11 ideias de como ganhar dinheiro na internet

Vender produtos novos ou usados, escrever para sites e blogs, fazer avaliações remuneradas, são apenas algumas das dicas

Escrito por Tais Romanelli
Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Atualmente, a internet faz parte da vida da maioria das pessoas. Muito mais do que um meio de comunicação eficiente, que modificou definitivamente a forma de as pessoas interagirem, ela é, hoje, ferramenta importantíssima na vida de qualquer empresa e também de pessoas que querem empreender individualmente.

Aliás, para este público que deseja empreender individualmente, trabalhando com aquilo que mais lhe agrada, a internet tem sido o principal caminho e, vale dizer, uma grande aposta!

Engana-se, porém, quem pensa que “ganhar dinheiro pela internet” é fácil. Independentemente do que você decidir fazer – vender produtos via internet, criar um canal no Youtube, ou escrever para sites, por exemplo – esta nova aposta necessita de planejamento e, sobretudo, dedicação.

Uma coisa é fato: você pode ganhar muito dinheiro utilizando a internet como canal de trabalho, ou pouco (apenas para uma renda extra, por exemplo). Tudo depende de você: do seu planejamento, da atividade escolhida, de quanto você está disposto a se dedicar a isso, das suas estratégias, da sua persistência etc.

André Luiz Dametto, sócio-diretor da ALD Consultoria, empresa que realiza Treinamentos, Coaching e Mentoring de Gestão há mais de 10 anos, com experiência em mais de 50 empresas de diversos segmentos no mercado, comenta que, “em qualquer negócio, seja ele uma quitanda ou um portal de e-commerce, antes de definir a forma de comercialização é fundamental ter claro o propósito diferencial do negócio e quais segmentos de cliente ele irá atender, entregando uma oferta de valor percebida como atrativa. Uma vez tendo claras estas premissas, ficará mais claro entender se as vantagens do e-commerce superam as desvantagens”, diz.

Leia também: 14 negócios fáceis para empreender individualmente

Vantagens e desvantagens de abrir um negócio na internet

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Muitas pessoas têm encontrado na internet a possibilidade de trabalharem com aquilo que gostam e/ou sabem fazer. Por exemplo, aquela pessoa que sempre soube fazer artesanato, porém, vendia somente em sua cidade, tem a possibilidade agora de vender seus produtos para pessoas de qualquer lugar do Brasil (e, quem sabe, até do mundo).

Porém, nem tudo é um “mar de rosas” e, vale ressaltar, trabalhar pela internet não é sinônimo de trabalhar poucas horas por dia e/ou quando quiser. Assim como a maioria das coisas na vida, tem suas vantagens e suas desvantagens.

Para Dametto, dentre as principais vantagens destacam-se:

  • A maior rapidez para prototipar e modificar o modelo inicial do negócio.
  • A capilaridade (cobertura) do seu negócio também é muito maior, pois ele é facilmente encontrado em qualquer lugar do mundo, e o melhor, durante 24 horas nos 7 dias da semana.
  • Em termos de custos, a diminuição do custo com força de vendas também proporciona maiores margens de lucro do que negócios físicos tradicionais.
  • Além disso, a capacidade de inovar os produtos e processos é potencializada, pois a cada novidade tecnológica as atualizações são mais facilmente incorporadas do que nos negócios físicos.

Porém, destaca o especialista, é nessa suposta facilidade que residem muitos riscos, “pois muitos empreendedores investem no negócio virtual sem antes ter feito um planejamento financeiro”.

“Apesar de as pessoas comprarem cada vez mais produtos pela internet, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), 70% dos negócios não conseguem vender sequer 10 produtos em 1 mês, levando muitos empreendedores a encerrarem o negócio em menos de 3 meses de operação”, acrescenta Dametto.

Leia também: Como fazer artesanato e vender pela internet

“Sendo assim, ressalto: antes de começar a investir, planeje o propósito diferencial do negócio, e entenda o seu público-alvo. Daí muitas respostas do seu planejamento começam a surgir”, destaca o especialista.

11 maneiras de fazer dinheiro na internet

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

O e-commerce pode ser uma estratégia de negócio utilizada em vários ramos de negócio, passando por indústria, comércio e serviços, de acordo com Dametto. “O que caracteriza este tipo de negócio é a existência de uma página na internet e um serviço de pagamento online, sendo assim, se você tem um produto ou serviço com alto potencial de demanda dos clientes, ele é um forte candidato a obter ganhos com o uso da internet, tanto no eixo promoção em mídias sociais quanto no eixo comercialização. São raros os negócios nos dias de hoje que não se beneficiem de pelo menos um destes atributos da internet”, diz.

