Como descobrir o sexo do bebê: conheça todos métodos disponíveis

Ultrassom e exame do sangue materno são os métodos clínicos mais usados para isso, porém existem até mesmo técnicas caseiras que prometem descobrir o sexo do bebê

Escrito por Tais Romanelli
Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

É menino ou menina? Após a confirmação de que a mulher está mesmo grávida, é muito comum os pais aguardarem ansiosamente a descoberta do sexo do bebê.

Existem exceções, mas, atualmente, são poucos os casais que preferem esperar o momento do parto para satisfazer a curiosidade quanto a isso.

A confirmação sobre o sexo do bebê determinará muitos pontos importantes como, por exemplo, o nome, os detalhes do enxoval, a decoração do quarto, além de, é claro, estar ligada aos planos que os pais têm em relação à criança que vai nascer!

E, hoje, para a alegria da maioria dos pais não é preciso mais esperar muito para saber qual será o sexo do bebê. Abaixo você conhece mais sobre os métodos disponíveis para isso.

Métodos clínicos

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

1. Ultrassom

Esta é a forma mais difundida de conhecer o sexo do bebê, além de possuir preço mais acessível.

Leia também: A importância do ultrassom morfológico

Alfonso Massaguer, ginecologia obstetra e Diretor Clínico da Clínica Mãe, explica que o ultrassom pode ser feito a partir de 12 semanas. “Ele busca ver diretamente o órgão genital, as angulações no feto”, diz.

Parece simples, mas, vale ressaltar, a posição do bebê dentro do útero é essencial para que o médico consiga ter imagens claras. Às vezes, o bebê já pode ter a genitália completamente formada, mas se a posição dele não for favorável, o médico pode não conseguir um ângulo adequado para avaliar a região pélvica.

“O ultrassom possui maior credibilidade principalmente a partir de 16 semanas, dependendo da ultrassonografia e posição do bebê”, acrescenta o ginecologista Massaguer.

2. Sexagem fetal (exame do sangue materno)

Este é um exame do sangue materno que pode ser feito a partir de 8 a 9 semanas, de acordo com Massaguer.

“O exame de sangue busca DNA masculino, isto é, pedaços do cromossomo Y no sangue da mãe”, explica o médico.

Leia também: Obstetra esclarece 10 dúvidas comuns sobre ultrassom na gravidez

A desvantagem é que este exame não é feito pela rede pública e nem coberto pelos convênios médicos, ou seja, você terá que pagar caro para “desvendar” essa curiosidade. Ele pode custar entre 300 e 500 reais dependendo da região onde será feito.

“O exame de sangue materno possui alta confiabilidade, principalmente se feito após 9 semanas e se houver gravidez única, além de alguns testes também avaliarem outros cromossomos e doenças como síndrome de Down, Patau, Edward, Tuner, entre outras”, destaca o ginecologista Massaguer.

Teste de urina de farmácia

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Neste caso, você pode descobrir em casa mesmo se está grávida de menino ou menina. É uma tecnologia relativamente nova no Brasil, mas que já presente em outros países há mais tempo.

O teste IntelliGender promete dizer o sexo do bebê em 10 minutos com apenas 10 semanas de gestação. A probabilidade de acerto é de 82%, segundo o fabricante.

A desvantagem é o preço alto e o fato desse tipo de produto não ser encontrado facilmente em farmácias de todas as cidades.

Leia também: Como engravidar de uma menina?

Além disso, vale ressaltar, o resultado não é confiável se a mulher estiver usando hormônios como a progesterona. A eficácia do teste também não é boa em caso de gêmeos ou mais.

Métodos caseiros e crenças populares

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Você já deve ter ouvido falar, por exemplo, que se a barriga da grávida é pontuda, é sinal de que o bebê é menino; e se a barriga é arredondada, é sinal de que é menina. Esta é uma crença popular que existe há muito tempo e passou de geração em geração.

