Obesidade: conheça causas, riscos, diagnóstico e tratamentos

Ela é fator de risco para outras doenças graves, como diabetes, câncer e hipertensão arterial

Escrito por Tais Romanelli

Foto: iStock

A obesidade é uma doença que afeta milhões de pessoas em todo o mundo, inclusive crianças. Falar sobre ela se faz cada vez mais necessário, pois, infelizmente, ainda existe muita desinformação sobre o assunto, e muitas pessoas acham que obesidade se resume simplesmente a uma característica de “pessoas que comem demais”.

A nutricionista funcional Juliana Pizzocolo destaca que a obesidade é uma doença crônica e multifatorial, ou seja, uma complexa interação entre fatores genéticos e ambientais. “Com o estilo de vida atual, onde as pessoas correm contra o tempo, a alimentação pouco saudável (e rápida) ganhou espaço, sem contar que os indivíduos passam longos períodos sentados, em frente ao computador. Tudo isso associado ao estresse, poucas horas de sono, fumo e fatores genéticos”, explica.

Abaixo você confere tudo o que precisa saber sobre obesidade: diagnóstico, causas, classificação dos diferentes tipos, fatores de risco e tratamentos para a doença.

Principais causas da obesidade

Foto: iStock

Giovanna Carpenti, endocrinologista, mestre em Tecnologias e Atenção à Saúde, e doutora em Endocrinologia com ênfase em Obesidade pela UNIFESP/EPM, destaca que as causas da obesidade podem variar muito e incluem fatores genéticos, ambientais, psicológicos e sociais. Neste sentido, podem ser citadas:

Desequilíbrio entre calorias ingeridas e queimadas: isso costuma ocorrer devido a uma dieta com a ingestão de muitos alimentos calóricos associada ainda à falta de atividade física.

Leia também: 14 dicas para mudar seus hábitos culinários e preparar refeições mais saudáveis

Predisposição genética: há indivíduos mais propensos a ganhar peso. Conforme exemplifica Giovanna, existem pessoas com taxas de metabolismo mais baixas que outras. Isso dificulta o gasto calórico diário e contribui para o desequilíbrio das calorias ingeridas e queimadas pelo organismo.

Sedentarismo: muitas pessoas sentem dificuldades em se exercitarem e, além disso, por motivos de trabalho e/ou por hábito mesmo, ficam horas sentadas em frente a computadores, movimentando-se muito pouco ao longo do dia.

Oferta de alimentos e hábitos sociais prejudiciais: no estilo de vida atual, a oferta de produtos industrializados e/ou fast foods é enorme, e os hábitos de “sair para comer ou beber” com amigos ou familiares também estão enraizados na sociedade, o que facilita uma alimentação inadequada, rica em calorias e ingredientes prejudiciais à saúde.

Estresse: com uma rotina agitada, o imediatismo que a sociedade atual exige, poucas horas de sono, os compromissos em todos os âmbitos da vida, entre outros fatores, muitas pessoas se encontram estressadas – o que contribui significativamente para o ganho de peso, entre outros problemas de saúde.

Essas são apenas algumas das causas possíveis e vale destacar que, na maioria das vezes, elas estão associadas. Por exemplo, a pessoa come muitos alimentos industrializados; durante a semana tem uma rotina intensa, com poucas horas de sono; e, para completar, não encontra tempo e/ou não sente vontade de se exercitar… Tudo isso se associa, contribuindo significativamente para o ganho de peso.

Leia também: 10 alimentos que os nutricionistas gostariam que você não comesse

Diagnóstico e tipos de obesidade

Foto: iStock

Juliana explica que o diagnóstico da obesidade é feito através de avaliações antropométricas (IMC, Dobras Cutâneas, Circunferências e Bioimpedância).

É por meio do IMC (Índice de Massa Corpórea) que será definido se o paciente tem sobrepeso, obesidade grau I, obesidade grau II ou obesidade mórbida, conforme explica a nutricionista funcional:

  • Sobrepeso: IMC 25 – 29,9
  • Obesidade Grau I: IMC 30 – 34,9
  • Obesidade Grau II: IMC 35 – 39,9
  • Obesidade Mórbida: IMC acima de 40

“Lembrando que para classificar um indivíduo como obeso, todas as avaliações antropométricas devem ser analisadas”, acrescenta Juliana.