O especialista destaca ainda que, segundo um estudo realizado pelo Sebrae, existem mais de 50 nichos para micro e pequenas empresas investirem no e-commerce: “venda de roupas vintage, acessórios para a prática esportiva e fotográfica, instrumentos musicais, utensílios para o lar, entre outros itens e serviços ainda pouco explorados na web”.

Na área de saúde e bem-estar, conforme acrescenta Dametto, o estudo do Sebrae destacou: a venda de produtos diet, medicamentos para homeopatia, vídeoaulas, livros e serviços como exames para medir o colesterol. “Já no segmento de festas, apontou aluguel e venda de fantasias, bolo de noivas, enfeites e outros itens que não são normalmente ofertados por grandes empresas”.

Para chegar a esta lista de oportunidades, explica Dametto, o Sebrae identificou as palavras mais procuradas em portais de busca, mas com baixo nível de concorrência no e-commerce.

Leia também: 6 coisas que você deve considerar antes de abrir o próprio negócio

Neste contexto, você confere algumas ideias de como empreender utilizando a internet. Você vai ver, aliás, que vender produtos não é a única opção!

1. Vender produtos usados ou novos (roupas, calçados, eletrônicos etc.)

Essa é uma das maneiras mais conhecidas de trabalhar por meio da internet: vendendo produtos, sejam eles novos ou usados, e dos mais variados tipos. E as possibilidades de se fazer isso são inúmeras.

No caso de roupas, por exemplo: antigamente havia um grande receio em comprar peças de roupa pela internet. As pessoas preferiam ir a uma loja e prová-las. Porém, esse cenário mudou, e hoje a categoria de moda é vista como uma das principais categorias de venda do e-commerce.

Algumas pessoas montam uma página ou “perfil” nas redes sociais e tentam vender por lá, ou até mesmo utilizam plataformas prontas como o Mercado Livre por um tempo. Esta pode ser uma ideia inicial, que funcione mais como um “teste”, mas o ideal é que, decidindo apostar mesmo neste negócio, você monte sua própria loja virtual de roupas. Isso certamente vai dar um “aspecto mais profissional” ao seu trabalho, favorecer o contato com clientes e melhorar a visibilidade dos seus produtos.

Vale lembrar que é fundamental ofertar peças de roupas de qualidade, para nunca frustrar o cliente que apostar no seu produto, e, também, trabalhar com preços atrativos.

Leia também: 3 atividades essenciais para deixar seu currículo mais atraente

É importante estar preparada para lidar com a concorrência, especialmente de grandes lojas virtuais que também trabalham com roupas, como por exemplo, Dafiti, Netshoes etc. Dessa forma, reforça-se a necessidade de ter um diferencial. E os mesmos cuidados e dicas valem para o caso de investir na venda de calçados, acessórios, entre outros produtos.

Tem crescido também a oferta e a busca por roupas e outros produtos usados (mas, claro, em bom estado). Para vender este tipo de produto, você pode utilizar alguns sites específicos (como eBay, Mercado Livre, Enjoei e tô vendendo, Repassa, entre outros) ou ainda, fazer seu próprio bazar online, especialmente se quiser investir mesmo neste negócio.

O Facebook e o Instagram também têm sido muito utilizados por pessoas que querem vender produtos usados. E, em todos os casos, é necessário apostar em fotos bem tiradas dos produtos (em diferentes ângulos), para que o cliente saiba exatamente o que está comprando.

2. Vender artesanato

A venda de artesanato pela internet também é uma grande aposta e pode ser feita de diferentes maneiras: criando sua loja virtual dentro de sites renomados como o Elo7 e Tanlup; por meio das redes sociais (criando página no Facebook e/ou perfil no Instagram, por exemplo); através do Mercado Livre ou ainda, criando seu próprio e-commerce.

Apostar em boas fotos para divulgar os produtos é fundamental em qualquer um dos casos. Ter um diferencial e, claro, muito capricho na criação dos produtos são pontos definitivos que garantirão o sucesso do seu negócio.

3. Escrever para portais e blogs

É formado em Jornalismo ou, simplesmente, sabe e gosta de escrever sobre determinado ou vários assuntos?! Você pode se candidatar a escrever como freelancer em portais e blogs.

