Sociedade

Carta aberta à Klara Castanho

Dicas de Mulher

O Dicas de Mulher opta por não repercutir o fato e oferece acolhimento à atriz

Em 27.06.22

Klara Castanho,

Não queremos fazer do Dicas de Mulher um espaço de superexposição e violência. O que nós buscamos é oferecer acolhimento, amparo e afeto. Enquanto portal feminino, composto por mulheres, recomendamos o exercício importantíssimo da empatia, isto é, que as pessoas se coloquem no seu lugar e sejam sensíveis perante às suas dores.

O trecho “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”, da canção ‘Dom de iludir’, conhecida na voz da Gal Costa e do Caetano, pode servir de lembrete, uma espécie de alerta de humanidade quando se pensa na repercussão do seu texto.

A dor e a delícia de ser mulher é algo que somente nós sabemos o que é, dia após dia. Sentimos na pele, na alma e no coração. Nas últimas semanas, foram muitas as dores que sentimos, mas nada nos feriu mais do que saber que uma mulher foi violentada de tantas maneiras por algo tão fora de seu controle. Por um homem, por profissionais de saúde, pela mídia e por usuários das redes sociais.

O próprio ato de ter de vir a público para dar explicações sobre uma violência sofrida é mais uma situação de violência. É brutal relembrar traumas, expor feridas e se mostrar vulnerável para todo país.

Foi um ato muito humano entregar a criança para adoção. Você foi bondosa, amorosa, humana e sábia. Fez o melhor que podia para que aquele pequeno ser humano pudesse ser amado e protegido. Mesmo estando dilacerada, física e emocionalmente.

Klara, nós desejamos que as lembranças desse episódio se tornem menos dolorosas. Torcemos para que os danos dessa violência um dia deixem de te acompanhar. Que você possa ser reluzente como sempre foi, volte a confiar nas pessoas e tenha o coração e os passos leves.

Desejamos também que, em breve, possa lembrar mais das delícias de ser o que você é: uma mulher com toda uma vida pela frente e muitos caminhos bonitos para percorrer. Uma mulher destemida, forte, humana, além de uma grande artista.

Por fim, Klara, queremos dizer o mais importante: você não está sozinha.

Editora-chefe do Dicas de Mulher, mestra em Letras, mediadora do clube de leitura #LeiaMulheres e autora do livro "O rio seco que vive em mim". Durante longo período, pesquisou sobre violência no Brasil. Gosta de planta, de bicho e de gente, mas ainda mais de histórias.