Qual a melhor forma de pagamento para compras no exterior?

Especialistas comentam as opções disponíveis no mercado e dão dicas para ajudá-la a escolher a mais indicada para você

Escrito por Jenifer Corrêa

Foto: Thinkstock

O dólar não está mais nos níveis tão atrativos como em 2009, mas ainda assim a cotação da moeda norte-americana favorece as compras no exterior. Os preços de produtos como maquiagens, perfumes e roupas (para não falar dos eletrônicos) são imbatíveis e quem tiver oportunidade de viajar para fora ou comprar de sites estrangeiros deve aproveitá-los.

A questão é: qual a melhor forma de pagar pelas compras feitas em outros países? Até pouco tempo atrás, um critério de escolha poderia ser as taxas cobradas, que variavam de acordo com o meio de pagamento escolhido.

Entretanto, decisão recente do governo brasileiro padronizou o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) para saques, compras no cartão de débito, cartão pré-pago e travelers cheques utilizados no exterior em 6,38%, mesmo valor que já era aplicado no uso do cartão de crédito.

Assim, resta aos viajantes considerar outros fatores para escolher seu meio de pagamento nas viagens estrangeiras. “A pessoa deve levar em conta o quanto ela deverá gastar em toda a viagem, quais as condições e facilidades de acesso a bancos ou caixas eletrônicos no local de destino e quando ela terá os recursos para serem gastos (antes ou depois da viagem)”, aconselha Emanuella Gomes Xavier, economista e planejadora financeira da WGFP.

Confira as recomendações de especialistas para conhecer as principais opções disponíveis no mercado e escolher a mais indicada para você:

1. Dinheiro em espécie

Com a padronização do IOF, o uso do dinheiro em espécie tornou-se a opção mais vantajosa financeiramente, visto que não há a cobrança de taxas para aquisição de moeda estrangeira em casas de câmbio. Entretanto, é importante lembrar que carregar todo o dinheiro na carteira é arriscado em qualquer parte do mundo.

“O montante a ser levado deve ser apenas o necessário para emergências, utilização em locais em que não se aceita cartões (lanches durante a viagem, táxi e gorjetas, por exemplo) e quando não sabemos qual será a facilidade e o acesso à terminais bancários de saque no local de destino”, sugere a economista.

2. Cartão de crédito

Antes da padronização do IOF, o cartão de crédito era a opção mais desvantajosa financeiramente. Tendo agora a mesma taxa das demais opções de pagamento, torna-se uma escolha interessante especialmente para quem quer ganhar mais tempo para pagar as despesas da viagem.

O planejador financeiro pessoal Leonardo Gomes, no entanto, alerta para o risco de câmbio, que ocorre pelo fato de a conversão acontecer somente no vencimento da fatura e não na data da compra. Assim, não dá para saber de antemão o quanto você irá pagar pelo produto e você ainda pode ser surpreendida pelas variações de mercado.

3. Cartão de débito

Uma grande vantagem do cartão de débito em relação ao cartão de crédito é que o valor de conversão do câmbio é o do dia, eliminando o risco de oscilações expressivas até a data de fechamento da fatura. “Se o banco operar com uma taxa de câmbio próxima ao comercial, então está será a forma de compra mais barata entre todas as disponíveis”, destaca Emanuella.

4. Cartão pré-pago

Era uma das opções mais vantajosas financeiramente antes da padronização do IOF, mas agora sua principal vantagem é a possibilidade de maior controle dos gastos de viagem. Trata-se de um cartão que é carregado em uma casa de câmbio utilizando a cotação do dia para a conversão.

“É aceito em praticamente todos os lugares que aceitam cartão de crédito”, explica o educador financeiro Mauro Calil. A economista Emanuella Gomes Xavier recomenda que, antes de comprar o cartão, é importante pesquisar as cotações praticadas em diferentes casas de câmbio para escolher a mais vantajosa.

5. Traveller check

Caíram em desuso já há algum tempo principalmente por conta da popularização do cartão pré-pago. Obrigava o detentor a trocá-lo por dinheiro em espécie.

Mais dicas para acertar na hora das compras

Foto: Thinkstock

Na hora de viajar para fora, uma boa pedida para economizar ainda mais é comprar as passagens no cartão de crédito. Além da possibilidade de acumular milhas (para tornar a próxima viagem de avião mais barata), algumas operadoras de cartões oferecem seguros de viagem como bônus nesse tipo de compra.

As bandeiras Visa e Master, por exemplo, oferecem cobertura de acidentes em viagem para o titular do cartão e seus dependentes, desde que a passagem tenha sido adquirida integralmente com o próprio cartão de crédito ou com milhas.

Dependendo do tipo do cartão, o titular pode contar também com assistência de viagem e seguro de veículos alugados. Antes de viajar, não deixe de entrar em contato com a sua operadora para checar seus eventuais benefícios em viagens internacionais.

Para você