Uma dica é entrar em contato com portais e blogs que lhe agradem enquanto leitora e, naturalmente, que tratem de assuntos com os quais você tem mais afinidade de escrever.

Alguns sites específicos reúnem diversas oportunidades de trabalho “freela” para quem gosta e sabe escrever: Freela, Busca Freelas, Prolancer são alguns exemplos.

Na maioria desses sites, aliás, há oportunidades de trabalhos freelancers para profissionais de diversas áreas, como design, marketing e vendas, tradução etc.

No caso de quem pretende ganhar dinheiro escrevendo para portais e blogs, é fundamental estar sempre atento às normas da língua portuguesa, fazer leituras constantemente e, quem sabe, até se especializar sobre o assunto que escreve com mais frequência.

Para trabalhar como freelancer, de uma forma geral, é necessário ter organização e responsabilidade, pois provavelmente será você mesma que definirá seu horário de serviço e, também, as melhores estratégias para executá-lo com eficiência.

4. Fazer testes e avaliações em sites que pagam por esse serviço

Levando em conta que a maioria das pessoas dá valor às avaliações e comentários de usuários em sites de compras, algumas empresas remuneram usuários que fazem avaliações de produtos.

Este é o caso do Eu Testei, por exemplo. Você pode dar sua opinião sobre os produtos e serviços que utiliza e será recompensada por isso. Basta se cadastrar com um e-mail e uma foto pessoal, saber escrever bem (sem erros de português) e ter uma conta no Google Adsense para receber seus ganhos.

No Eu Testei, por exemplo, é repassado ao usuário 60% das impressões do Adsense. A maioria dos sites, aliás, remunera desta maneira. Outros podem pagar por quantidade de reviews ou pela qualidade da avaliação (ou seja, quanto mais pessoas considerarem a opinião do usuário válida, mais dinheiro ele ganhará).

Algumas empresas ainda, como, por exemplo, o Carrefour, oferecem pontos que poderão, posteriormente, ser trocados por vale-compra e/ou prêmios.

5. Criar seu próprio blog

Se você gosta de escrever, compartilhar suas opiniões, experiências e ideias, pode ser uma boa aposta criar seu próprio blog, abordando nele diversos temas ou um específico.

Alguns exemplos: se você adora viajar e já conheceu diversos lugares do mundo, pode compartilhar suas experiências e dicas através do seu blog. Se você é antenada em moda e beleza e está sempre testando novos produtos e conhecendo lojas, também pode falar sobre suas impressões.

Neste caso, a renda vem geralmente por meio de anúncios. É importante também investir em parcerias, com isso, seu blog ganhará maior acesso e visibilidade.

Algumas dicas para o seu trabalho ser levado a sério são: procure escrever de forma correta e atrativa para seus leitores; seja sincera; transmita sugestões/informações úteis; utilize boas imagens/fotos e mantenha contato com seus leitores sempre que possível (responda as dúvidas, agradeça os elogios, peça a opinião deles etc.).

6. Criar seu canal no Youtube

Nem todo mundo sabe, mas é possível ganhar dinheiro através do Youtube. Se você é comunicativa, gosta de compartilhar suas ideias e experiências, criar um canal pode ser uma boa opção de negócio para você!

De forma resumida, você pode ganhar dinheiro com o Youtube ao permitir que ele publique anúncios nos seus vídeos. E, claro, quanto mais visualizações seus vídeos tiverem, mais você receberá. Por isso, vale ressaltar, não é uma tarefa tão simples assim: é fundamental gravar vídeos com assuntos relevantes e dos quais você entende, de qualidade e, também, ser carismática (no sentido de conseguir prender a atenção das pessoas).

Tendo seu canal no Youtube, para monetizar seus vídeos, você deverá clicar na aba de monetização quando estiver fazendo o upload.

No próprio Youtube você encontra várias dicas de como ganhar dinheiro através dos seus vídeos, de como fazer bons vídeos etc. Vale a pena pesquisar sempre caso decida investir nesse tipo de negócio.

7. Criar websites e blogs para outras pessoas

Atualmente, a maioria das pessoas e empresas reconhece a necessidade de divulgar seu trabalho na internet, seja através de um site oficial, seja por meio de um blog (ou ainda, unindo os dois meios de comunicação).

Nem todo mundo, porém, tem a habilidade de criar seu próprio site e/ou blog. Dessa forma, se você tem conhecimento para isso, pode trabalhar desenvolvendo websites e blogs para quem precisa.

