida. Do mesmo modo, confira também sua data de validade e evite utilizar tesouras, os dentes ou outros objetos cortantes para abrir sua embalagem, uma vez que eles podem danificar o produto.

Perguntas frequentes

iStock

1. A camisinha feminina é tão eficiente quanto a masculina?

Leia também: Higiene íntima da mulher: o que fazer e o que não fazer

Sim. Isso porque além de ser feita de um material mais resistente que o látex do preservativo masculino, ela proporciona uma maior proteção da vulva. “A camisinha feminina cobre grande parte da genitália externa e dá mais autonomia às mulheres”, complementa Jairo Iavelberg.

2. Quanto tempo é possível ficar com a camisinha feminina dentro da vagina?

O preservativo feminino pode ser colocado até 8 horas antes da relação sexual. Entretanto, segundo o especialista, o ideal é retirá-la logo após o seu término.

3. Há o risco de a camisinha feminina entrar inteiramente na vagina? O que fazer caso aconteça?

Sim. De acordo com o ginecologista, quando ela não é colocada com as bordas exteriorizadas, pode entrar totalmente na vagina e falhar na proteção. Nesses casos, use os dedos para retirar o preservativo com cuidado e se já houve a ejaculação, procure a orientação de um especialista.

Leia também: Transar menstruada: depoimentos, mitos e verdades

4. Existe algum risco com relação ao uso?

Assim como o preservativo masculino, ela também pode se romper ou causar alergias devido ao seu material sintético.

5. A camisinha feminina só pode ser utilizada por pacientes HIV positivos?

Não, “ela pode ser utilizada por qualquer paciente que já tenha tido a primeira relação sexual”, complementa Jairo Iavelberg.

6. Ela tira o prazer da relação?

Também não. Segundo o ginecologista, a atividade sexual não sofre nenhum tipo de perda de sensibilidade ou prazer com o seu uso.

Lembrando que: torcer o anel da camisinha feminina após a sua utilização evita tanto a contaminação do lixo, como das pessoas que poderão manuseá-lo futuramente. E caso tenha restado alguma dúvida, consulte um ginecologista, ele é um profissional que certamente poderá te ajudar, oferecendo as melhores informações.

Este conteúdo foi útil para você?
Sua opinião é importante para identificarmos onde podemos melhorar.
Sim
Não

Assuntos: Sexo

Para você