O que é psicoterapia e quais seus benefícios para a saúde mental

Escrito por
Atualizado em 02.08.21

iStock

Por
Atualizado em 02.08.21

Tristeza, ansiedade, problemas com relacionamentos, conflitos pessoais, desenvolvimento profissional, autoconhecimento… Muitos são os motivos da busca pelo processo psicoterapêutico. Mas, será que a psicoterapia auxilia mesmo na conquista do bem-estar emocional e qualidade de vida? Para responder essa e outras dúvidas, convidamos a psicóloga Rebeka Nascimento do Santos (CRP 05/58097). Confira suas respostas na matéria a seguir!

Publicidade

O que é psicoterapia

Apesar da falsa crença de que a terapia pode ser substituída por amigos ou hobbies, o conceito dentro da psicologia, vai além. Segundo a psicóloga Rebeka, “a psicoterapia é o acompanhamento terapêutico feito por um profissional graduado em psicologia que busca promover bem-estar emocional e qualidade de vida através do diálogo e técnicas terapêuticas que trabalham questões emocionais, cognitivas e comportamentais”.

Desde o terapeuta, o ambiente, as técnicas teóricas utilizadas e a ética profissional que envolvem o processo, tudo influencia na evolução do paciente. Rebeka explica ainda que “o acompanhamento psicoterapêutico pode ser individual, familiar ou em grupo, e abrange todas as faixas etárias”. Além disso, “é através do vínculo estabelecido entre o psicólogo e o paciente, que se trata as demandas recorrentes como demandas sociais, desenvolvimento humano, planejamento de carreira, luto, patologias psicológicas como depressão e ansiedade, transtornos alimentares, entre outras coisas”, conta a profissional.

6 benefícios incríveis promovidos pela psicoterapia

iStock

São inúmeros os benefícios ocasionados pelo processo terapêutico, e cada pessoa dentro de sua individualidade irá desfrutar diferentemente deles. Contudo, a psicóloga Rebeka nos contou algumas das principais vantagens. Confira a seguir:

  • Autoconhecimento: mesmo convivendo consigo mesmo 24 horas por dia, todos os dias da sua vida, algumas coisas podem passar despercebidas. Mas, de acordo com Rebeka “é através do diálogo sobre as vivências e emoções, e reflexões importantes sobre elas, que a psicoterapia ajuda o indivíduo a se conhecer de maneira mais profunda e completa”.
  • Elaboração de conflitos: dentro da jornada pessoal de cada pessoa existem conflitos e traumas mal resolvidos que geram incomodo e desconforto emocional, podendo intensificar sentimentos negativos. “Conversando abertamente sobre os conflitos, dentro de um espaço sem julgamentos ou criticas, o paciente pode elaborá-los e compreendê-los, reduzindo o sofrimento psíquico e desenvolvimento resiliência emocional”, explica a psicóloga.
  • Desenvolvimento de habilidades sociais: nem todo mundo é extrovertido ou possui facilidade em interagir com outras pessoas, mas algumas vezes isso pode se tornar um problema. “Sabemos que temos diariamente que lidar com outras pessoas, entrar em contato com elas, e para pessoas com uma personalidade introvertida isso pode ser um problema, afetando o desempenho na escola ou no trabalho, por exemplo. A terapia nesse sentido vai auxiliar na conquista da segurança pessoal e de habilidades sociais, no intuito de controlar o sofrimento causado por situações estressoras”, conta Rebeka.
  • Fortalecimento da autoestima: Segundo a terapeuta, “as reflexões levantadas dentro do processo terapêutico auxilia no autoconhecimento como dito anteriormente, e consequentemente no amadurecimento do amor-próprio, elaborando os conflitos pessoais e fortalecendo a autoestima”.
  • Controle de emoções e comportamentos: rompantes de choro, ataques de raiva, crises de ansiedade, tudo isso gera mal-estar e incomodo, tanto para quem sente, quanto para quem está em volta. A profissional de psicologia esclarece que “a terapia pode atuar também nas questões de autocontrole através do desenvolvimento do autoconhecimento, elucidando as causas da intensificação dessas emoções e/ou comportamentos”.
  • Desenvolvimento dos relacionamentos interpessoais: “seja em relações familiares, amorosas, profissionais ou de amizade, estamos constantemente ligados a outras pessoas em diferentes graus de intimidade. Contudo, se relacionar com outras pessoas, sempre irá ocasionar conflitos, e a psicoterapia irá auxiliar na compreensão e resolução desses conflitos e também no respeito e reconhecimento de si e do outro”, explica a especialista.

Você já sabia desses benefícios? Claro que existem muitos outros, mas é incrível perceber como a mente humana possui uma capacidade gigantesca de desenvolvimento emocional, você não acha?

Tipos de psicoterapia: técnicas e eficácia

O acompanhamento psicológico utiliza-se de diversas técnicas e teorias, diferenciando-se entre as abordagens psicoterapêuticas, e a psicóloga Rebeka contou um pouquinho sobre as principais delas. Veja a seguir:

1. Psicoterapia psicanalítica

iStock

Desenvolvida por Sigmundo Freud, essa abordagem teórica diz respeito a investigação da psique humana e seu funcionamento, através da associação livre do paciente e da escuta terapêutica. Segundo a psicóloga Rebeka, esse processo “busca a compreensão dos conteúdos inconscientes de cada indivíduo”.

Publicidade

As sessões geralmente tem a duração de 50 minutos, podem ser realizadas com adultos, adolescentes e crianças, e podem ocorrer mais de uma vez na semana, a depender do paciente e do terapeuta. Além disso, uma característica importante da psicanálise é a presença de um divã no setting terapêutico, que em determinados momentos do processo pode auxiliar na livre associação do paciente.