Para isso, a dica é divulgar seu serviço: por exemplo, se inscrevendo em sites que oferecem oportunidades para freelancers, através das suas mídias sociais, do seu próprio site etc.

8. Vender produtos através de parcerias afiliadas

Você sabia que é possível divulgar produtos na internet e receber uma comissão toda vez que alguém fizer uma compra através de uma indicação sua?

Os chamados programas de afiliação, de forma geral, são acordos em que a pessoa se compromete a colocar propagandas (banners, links, blocos de anúncios) em seu site anunciando produtos de outro site. Se um usuário clicar na propaganda, será redirecionado para o site anunciado e, se realizar uma compra ou até um cadastro, a pessoa ganhará sua comissão.

Em outras palavras: você pode “alugar” o espaço do seu site ou mídia social para que uma empresa coloque anúncios dela mesma ou de terceiros.

A Lomadee é um exemplo de programa de afiliados: você cria sua conta e pode divulgar produtos de diferentes lojas virtuais, através de links e banners de publicidade, divulgados em seus sites, redes sociais ou listas de e-mail.

Uol Afiliados é outro exemplo, permite que você insira anúncios no seu site e seja remunerado por isso; bem como Hotmart e Submarino.

9. Criar e vender e-books sobre algo que você entende

E-book é um livro em formato digital, que pode ser lido em qualquer equipamento eletrônico (computador, smartphone, tablet).

Uma das grandes vantagens de criar e vender e-book é que este livro digital tem custo próximo de zero, pois todo o processo de venda e consumo ocorre digitalmente.

Se você pretende ganhar dinheiro através da criação e venda de e-book, é fundamental, primeiramente, definir bem o tema: escolha sempre um tema com o qual você tenha afinidade e conhecimento profundo. Afinal, você precisa transmitir credibilidade ao leitor.

É muito importante também encontrar um nicho de mercado que possa proporcionar um volume satisfatório de vendas, por isso, pesquise, se informe…

Proporcione uma leitura agradável ao leitor, é claro, escrevendo de acordo com as normas da língua portuguesa. Se for adequado, utilize fotos – ou de seu arquivo pessoal, ou de bancos de imagens (alguns são gratuitos e vários possuem preços bem acessíveis).

A diagramação e a editoração também fazem a diferença, darão um ar mais profissional à obra. Caso você não domine ferramentas de formatação e diagramação, considere a possibilidade de contratar um profissional para executar esta tarefa.

Como você pretende comercializar, é importante registrar o e-book na Biblioteca Nacional, para ter o ISBN (sistema de identificação que inclui os dados de autoria). As informações para o registro podem ser obtidas no site oficial da biblioteca.

Depois que o livro estiver pronto, você precisará definir como irá vendê-lo. Hotmart, por exemplo, é uma plataforma de distribuição de produtos digitais.

Pense, por fim, em estratégias para difundir seu e-book: divulgue nas redes sociais, entre os amigos e conhecidos; entre em contato com sites relacionados ao tema do seu e-book e proponha artigos para publicação; crie um blog sobre o tema do e-book etc.

10. Dar aulas particulares

O mercado virtual de educação está em alta, sabia? Por isso, se você se é professora ou sabe fazer algo muito bem, pode pensar na possibilidade de transmitir seus conhecimentos por meio de aulas particulares virtuais. Exemplos: aula de reforço em matemática, português, física, inglês, geografia ou qualquer outra disciplina; aula de música, bordado etc.

As aulas podem ser dadas através do Skype. Você precisará, basicamente, de webcam (atualmente, a maioria dos laptops, tablets e smartphones tem uma) e da sua vontade de ensinar!

O Skype é, resumidamente, um programa que permite que você converse usando vídeo e voz.

Além de divulgar seu trabalho entre amigos e conhecidos, criar uma Fan Page no Facebook e/ou um blog é um meio eficaz de conquistar mais alunos.

Você pode ainda, após ter a certeza de que quer investir nesse tipo de negócio, criar um site de ensino online, com videoaulas, aulas ao vivo, contato com os alunos para esclarecer dúvidas etc.

11. Comercializar fotografias

Você é fotógrafa profissional ou, simplesmente, tem uma boa câmera, gosta e fotografa bem? Considere vender suas fotos para bancos de imagens, por exemplo.

