Espinha inflamada: causas, tratamentos e prevenção

Algumas pessoas, devido à predisposição para o problema, apresentam lesões mais inflamadas e dolorosas

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Thinkstock

Quem não gosta de se olhar no espelho e se sentir bem com o que vê?! É neste sentido que, em alguns momentos, uma espinha – ainda mais com aquela aparência bastante inflamada – torna-se uma das grandes vilãs da mulher!

Muita gente acredita que o problema ocorra exclusivamente na adolescência. Mas isso não é verdade. O quadro de acne, de forma geral, se desenvolve – por uma série de fatores – nessa fase, mas, em algumas pessoas permanece na vida adulta.

Mas, enfim, o que gera uma espinha inflamada? Por que algumas pessoas têm mais tendência a ter acne do que outras? Como tratar o problema? Como evitar o surgimento de espinhas? Perguntas como essas são comuns, pois muita gente ainda tem dúvidas sobre o assunto. Por isso, abaixo você confere as respostas para essas e outras questões.

O que é espinha?

Antes de falar sobre tratamento, prevenção, é fundamental entender o que são as espinhas.

As glândulas sebáceas fabricam naturalmente um tipo de gordura que protege a pele. Mas, quando a produção é excessiva – o que ocorre por razões genéticas ou hormonais – , parte do sebo fica retida, entupindo os poros.

O acúmulo dessa secreção gordurosa retida pela obstrução favorece a infecção por bactérias, especialmente pela Propionibacterium acnes.

Com isso, entram em cena as células de defesa e, do “confronto” entre elas e as bactérias resulta uma inflamação com pus. Ao chegar à superfície, a secreção dá origem à pústula, mais conhecida como espinha.

Causas da acne

Carolina Marçon, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, reforça que o quadro de acne se desenvolve por uma série de fatores (questões hormonais, genéticas) e algumas pessoas têm uma tendência maior à obstrução dos poros.

Em alguns casos, até mesmo o estresse emocional pode ser considerado um fator de risco para a manifestação do problema ou agravamento do quadro. “Isso porque, com o estresse, ocorre uma maior liberação de cortisol, o que aumenta a oleosidade da pele”, explica a médica.

Sintomas e gravidade das espinhas

Foto: Thinkstock

Geralmente, as espinhas surgem na face, mas, em alguns casos, podem aparecer nos ombros, nas costas. No caso das mulheres adultas, as lesões se instalam especialmente na região da mandíbula e podem estar relacionadas ao ciclo menstrual.

Em relação à gravidade das espinhas, o quadro da acne pode ser classificado de diferentes maneiras (em diferentes graus). Exatamente a isso se deve o fato de algumas pessoas sofrerem frequentemente com o surgimento e a permanência de espinhas bastante inflamadas (enquanto em outras pessoas, nem sempre a inflamação é tão intensa e visível).

Carolina Marçon explica que alguns pacientes, devido às condições genéticas e à predisposição para o problema, apresentam, por exemplo, a acne grau III (nódulo-cística), que proporciona lesões mais profundas, inflamadas e dolorosas. Esse tipo de problema é, muitas vezes, chamado popularmente de “espinha inflamada”.

A relação de espinhas com a alimentação

Você já deve ter ouvido falar que comer chocolate dá espinha, certo?! Mas será que essa afirmação é realmente verdadeira?

A dermatologista Carolina destaca que o assunto ainda gera bastante controvérsia. Mas, acredita-se que alguns alimentos podem piorar o quadro da acne num paciente que já tem predisposição a esse problema. “De forma geral, são os alimentos de alto índice glicêmico, que geram um pico de insulina, e esse aumento estimula a produção de óleo pela célula, contribuindo para o aumento da oleosidade da pele; alimentos muito gordurosos, fast foods, chocolates e doces em geral, castanhas, além do leite e seus derivados”, diz.

Assim, embora não haja comprovação sobre a relação da dieta com o aparecimento de espinhas, se o paciente notar que certos alimentos gordurosos pioram o quadro deverá evitá-los.

Por que não espremer a espinha inflamada

Carolina Marçon destaca que nunca a pessoa deve “mexer” (cutucar, tentar espremer, colocar a mão) na espinha. A dica vale tanto para adolescentes como para adultos.

“É preciso entender que, no caso da espinha, existe uma inflamação, e o organismo vai resolver o problema, não importa quantos dias isso demorará. Mas se a pessoa cutuca a espinha, atrapalha esse processo. Ainda que faça isso com a mão limpa, leva bactérias ao local, o que certamente vai piorar o quadro”, explica a médica.