É interessante observar que, apesar de todos os avanços tecnológicos, várias pessoas ainda recorrem a testes caseiros e crenças do tempo das suas bisavós para tentar adivinhar o sexo do bebê.

É importante ressaltar ainda que, como só existem duas opções de sexo, masculino ou feminino, qualquer teste, por mais “absurdo” que seja, terá sempre uma taxa de acerto de 50%.

Abaixo, por curiosidade, você conhece as principais brincadeiras que prometem desvendar o sexo do bebê.

Leia também: Como engravidar de um menino?

1. Formato da barriga

Acredita-se que se a barriga da grávida está mais “pontuda”, ela terá um menino; se a barriga for mais “arredondada”, terá uma menina.

Alfonso Massaguer destaca, porém, que este é um mito. O formato e o tamanho da barriga da mãe não têm relação com o sexo do bebê, mas, sim, com tônus muscular do abdômen, com o biotipo da mulher, o tamanho e o peso do bebê etc.

2. Tabela chinesa

De acordo com a lenda, uma tabela chinesa de mais de 700 anos foi encontrada enterrada na tumba de uma família real e consegue prever, a partir da idade lunar da mãe e do mês da concepção, o sexo do bebê com 99% de segurança.

Para usar a tabela chinesa basta combinar a idade lunar da mãe com o mês em que ela engravidou (mês da concepção). A idade lunar é definida com a idade da mulher + 1. (Porém, não se soma o número 1 quem nasceu em janeiro ou fevereiro).

Por exemplo, uma mulher que tem 34 anos, nasceu em março, tem como idade lunar: 34 + 1 = 35. Basta combinar na tabela o 35 ao mês da concepção do bebê.

Porém, vale ressaltar que esta tabela não passa de uma crença. Aliás, foi feito um estudo para comprovar que ela não tinha 99% de eficácia. Através de uma pesquisa sueca, que avaliou a gravidez de 2.8 milhões de mulheres entre os anos de 1973 e 2006, chegou-se à conclusão de que a tabela chinesa possui uma taxa de acerto próxima de 50%.

3. Brincadeira do talher

Peça para o pai da criança ou outra pessoa que esteja curiosa para saber o sexo do bebê colocar uma faca e uma colher embaixo de cada almofada. Depois, você só precisa escolher uma almofada e se sentar sobre ela: sentou na almofada com colher, é menina; sentou na almofada com faca, é menino.

Claro que esta é apenas uma brincadeira e não tem nenhuma comprovação científica.

4. Palma da mão

Essa é uma brincadeira que a grávida deve desconhecer… Uma outra pessoa pede para ela mostrar a mão: caso ela mostre a palma da mão para cima, é menino; se ela mostrar a palma da mão para baixo, é menina.

Esta é mais uma brincadeira/crença que serve para divertir aqueles que estão na expectativa de saber o sexo do bebê, mas que não tem nenhuma comprovação.

5. Idade dos pais

Outra brincadeira diz que, somando a idade da mãe com a idade do pai e subtraindo 1, se o resultado for par, é menino; se for ímpar, é menina.

É possível observar que nenhuma dessas brincadeiras possui ligação com a realidade, ou seja, não se pode saber se um bebê será menino ou menina através de uma simples operação de soma e subtração pré-determinada, por exemplo. Elas não passam de crenças populares que servem para divertir algumas pessoas que estão naquela expectativa de descobrir o sexo do bebê, afinal, não custa nada fazê-las, não é mesmo?

Claro que, vez ou outra, esse tipo de brincadeira pode dar certo. Afinal, como só existem duas opções de sexo, masculino ou feminino, qualquer teste terá sempre uma taxa de acerto de 50%. Mas não há como negar que não passam de mitos.

Para descobrir o sexo do bebê, o caminho mais correto é recorrer aos métodos clínicos, ou seja, ao ultrassom ou ao exame do sangue materno.

Assuntos: Gravidez

Dicas pela Web