Dietas sem glúten, lactose e açúcar: vantagens e desvantagens

Nenhuma dieta ou mudança radical na alimentação deve ser feita sem orientação profissional

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Thinkstock

Na busca por melhores resultados em um processo de emagrecimento, muitas pessoas acabam aderindo, sem nem mesmo consultar um nutricionista, às chamadas dietas da moda, que, em alguns casos, prometem verdadeiros milagres – mas que dificilmente são cumpridos.

Atualmente, fala-se muito sobre a dieta sem glúten e dieta sem lactose e muita gente acredita que elas possam ser a solução para os seus problemas.

Porém, aqueles que veem nestes dois tipos de dieta nada mais do que a possibilidade de emagrecimento estão cometendo um equívoco, já que este não é o objetivo de nenhuma delas.

Neste sentido, é fundamental entender como funciona cada uma destas dietas, quais são suas vantagens e desvantagens, e para que tipo de pessoa são indicadas.

Abaixo, nutricionistas esclarecem as principais dúvidas sobre o assunto.

Dieta sem glúten

Foto: Thinkstock

Vivian Ragasso, nutricionista esportiva do Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte, explica que o glúten é uma proteína presente no trigo, cevada, centeio e, por contaminação cruzada, na aveia. “O plantio e beneficiamento da aveia no Brasil são feitos nos mesmos locais em que o trigo e por isso ocorre a contaminação”, diz.

A nutricionista Sabrina Lopes destaca que o glúten pode provocar inflamações em algumas pessoas, gerando dores articulares, problemas gastrointestinais, dores de cabeças, indisposição e inchaço. “Geralmente esses sintomas são desfrutados por pessoas que possuem uma intolerância ao glúten ou pelos celíacos, e a retirada dessa substância do cardápio, além de eliminar esses sintomas, também auxilia na perda de peso”, explica.

Porém, vale ressaltar, que não existe nenhuma evidência científica que comprove a eficácia da dieta em pessoas que não possuem intolerância ao glúten ou doença celíaca. “Vale lembrar que a eliminação do glúten da dieta só deve acontecer com o auxílio de um nutricionista”, diz Sabrina Lopes.

Vivian Ragasso destaca que o Conselho Regional de Nutrição divulgou, em 2013, um parecer oficial recomendando que a dieta com restrição de glúten deve ser feita apenas por pessoas com doença celíaca. “Não é indicado que as pessoas deixem de consumir alimentos com glúten sem orientação nutricional e sem indicação, evitando a deficiência de nutrientes essenciais responsáveis pela manutenção e promoção do estado nutricional”, diz a nutricionista.

Dieta sem lactose

Foto: Thinkstock

Vivian Ragasso explica que a lactose é um tipo de carboidrato contido em leite de origem animal e seus derivados, como, por exemplo, iogurte, queijos, creme de queijo, entre outros. “Uma dieta sem lactose pode até usar leite animal e seus derivados, contanto que eles não contenham de fábrica esse tipo de carboidrato”, diz.

A nutricionista Sabrina Lopes explica que a dieta sem lactose possui o mesmo princípio da dieta sem glúten. Inclusive, elas são muitas vezes associadas. “Os leites e derivados provocam em alguns indivíduos processos inflamatórios no organismo, devido à lactose e às proteínas do leite (caseína e betalactoglobulina). Esses processos inflamatórios provocam inchaço, desconfortos gástricos e excessos de gases. E, quando o leite é eliminado do cardápio, esses sintomas desaparecem”, diz.

Como no caso da dieta sem glúten, destaca a nutricionista Vivian, a restrição é indicada apenas aos pacientes intolerantes à lactose, por baixa ou nenhuma produção da enzima lactase, que é responsável pela quebra e digestão da lactose.

“Ao retirar totalmente alimentos fontes de lactose, a pessoa corre o risco de retirar um grupo alimentar importante para a saúde, já que a indicação diária é de três fontes de leite ou derivados por dia”, explica Vivian.

A nutricionista Sabrina acrescenta que, além de não ser comprovada a perda de peso devido a essa dieta, a restrição de leite e derivados pode afetar os níveis de cálcio no organismo, caso a pessoa não siga uma alimentação balanceada. Por isso é importante que a dieta sem lactose seja elaborada por um profissional.

Relatos de quem já tentou

Kelly Aguado, 28 anos, pedagoga, conta que, ao relatar sua rinite alérgica à nutricionista, ela sugeriu fazer um teste e retirar por um período as fontes de lactose do cardápio. “Por um tempo não comi nenhum derivado de leite, como queijos, iogurtes e afins”, diz. Para mim foi um período ‘difícil’, já que gosto muito de queijos. Mas consegui seguir a dieta e emagreci bastante. Porém, como já fazia um tratamento para o caso da rinite alérgica, não pude associar a melhora com a restrição à lactose”, acrescenta Kelly.

Thaís Mitto, 26 anos, advogada, passou por uma experiência semelhante: ficou por cerca de 15 dias sem consumir produtos com glúten. “Foi uma sugestão da minha nutricionista. Eu estava há um bom tempo passando mal, com dores de cabeça e enjoos, e não conseguíamos detectar o motivo. Paralelamente a isso, eu queria emagrecer. A profissional sugeriu que eu cortasse por alguns dias o glúten, como um ‘teste’, para ver se meus sintomas não eram de intolerância ao glúten”, relata.

“Porém, após alguns dias, não percebemos diferença. Nem mesmo emagrecer, eu emagreci. Então, aos poucos, com orientação da nutricionista, fui voltando a consumir os produtos que consumia antes desta dieta”, explica Thaís.

Dieta sem açúcar

Foto: Thinkstock

Diferentemente das opções citadas acima, uma dieta sem açúcar pode ser feita por uma pessoa que deseja, simplesmente, perder peso. Mas, ainda assim, é muito importante contar com a orientação de um nutricionista, que possa explicar qual é a melhor maneira de tentar excluir este produto da sua alimentação.

Sabrina Lopes destaca que cortar o açúcar refinado, doces, balas e chocolates da dieta não é uma tarefa fácil, porém, não é impossível. “É uma demonstração de cuidado com o corpo e a saúde”, diz.

A nutricionista Sabrina explica que o açúcar refinado que é encontrado em doces sobrecarrega a glândula responsável pela produção de insulina do organismo, o pâncreas. “Assim, a glicose em excesso é transformada em gordura e fica acumulada no corpo. Esse acúmulo acaba causando doenças como diabetes, hipertensão e obesidade. Então, se eliminarmos o açúcar ou até mesmo reduzirmos as quantidades, conseguimos evitar essas doenças, alcançando mais saúde e qualidade de vida”, diz.

O fator mais complicado é que o açúcar cria um hábito nas pessoas, por isso, é difícil eliminá-lo completamente do cardápio. “É necessário algum esforço para ir reduzindo as quantidades aos poucos, com pequenas trocas, como doces por frutas, chocolates ao leite por chocolate 70% cacau, e por aí vai”, explica Sabrina.

Agora você já sabe: dietas sem glúten e sem lactose, somente em casos especiais, e quando forem prescritas por um nutricionista ou médico. Agora, se sua intenção é cortar ou diminuir o açúcar do seu cardápio, a fim de emagrecer, você pode começar hoje mesmo. Mas, ainda assim, deve consultar um profissional que possa indicar a melhor maneira de se fazer isso, para que você alcance resultados realmente satisfatórios.

Assuntos: Alimentação, Dietas

Para você