7 características da ginecologia natural para aprofundar o cuidado íntimo

Escrito por
Atualizado em 23.06.21

iStock

Por
Atualizado em 23.06.21

A ginecologia natural que auxilia mulheres a entender o seu corpo e ter mais autonomia para cuidar da saúde íntima. A ginecologista Dra Flávia Junqueira (CRM/SP 101.066) e a psicoterapeuta Flavia Luvizotto (CRP 06/118635) explicaram o que é e quais são as características dessa prática. Confira na matéria!

O que é ginecologia natural?

A ginecologia natural vai além da medicina, essa prática é um movimento cultural e sociopolítico. Segundo a ginecologista Flávia Junqueira, o movimento teve origem na América Latina e resgata os “saberes ancestrais tradicionais, especialmente aqueles partilhados entre mulheres. Esse movimento dialoga com outros, como, por exemplo, o feminismo”.

A ginecologista explicou que a ginecologia natural visa “tornar acessível a qualquer mulher o entendimento dos mecanismos biológicos, sociais e políticos que influenciam no dia a dia”. Dessa forma, ajuda na compreensão dos corpos e desenvolve a autonomia para escolher os cuidados e tratamentos relacionados à saúde feminina. Por fim, ela ressaltou que esse movimento “é um contraponto à ginecologia tradicional, que é profundamente marcada pelo olhar masculino, racial e de classe, focada na alopatia”.

Características da ginecologia natural

iStock

Existem algumas características que marcam a importância e os benefícios da ginecologia natural. Veja abaixo as características da ginecologia natural destacadas pela psicoterapeuta Flavia Luvizotto:

  • Autoconhecimento: “permite à mulher conhecer o próprio corpo e seu funcionamento, seus ciclos e seus ritmos”. Assim a mulher desenvolve a capacidade de reconhecer quando algo foge do padrão. “Do ponto de vista emocional, estimula que a mulher a olhar para si mesma, se apropriando e se responsabilizando pela sua saúde”, completou a psicoterapeuta.
  • Autocuidado: a mulher desenvolve o hábito de cuidar mais de si mesma, buscando entender “equilíbrio e desequilíbrios de seu corpo, através de práticas como chás, banhos de assento, vaporização, entre outros”.
  • Autonomia: para a psicoterapeuta, a ginecologia natural “favorece relações horizontais no cuidado em saúde, além de escolhas conscientes sobre seus processos e tratamento”. Isso possibilita a mulher a ter “mais independência física e emocional”.
  • Liberdade: Flavia Luvizotto contou que ao se conectar com seus ciclos, a mulher cria uma conexão única, “podendo escolher e decidir o que é melhor para si”.
  • Conexão com o natural: “seja pela conexão com seus ciclos ou pelo uso da medicina proveniente da natureza, o resgate dessa conexão tem se mostrado um fator importante no equilíbrio da saúde de muitas mulheres”, afirmou a profissional.
  • Amplia o repertório de cuidados e tratamentos: para Flavia, a ginecologia natural “além da medicina tradicional, permite o cuidado através da mudança de estilo de vida e com o uso de técnicas mais acessíveis para todas as mulheres”. Dessa forma, busca por alternativas mais acessíveis de tratamento e prevenção.
  • Empoderamento: além dos benefícios para o corpo, a prática também favorece o ser de cada mulher trazendo a “sensação de emancipação e domínio sobre a própria vida, autoconfiança, fortalecimento de rede e independência emocional”, afirmou a psicoterapeuta.

A ginecologia natural pode trazer uma série de benefícios às mulheres que estão dispostas a adotar essa prática. Quer saber mais sobre o tema? Confira, a seguir, quais cuidados e contraindicações.

Cuidados ou contraindicações

A ginecologia natural difere da medicina tradicional porque não possui receitas prontas ou um remédio X para tratar determinada doença. Segundo a ginecologista Flávia Junqueira, “não é assim que a ginecologia natural funciona. Ela é um trabalho individualizado que considera a individualidade de cada ser e sua história, trata do corpo e também das emoções”.

A profissional alertou que não é porque a prática visa um tratamento natural que ela não possui contraindicações. É necessário realizar a prática com segurança, Flávia explicou que algumas pessoas “apenas substituem os tratamentos alopáticos por tratamentos naturais […]. É essencial se aprofundar no porquê dos desequilíbrios – grande parte são oriundos do estresse, má alimentação, sono insuficiente e questões emocionais – pois eles podem trazer informações importantes para o tratamento”.

Além disso, Flávia ressaltou a importância do acompanhamento de profissional especializado em ginecologia natural para evitar efeitos indesejados no uso ervas e óleos essenciais. Já que com uso inadequado, eles “podem ser tóxicos e ainda causar reações variadas no médio e longo prazo”.

A ginecologia natural é mesmo uma prática repleta de poder! E com certeza é um assunto que vale a pena ficar por dentro, não é mesmo? Aproveite para conhecer melhor a sua menstruação e cuide mais do seus ciclos.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Assuntos: Bem-Estar, Corpo