Alguns sites com os quais você pode entrar em contato para comercializar suas fotos:

Vale lembrar que não é qualquer foto que pode ser vendida: ela deve ter qualidade, ser criativa, ou seja, realmente profissional.

Caso ache que vale a pena, pense em se especializar num curso de fotografia.

Além disso, tire proveito do aprendizado com o possível envio de fotos que não der certo. Isso porque, a maioria dos sites explica por que determinada foto não foi aceita em seu banco. Tendo isto em vista, trabalhe para melhorar nas próximas fotos.

10 dicas para quem pretende viver de internet

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Quer trabalhar exclusivamente pela internet? Confira algumas dicas que podem ajudá-la, independentemente do tipo de serviço que você escolher:

1. Escolha trabalhar com aquilo que gosta. Não adianta investir, por exemplo, no e-commerce de roupas se você não é muito “ligada” nisso.

2. Não pense que trabalhar pela internet é sinônimo de “dinheiro fácil”, pois isso não é verdade. Para você viver exclusivamente do serviço que escolher, certamente terá que se esforçar bastante.

3. Busque profissionalização e atualização constantemente, para isso, invista em cursos técnicos e profissionalizantes, sejam ele presenciais, sejam online. Algumas instituições como, por exemplo, Sebrae, Senai, FGV, Senac, entre outras, oferecem cursos gratuitos inclusive.

Abaixo você confere as principais dicas de André Luiz Dametto especialmente para quem deseja empreender vendendo produtos através da internet:

4. Faça um planejamento antes de investir. Dametto lembra que muitos empreendedores investem no negócio virtual sem antes ter feito um planejamento financeiro e este é um grande risco.

5. Encontre um nicho demandado e pouco explorado pelos concorrentes. “Para encontrar esse nicho, tenha claro se o que você está vendendo é uma demanda concreta dos clientes, como está a concorrência, e elabore um planejamento do negócio que demonstre que as receitas superam os custos no longo prazo”, explica Dametto.

6. Ainda de acordo com o especialista, muitos empreendedores consideram Gestão de Pessoas, Marketing e Branding como custos, e não como investimento. “E muitas vezes a diferença entre um negócio de sucesso na internet e outro sem tanto êxito reside nestas competências”, diz.

7. “Como no comércio eletrônico não existem os sentidos da vivência real da experiência e compra, é fundamental que o negócio invista na sua marca, gerando credibilidade nos clientes, que os faça confiar no seu produto mesmo sem tocá-lo, e o principal, digitar os dados bancários da transação comercial”, acrescenta Dametto. “Além disso, uma sistemática de proteção a vírus e fraudes é primordial para fortalecer essa confiança”.

8. “Melhore constantemente seu negócio a partir dos feedbacks dos clientes e avanços tecnológicos que certamente ocorrem, cada vez mais rápido”, lembra Dametto.

9. Invista em relacionamento através de eventos ou mídias sociais com dicas, curiosidades, análises e tendências. “Isso ajuda a fortalecer a sua marca no mercado”, diz o especialista.

10. Outra dica interessante, de acordo com Dametto, é testar a venda do seu produto ou serviço em marketplaces, como Mercado Livre e OLX, assim você testa o real interesse do mercado antes de investir tempo e dinheiro na criação do seu portal.

Questões burocráticas: o que você precisa fazer

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Dametto explica que, para vender pela internet, é preciso ter um CNPJ. “E os impostos que incidem sobre uma loja virtual irão depender do modelo de enquadramento do seu negócio. Se você se enquadrar como Micro Empresário Individual (MEI), pagará menos de R$100,00 mensais. Caso se enquadre como Simples Nacional, pagará 4% de imposto sobre o faturamento, também mensalmente. Sendo assim, o primeiro passo é escolher o tipo de sociedade”, diz.

“Para os pequenos empreendimentos, a melhor opção é a ‘Sociedade Limitada’, com regras mais simples que os outros modelos de sociedade”, acrescenta o especialista.

Dametto orienta ainda a verificar, na Junta Comercial do seu estado e no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual, se o nome que você imaginou para o negócio já não foi registrado por outra empresa. “Para mais informações sobre documentação para elaboração do contrato social é importante você consultar um contador da sua confiança”, finaliza.

A internet permite hoje que você tenha sucesso trabalhando com o que gosta. Para isso, é claro, esforço, persistência e profissionalismo são fundamentais. Pense nessas ideias e dicas e comece a correr atrás dos seus sonhos!

Dicas pela Web
Comentários