2. Psicoterapia analítico-comportamental

Baseada pelo behaviorismo radical, postulado por Skinner, “essa abordagem busca a elaboração de conflitos emocionais através da investigação da relação entre comportamento e ambiente, tendo em vista os reforçadores positivos e negativos que podem levar um indivíduo agir de determinada maneira”, esclarece a especialista.

Os encontros ocorrem geralmente uma vez por semana, com a duração de em média 50 minutos, e podem ser realizadas com adultos, adolescentes e crianças. E apesar de não ter um número predeterminado de encontros, costuma ser menos duradouro que a psicoterapia psicanalítica, por exemplo.

3. Psicoterapia cognitivo-comportamental

iStock

Essa abordagem teórica é uma das mais recentes e “une a compreensão comportamental com uma análise dos processos mentais que fazem cada indivíduo agir de determinada forma”, afirma a psicóloga. A técnica produz reflexões relevantes sobre ações, emoções e pensamentos, que consequentemente geram elucidações de como transformá-los.

Assim como na terapia analítico-comportamental, as sessões uma vez por semana, com a duração de em média 50 minutos, sem distinção de faixa etária, e o processo também costuma ser menos duradouro que o processo psicanalítico.

4. Psicodrama

Desenvolvido por Jacob Levy Moreno, o psicodrama é realizado em grupo. A psicóloga explica que a técnica “busca através de uma dramatização improvisada realizar uma análise da psique humana e a compreensão do amadurecimento dos vínculos afetivos”. Essa abordagem auxilia nos relacionamentos interpessoais, na autoconfiança e no desenvolvimento da espontaneidade dos indivíduos.

O processo psicodramático pode ocorrer semanalmente, com duração média de 50 minutos, sempre em grupo e sem distinção de faixa etária.

5. Ludoterapia

iStock

De acordo com a psicóloga, “a ludoterapia é uma abordagem psicoterapêutica que visa auxiliar a criança em seu desenvolvimento emocional, permitindo que ela expresse seus sentimentos, emoções e pensamentos, através de um conjunto de técnicas lúdicas e brincadeiras”.

Publicidade

As sessões de ludoterapia são voltadas apenas para o público infantil, e ocorrem semanalmente, sempre no mesmo horário, com duração média de 50 minutos, a depender da criança e do profissional.

6. Gestalt terapia

Centrada no paciente e em suas experiências atuais, “a gestalt terapia tem como objetivo fazer com que o paciente tenha a compreensão de si mesmo e de sua individualidade, analisando seus comportamentos padrões e consequentemente transformando-os”, afirma Rebeka. A técnica auxilia o individuo a apropriar-se de si mesmo, de suas características e se duas vivências.

Os encontros dessa abordagem também correm semanalmente, possuindo com duração média de 50 minutos, e a terapia pode ser individual, de casal, familiar, e até mesmo grupal.

Apesar das diversas linhas teóricas, é importante ressaltar que “todas as abordagens terapêuticas são igualmente eficazes. O paciente deve instruir-se e identificar-se com o trabalho do profissional escolhido e comprometer-se com o processo, para ter uma boa evolução terapêutica”, esclarece a especialista.

Como é uma sessão de psicoterapia? Será que muda conforme a abordagem teórica?

Quando você pensa em psicoterapia, o que vem a sua mente? A maioria das pessoas tem uma visão predeterminada de como é uma sessão de terapia. Mas será que tem diferenças significativas de um profissional para outro? De acordo com Rebeka, sim! A psicóloga esclarece que “existem diferenças na estrutura das sessões de psicoterapia, de acordo com a abordagem aplicada. Mas a principal ferramenta é o vínculo terapêutico construído entre o psicólogo e o paciente, o diálogo livre de julgamentos, o acolhimento, a ética profissional e a empatia que devem estar sempre presentes no setting terapêutico”.

Além disso, “o processo é realizado geralmente sessões semanais, com duração de 50 minutos e sem uma quantidade predeterminada de encontros. Porém, isso também pode variar de acordo com cada profissional, clínica ou plano de saúde”, revela a psicóloga.

Atualmente existe ainda a possibilidade da realização de sessões online, que ocorrem basicamente semelhante às sessões presenciais. Os encontros, porém, ocorrem através de chamadas de vídeos ou de voz, através de plataformas ou aplicativos que disponibilizam esse serviço.

Quando devo fazer psicoterapia?

iStock

Existe uma visão predeterminada da psicoterapia apenas como tratamento de transtornos ou causas de sofrimento psíquico, além do preconceito em relação ao acompanhamento psicológico. Contudo, a psicóloga Rebeka esclarece: “qualquer indivíduo em qualquer momento da vida pode procurar o apoio psicológico. Normalmente essa demanda surge diante de conflitos emocionais, questões comportamentais, quando existem sintomas evidentes, em situações de luto, adaptação a mudanças, etc, mas a psicoterapia não é eficaz apenas no tratamento, mas também na prevenção da saúde mental e qualidade de vida”.

Além disso, “a psicoterapia é um processo intenso e autêntico que beneficia a todos, independente da faixa etária ou demanda”, afirma a psicóloga, e ressalta “procure um profissional de psicologia e invista na sua saúde mental”.

Publicidade

Buscar a resolução de conflitos pessoais e a diminuição do sofrimento psíquico é buscar também a melhor versão de si mesmo e ter qualidade de vida. E se quiser saber mais a respeito desse tema, confira ainda essas dicas para cuidar da sua saúde mental!

Assuntos: Bem-Estar