Riscos da doença

Foto: iStock

Juliana destaca que a obesidade pode trazer inúmeros riscos à saúde, como, por exemplo:

  • Diabetes tipo 2;
  • Hipertensão;
  • Problemas cardiovasculares;
  • Trombose;
  • Linfedema;
  • Celulite;
  • Aumento do ácido úrico;
  • Problemas articulares;
  • Aumento do colesterol;
  • Apneia;
  • Depressão;
  • Esterelidade;
  • Distúrbio menstrual;
  • Doenças gastrointestinais;
  • Esteatose hepática (gordura no fígado);
  • Cálculos biliares;
  • Hérnia;
  • Câncer;
  • Insuficiência renal.

Dessa forma, fica claro que, diferentemente do que muita gente pensa, a obesidade não é um problema de caráter estético, mas sim, uma doença que oferece sérios riscos à saúde e que, por isso, deve ser tratada.

Leia também: 13 dicas para ter uma vida saudável sem neuras

Tratamento para a obesidade

Foto: iStock

A obesidade exige tratamento e, sobretudo, mudanças reais de comportamento. Conheça os principais métodos utilizados neste sentido:

Reeducação alimentar

Prevê que a pessoa seja reeducada quanto aos seus hábitos alimentares e de vida e, assim, perca peso de forma saudável e sem precisar de outros procedimentos. A prática de atividade física também é essencial neste sentido. Giovanna destaca que a reeducação alimentar é indicada em todos os casos. “Em caso de sobrepeso, sem nenhuma outra doença associada, somente a reeducação alimentar é indicada. Nos casos de obesidade ou de doenças associadas ao excesso de peso, o tratamento medicamentoso também se faz necessário”, explica.

Cirurgia bariátrica

Juliana esclarece que a cirurgia bariátrica é indicada em indivíduos que estão com IMC acima de 40Kg/m2 e são portadores de comorbidades como diabetes 2, apneia, hipertensão, doenças cardíacas, dentre outras. “O procedimento para dar início à cirurgia é delicado e, em alguns casos, demorado. É necessário um acompanhamento contínuo e profundo com uma equipe multidisciplinar (nutricionista, psicólogo, psiquiatra, endocrinologista e cirurgião), onde cada profissional deve aprovar (ou não) se o paciente está apto para a realização do procedimento”.

Balão intragástrico

Trata-se de um procedimento usado temporariamente para auxiliar na perda de peso. “Colocado por endoscopia, este balão provoca a distensão do fundo do estômago, estimulando a saciedade. Pode ser indicado em pré-operatório de pacientes com IMC acima de 50 (super-obesidade), que não conseguiram emagrecer com tratamento clínico e acompanhamento de nutricionista e preparador físico. Vale lembrar que este é um procedimento auxiliar e deve ter como aliado um hábito de vida saudável (alimentação + atividade física)”, destaca Juliana.

Após o diagnóstico, o médico indicará ao paciente qual é o tratamento mais indicado para o seu caso. De toda forma, a reeducação alimentar e a adoção de hábitos de vida mais saudáveis – como se exercitar, dormir bem, não fumar etc. – são fundamentais na hora de combater a obesidade.

Leia também: 24 dicas para perder peso comprovadas cientificamente

Grupos e fatores de risco

Foto: iStock

De acordo com a nutricionista Juliana, os principais fatores de risco para obesidade são:

  • Diabetes;
  • Histórico familiar;
  • Tabagismo;
  • Uso excessivo de bebida alcoólica;
  • Colesterol alto;
  • Hipertensão;
  • Hábitos alimentares inadequados;
  • Problemas no sistema linfático;
  • Estresse excessivo;
  • Sedentarismo;
  • Ansiedade;
  • Doenças (hereditárias e/ou desequilíbrios hormonais).

Giovana ressalta que são vários os fatores que contribuem para o desenvolvimento da obesidade. “No entanto, o acúmulo de gordura se justifica por dois hábitos individuais: o sedentarismo somado à má alimentação. Dizemos que tem uma má alimentação principalmente aquelas pessoas que dão prioridades a açúcares e alimentos calóricos. Outros fatores importantes são o estresse, a ansiedade, o abuso de bebidas alcoólicas e o uso de alguns tipos de medicamentos”, finaliza a endocrinologista.

A obesidade é, sem dúvidas, uma doença que deve ser levada a sério. Ela pode, inclusive, se iniciar na infância e, por isso, é importantíssimo que os pais estejam atentos a essa possibilidade e estimulem, dentro de casa, uma alimentação e hábitos de vida mais saudáveis junto a seus filhos.

Dicas pela Web