Riscos de emendar o anticoncepcional

Apesar de comum, esta prática deve ser evitada pois pode significar complicações no organismo

Escrito por Ana Carolina Gabriel

Foto: Thinkstock

Além do método contraceptivo, a pílula anticoncepcional previne várias doenças, reduz cólicas e incômodos pré-menstruais, além de controlar o aparecimento de acne na pele. É ela também quem previne cistos e cuida dos ovários policísticos.

Mas independente de qual for o motivo para querer usar, é preciso antes de mais nada, pedir orientações médicas, afinal, somente o profissional poderá indicar a melhor opção para o seu caso.

Por ser uma maneira eficaz de prevenir a gravidez, ela é um dos métodos mais utilizados pelas mulheres. “Além do método contraceptivo, a pílula é benéfica em casos de ovário policístico. O uso de pílula também é indicado para casos de forte TPM e cólicas menstruais intensas”, explica a ginecologista Elisabete Dobao.

Depois que o ginecologista indicar a melhor opção para você, peça também para que ele explique qual é a maneira correta de tomar. A ginecologista recomenda fazer o uso dela sempre no mesmo horário. “Hoje em dia as pílulas tem cada vez mais baixa dosagem, e tomá-la no horário certo é indispensável para manter o nível hormonal que garante a eficácia do remédio”, sugere.

Considerando todos esses benefícios, a dúvida mais comum é: posso emendar a pílula anticoncepcional? A resposta: não deve. A regularidade em tomar os dois hormônios presentes no medicamento, o estrogênio e o progesterona, pode aumentar o volume do ovário. Por isso, nunca emende sem consulta médica.

Antes de escolher o melhor medicamento, é recomendado passar pelo ginecologista para que ele oriente o melhor tipo de anticoncepcional para o seu organismo. No início, ele pode causar algumas sensações desagradáveis, como enjoos, mas depois que o organismo se adaptar, trazem vários benefícios.“A pílula anticoncepcional mantém o bem-estar da mulher, já que evita cólicas, por exemplo. Mas é preciso não parar ou esquecer de tomá-la, pois os sintomas antes da menstruação podem voltar”, alerta.

Diferente do que é comum ouvir, o uso constante da pílula anticoncepcional não causa infertilidade. Quando a mulher deseja engravidar, é necessário parar o medicamento e, com acompanhamento médico, é possível ficar gestante depois de um mês sem o uso da pílula.

Falar também que é preciso tomar o anticoncepcional por um ano, e fazer uma pausa de um mês também é totalmente mito. “De uma maneira geral, não é necessário fazer pausa de um mês, muito pelo contrário, quando a pessoa volta a tomar a pílula, ela vai passar por efeitos colaterais de readaptação do organismo ao medicamento”, afirma a Elisabete. .

Mas caso você tenha parado de tomar a pílula por algum motivo, é preciso buscar outras maneiras de se prevenir. “Se houver pausa do remédio, é preciso recorrer a outro método anticonceptivo para evitar a gravidez indesejada”, recomenda a ginecologista.

Dicas pela Web