O que é a gravidez silenciosa e quais os riscos à mãe e ao bebê

Escrito por
Em 21.04.22

Pexels

Embora não seja muito comum, a gravidez silenciosa pode acontecer. Normalmente, a mulher só sabe da gestação pouco antes do bebê nascer ou até mesmo na hora do parto. Para esclarecer o assunto, a ginecologista e obstetra Dra. Regina Amarante (CRM 142513), da Rede de Hospitais São Camilo de SP, explicou o que é a gravidez silenciosa e os seus potenciais riscos. Confira!

Publicidade

Índice do conteúdo:

É possível estar grávida e não ter sintoma?

De acordo com a obstetra, na gravidez silenciosa, a mulher só percebe que está grávida um pouco antes do bebê nascer ou, em alguns casos, na hora do parto. Ou seja, a gravidez não é identificada antes do terceiro trimestre.

Além disso, os sinais de uma gravidez comum, como “atraso menstrual, dor na mama, náuseas e vômitos, tontura, distensão e dor pélvica nem sempre aparecem em todas as gestantes. Por isso, às vezes, a mulher está grávida e não percebe, principalmente se ela tiver irregularidade menstrual ou sangramento uterino recorrente, que pode confundir com a menstruação”, informou a especialista.

Ainda, mulheres que sofrem de ovários policísticos podem ficar meses sem menstruar e, normalmente, essa doença dificulta a gestação, o que pode ser uma surpresa para a mulher descobrir que está grávida.

Outro exemplo citado pela médica: “ocorre em pacientes obesas, pois, talvez, não seja percebido o crescimento da barriga”. Ademais, existem os fatores psicológicos, “quando a mulher não está com a saúde mental equilibrada, pode não perceber e não identificar as mudanças no seu organismo”, finalizou.

Quais são os riscos da gravidez silenciosa?

Os riscos da gravidez silenciosa estão ligados à saúde da mãe e ao desenvolvimento saudável do bebê. Segundo a Dra. Regina, “o maior perigo é a falta do pré-natal, pois esse previne complicações tanto para mãe quanto para o bebê.”

Além disso, como apontou a obstetra, “quando a mulher não sabe que está grávida, talvez, ela use substâncias que podem ser tóxicas para o bebê, como produtos químicos para o corpo, uso de medicamentos, ingestão de álcool, drogas e o tabagismo. O álcool e o cigarro são substâncias proibidas na gestação.”

Segundo a especialista, “estudos mostram que o uso dessas substâncias trazem consequências perinatais e fetais ao binômio, como vasoconstrição placentária, aborto, descolamento de placenta, doenças cardiovasculares, malformações congênitas, menor aporte de oxigênio e nutrientes, síndrome alcoólica fetal e déficit de crescimento”. Por isso, é essencial que a gestante realize o pré-natal para acompanhamento periódico.

Publicidade

Por que não fazer o pré-natal é perigoso?

De acordo com a obstetra, “o pré-natal é essencial para prevenir e diagnosticar doenças que podem afetar o desenvolvimento do bebê e trazer riscos à saúde da mãe”. Dessa forma, é possível identificar problemas fetais, como má formação e problemas de saúde que podem ocorrer com a gestante, como anemia, diabetes, hipertensão arterial, sífilis, pré-eclâmpsia, entre outros.

Bônus: é possível saber se está grávida pela barriga?

A gravidez pode ser observada pela barriga em algumas situações, pois, “pacientes magras conseguem perceber o crescimento do útero e, a partir do quinto mês, a gestante percebe os movimentos do bebê”, explicou a obstetra.

Portanto, é extremamente importante que a mulher visite o ginecologista, principalmente se houver irregularidade no ciclo menstrual. Ademais, os exames ginecológicos devem ser feitos anualmente ou conforme orientação médica para prevenção. Aproveite e saiba mais sobre a gravidez psicológica, como identificar e evitar essa condição.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.