Bem-estar

Hipertireoidismo emagrece? Médica lista sinais de problema na tireoide

Canva

Atualizado em 30.05.23

Perda de peso involuntária, coração acelerado, cabelos finos, olhos saltados e ansiedade. Parece cena de filme de terror! Entretanto, pode ser só uma desregulação hormonal, mais especificamente na tireoide. Estimativas mostram que 1% da população possui hipertireoidismo. Sabe-se, no entanto, que ele é mais frequente em mulheres entre 20 e 50 anos. O Dicas de Mulher conversou a endocrinologista Andressa Heimbecher sobre o assunto. Acompanhe!

O que é hipertireoidismo?

O hipertireoidismo ocorre quando a glândula tireoide produz um ou os dois de seus hormônios, T3 e T4, em grande quantidade, desorganizando o funcionamento de todo o corpo. Ele é o oposto do hipotireoidismo, quadro mais famoso e o primeiro a ser considerado quando uma pessoa acha que está engordando sem motivos.

Qual o papel da tireoide?

“Eu costumo falar que a tireoide é a glândula reguladora do nosso metabolismo”, define Andressa, médica colaboradora do Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC- FMUSP) e doutora em endocrinologia pela mesma instituição.

Os hormônios produzidos pela glândula, T3 e T4, são responsáveis por regular órgãos importantes, como o coração, o cérebro, o fígado, os rins, entre outros. “Então, eles ajudam a regular a frequência cardíaca, temperatura corporal, índices de gordura e estabilizam os neurônios para termos regulação de pensamento”, explica a endocrinologista.

Justamente por isso, problemas na tireoide impactam o corpo com sintomas muitos diversos e trazem um grande prejuízo à saúde. “É como se eles fossem um aditivo para o motor do carro funcionar melhor”, considera a médica.

Publicidade

Hipertireoidismo e a saúde feminina

Canva

O hipertireoidismo, assim como os outros problemas na tireoide, é mais comum em mulheres, provavelmente devido às questões hormonais relacionadas ao estrogênio. Por isso, após os 40 anos, é recomendado examinar o órgão periodicamente com exames de imagem. Além disso, existem chances do hipertireoidismo afetar a gravidez ou a fertilidade feminina, como aponta a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Outro ponto levantado por estudos é que, muitas vezes, os problemas de tireoide são causados por doenças autoimunes, “que melhoram durante a gravidez, devido ao alto estado de hormônios femininos (estrogênio e progesterona), e se exacerbam no período pós-parto”, cita um estudo publicado na revista científica Medical Clinics of North America.

Causas do hipertireoidismo

Existem diversas situações que podem fazer a tireoide trabalhar mais do que o normal. Abaixo, Andressa Heimbecher listou as principais causas do hipertireoidismo:

  • Doença de Graves: um quadro autoimune no qual o organismo fabrica o anticorpo TRAB, que se liga às células tireoideanas e as faz produzir mais hormônios T3 e/ou T4.
  • Bócio Multinodular Tóxico: formam-se diversos nódulos na tireoide, que também produzem hormônios T3 e T4, consequentemente, intoxicando o organismo.
  • Doença de Plummer: ocorre quando apenas um nódulo se forma na tireoide e age como no bócio multinodular, produzindo hormônios tireoidianos.
  • Inflamações na tireoide: algumas tireoidites podem causar um rápido quadro de hipertireoidismo, principalmente a tireoidite de Quervain e a pós-parto, além das tireoidites pós-infecções virais, como ocorreu em pacientes após a covid-19. Depois que a tireoide inflamada libera uma alta taxa de hormônios, ela fica uma fase sem funcionar.
  • Medicamentos: remédios ricos em iodo, como a amiodarona, podem causar hipertireoidismo. Isso também ocorre com o medicamento interferon-alfa. Outro remédio famoso por trazer o quadro é o Logol, rico em iodo, que provocou um surto de hipertireoidismo há alguns anos.

Por serem diversos, os quadros influenciam nas manifestações de hipertireoidismo e no tratamento.

Diagnóstico do hipertireoidismo

O hipertireoidismo é um quadro muito estudado na medicina. Andressa explica que clínicos gerais e ginecologistas podem muito bem identificá-lo. Entretanto, o especialista no tratamento desse problema é o endocrinologista. Normalmente, o diagnóstico alia os sintomas a alguns exames laboratoriais. Abaixo, veja quais são.

Publicidade

Sintomas de hipertireoidismo

Os principais sintomas de hipertireoidismo são:

  • Sintomas oculares, como fotofobia e olhos saltados (principalmente na doença de Graves);
  • Aumento dos batimentos cardíacos e da pressão arterial;
  • Arritmias cardíacas;
  • Aumento do suor e da sensação de calor;
  • Nervosismo e ansiedade;
  • Tremores nas mãos;
  • Diminuição do apetite e leve perda de peso;
  • Insônia, fadiga e fraqueza;
  • Aumento no nível de atividades diárias;
  • Intestino solto;
  • Alterações na menstruação;
  • Afinamento e queda de cabelo.

Exames complementares

Para fechar o diagnóstico, geralmente, o especialista pede alguns exames. São eles:

  • Dosagens de hormônios no sangue: normalmente de TSH (hormônio liberado pela hipófise para estimular a tireoide) e de T4 livre para entender se a tireoide está produzindo hormônios a mais.
  • Hormônios complementares: o médico pode pedir outros exames, como T3 total, anti-TPO, anti-tireoglobulina e TRAB, para entender a causa.
  • Ultrassom de tireoide: para verificar se existem nódulos ou se houve alteração em seu tamanho.
  • Cintilografia: para observar se, com a presença dos nódulos, eles estão acelerando a tireoide ou não.

Outro ponto muito propagado pelo discurso popular é que o hipertireoidismo emagrece. De fato, é normal a paciente perder peso, entretanto, não é um emagrecimento saudável. “Afinal, você perde muita massa magra e sobrecarrega o coração”, explica Andressa.

Tratamento do hipertireoidismo

Canva

O tratamento do hipertireoidismo varia muito conforme a causa. “Normalmente, a gente começa com a medicação, caso ela não funcione, encaminhamos a paciente para a radioiodoterapia ou para a cirurgia de retirada da tireoide”, explica Andressa. Abaixo, conheça as alternativas:

Medicamentos

São usadas duas medicações, metimazol (tapazol) e propiltiouracil, que atuam no controle da quantidade de hormônios produzida pela tireoide, bem como na ação do anticorpo TRAB, o causador da Doença de Graves. Normalmente, os remédios ajudam a doença a entrar em remissão.

Radioiodoterapia

Quando a medicação não mostra efeito, pode-se tentar a radioiodoterapia. O paciente vai ao hospital e recebe uma dose baixa via oral de iodo radioativo. “Como a tireoide é o órgão que concentra as maiores quantidades de iodo do corpo, essa substância destrói as células que estão fabricando T3 e T4 em excesso”. A dosagem é baixa, pois, em grande quantidade, pode desencadear o hipotireoidismo – um quadro mais fácil de controlar com a reposição hormonal.

Publicidade

Retirada da tireoide

A tireoidectomia é a cirurgia em que o órgão é completamente retirado, normalmente quando os outros tratamentos não funcionaram, ou se a paciente tem um número muito grande de nódulos no bócio multinodular tóxico. Após a retirada total, é preciso fazer reposição hormonal para o organismo continuar funcionando adequadamente.

Além do hipertireoidismo, há vários outros fatores relacionados à saúde da mulher que exigem cuidados preventivos e um acompanhamento médico atento. Leia a matéria e mantenha seus exames sempre em dia.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.