Quando procurar ajuda médica?

Foto: Thinkstock

A grande dúvida é: quando procurar ajuda médica? Afinal, a acne dificilmente é vista como um problema sério e a preocupação só surge, geralmente, quando a pessoa apresenta espinhas bastante inflamadas.

Porém, Carolina Marçon destaca que é muito importante, a qualquer sinal de lesão, procurar um(a) dermatologista. “A acne pode começar na adolescência e depois permanecer ou não… Mas as sequelas deixadas por ela geralmente são definitivas, podem se tornar cicatrizes difíceis de tratar. Então, é muito mais indicado tratar o problema logo no início”, diz.

Tratamento

O tratamento da acne leva em consideração, entre outros fatores, o tipo e a gravidade das lesões. “Pode ser feito, por exemplo, com o uso de produtos queratolíticos (via oral ou tópica), que diminuem a produção de sebo pela pele; produtos antibacterianos (via oral); entre outros; até o uso de Isotretinoína (Roacutan)… Enfim, tudo depende das características da acne”, diz a dermatologista Carolina.

A médica acrescenta ainda que, em alguns casos, o dermatologista pode até pedir alguns exames, por exemplo, hormonais, para detectar e tratar a causa do problema.

Dessa forma, reforça-se a necessidade de procurar ajuda médica o mais rápido possível para que o profissional indique o tratamento adequado para cada paciente.

Receitas caseiras para amenizar a espinha inflamada

Foto: Thinkstock

Será que existe alguma receita caseira que possa ajudar a “melhorar” a aparência da espinha inflamada?

Algumas pessoas acreditam, por exemplo, que molhar um pedacinho de algodão em água morna e “fazer uma compressa” no local por alguns minutos pode ajudar a desinchar a espinha. Outras dizem que, para “secar” a espinha em poucas horas, é bom colocar duas aspirinas em um pires com um pouquinho de água e deixar que elas amoleçam, depois, basta passar uma camada desta “pastinha” em cima área inflamada e deixar agir por 15 minutos.

Mas vale ressaltar que essas “receitas” não têm nenhuma comprovação.

Carolina Marçon destaca que é “contra” receitas caseiras e que as pessoas com acne devem tomar bastante cuidado com isso. “Acho que, de forma geral, elas geram mais problemas do que solução”, diz.

A dermatologista diz que usar (com moderação) um sabonete adequado em casa (adstringente, por exemplo), passar água gelada no local, são medidas que podem ser feitas, mas não indica nada além disso. “Vale ressaltar que é necessário evitar lavar o rosto várias vezes (principalmente com água quente), pois, diferentemente do que muita gente pensa, isso pode estimular uma oleosidade maior da pele”, diz.

Prevenção e orientações importantes

Foto: Thinkstock

Quem já teve, pele menos uma vez, uma espinha inflamada sabe o quanto o problema é desagradável. Neste sentido, é interessante adotar algumas dicas que ajudam no sentido de prevenir o surgimento da acne.

“De forma geral, vale destacar que uma alimentação saudável e completa é importante para tudo – não só para a pele (e para a prevenção de espinhas). Tomar bastante água (no mínimo dois litros por dia) também faz toda a diferença”, destaca Carolina Marçon.

E ainda, se o paciente notar, de fato, que o surgimento de espinhas está relacionado ao consumo de determinado alimento, é importante evitá-lo.

“A atividade física também é importante e pode influenciar indiretamente na prevenção, afinal, ela diminui o estresse, que muitas vezes está relacionado ao surgimento de espinhas”, explica a dermatologista Carolina.

É importante destacar que, diferentemente do que muita gente pensa, expor o rosto aos raios solares não tem efeito curativo sobre as lesões provocadas pela acne. “Em excesso isso vai agredir a pele e aumentar a oleosidade”, diz a profissional.

Carolina destaca que é fundamental que as pessoas usem sempre produtos adequados para o seu tipo de pele, que não obstruam os poros. “Isso vale especialmente no caso de mulheres que usam maquiagens, pois, se os produtos forem usados inadequadamente, podem causar a chamada acne cosmética. Elas também nunca devem dormir sem retirar toda a maquiagem”, diz.

Procurar ajuda psicológica pode ser um recurso importante no caso de pessoas que tiveram prejuízo da autoestima devido aos problemas com acne.

E, por fim, a orientação é procurar um(a) dermatologista assim que surgir uma lesão, para que o problema seja tratado o mais rápido possível, sem causar grandes danos à pele e, também, à vida social da pessoa.

Assuntos: Acne, Pele

Para você