Dicas de Mulher Dicas de Comportamento

6 coisas que você deve considerar antes de abrir o próprio negócio

Especialistas dão as principais dicas para quem deseja empreender e minimizar os riscos de falha

em 16/02/2015

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Uma maior flexibilidade de horário, melhor qualidade de vida, autonomia de decisões… Esses são alguns dos principais motivos que levam uma pessoa a desejar abrir seu próprio negócio.

Porém, é claro, nem tudo é um “mar de rosas”. Abrir o próprio negócio não oferece somente vantagens e, para isso, é preciso de muita responsabilidade.

André Miotto, consultor de negócios e sócio-diretor da AMX Soluções em Gestão Integrada, destaca que todo profissional que abre seu próprio negócio se dá a chance de se realizar pessoalmente e profissionalmente, colocando suas visões e intuições em prática. “Os empreendedores obterão desenvolvimento, expansão e êxito financeiros e mercadológicos, tornando-se assim profissionais independentes tanto no âmbito profissional, quanto no econômico”, diz.

A pessoa que optar por abrir seu próprio negócio com certeza terá muitos desafios diariamente, conforme ressalta Miotto, porém, tudo faz parte do processo. “Flexibilidade e visão são de extrema importância… Agora quem se tornou empreendedor está à frente, não é mais coadjuvante”, destaca.

O principal ponto de atenção, de acordo com Miotto, é que, agora, sendo proprietária, a pessoa estará exposta a mudanças e ações inesperadas e tempestivas, que exigem jogo de cintura, flexibilidade, bom senso e experiência financeira, humana e comercial para lidar. “Se tratando de imprevistos e adversidades, o mercado brasileiro exige do empresário pelo menos que ele seja capacitado para evitar prejuízos financeiros e mercadológicos insustentáveis”, diz.

O consultor de negócios ressalta que o profissional precisa estar disposto e preparado para assumir responsabilidades diante do seu mercado e clientes. “A busca por produtos e serviços está cada vez mais qualificada e os consumidores tendem a exigir maior conhecimento e eficiência do empreendedor. Junto a isso está muito claro que a carga tributária tende dificultar o empreendedorismo”, diz.

Outro ponto importante, de acordo com Miotto, é a ausência do cartão para o empresário, que por muitas vezes terá um dia de trabalho com mais de 8 horas por dia e ainda sem um salário depositado na conta corrente no final do mês. “Lembrando que férias e feriados serão coisas do passado no início. É claro que tudo isso tende a ir se ajustando com o tempo e mais experiência empresarial”, destaca.

As principais vantagens e desvantagens de empreender

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Marcel Spadoto, CEO da M2BS, sócio da Opportunity Consultoria e Professor da FIA, economista, contador, pós-graduado em Vendas & Marketing, especialista em negócios pela FGV, consultor e palestrante em Vendas, Marketing e Gestão, destaca, em resumo, quais são, em sua opinião, as vantagens de se abrir o próprio negócio:

  • Realizar o seu sonho;
  • Aproveitar em benefício próprio os seus conhecimentos, habilidades e experiências;
  • Ter a chance de lucrar e ganhar acima de um colaborador CLT;
  • Possibilidade de estabelecer o seu ritmo de trabalho;
  • Satisfação pessoal.

Spadoto destaca quais são, em contrapartida, resumidamente, as desvantagens de se abrir o próprio negócio:

  • Incerteza;
  • Muitas variáveis que não estão sob seu controle;
  • Não administrar adequadamente a ansiedade e pressão;
  • Não ter avaliado todos os riscos e possibilidades.

6 aspectos a considerar antes de abrir o próprio negócio

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Os especialistas citam as principais coisas que uma pessoa deve considerar antes de abrir seu próprio negócio:

1. Você tem aptidão para empreender?

De acordo com Spadoto, um conjunto de medidas relativamente simples pode evitar problemas complexos no futuro. E entre tais medidas está realizar um teste sobre sua aptidão para empreender.

2. Está disposta(o) a correr riscos?

Ainda de acordo com Spadoto, é importante avaliar o quanto você está disposta(o) a correr riscos.

3. Você tem um plano?

Para Spadoto, é fundamental ainda fazer um plano de negócios bem detalhado e, se possível, com ajuda profissional.

4. Você se conhece bem?

De acordo com Miotto, o empreendedor tem que avaliar se tem conhecimentos e habilidades para se relacionar com funcionários, com clientes e sob pressão. “O empresário deve ter uma visão atenta e seletiva no seu foco de atuação, sempre se colocar metas arrojadas e levar em consideração que todo empreendimento tem riscos, porém é preciso sempre estar preparado para pequenos tropeços, pois sabe que isso servirá para seu sucesso”, diz.

O autoconhecimento, de acordo com o consultor de negócios, é decisivo no momento de iniciar uma empresa e servirá principalmente para compreender se o perfil e ideia estão coniventes com as expectativas do público potencial e com o que ele tem de expectativa do seu serviço ou produto. “Para não trabalhar com emoções e surpresas é necessário elaborar bom plano de negócios”, acrescenta.

5. Você é cautelosa(o)?

Miotto destaca que uma consideração que deve ser levada em conta é que o maior medo do empreendedor é o de falhar e acabar perdendo tempo e dinheiro investido no negócio. “Um empreendedor de sucesso assume riscos e erra muitas vezes e este processo é natural, mas saliento que é necessário cautela e cuidado para não causar erros fatais para a empresa”, diz.

6. Você confia nas suas capacidades?

Miotto explica que muitos profissionais têm uma falta de confiança em relação à sua competência e aptidão de concretizar seu empreendimento e atitude. “E assim acabam dando um passo para trás na hora de decolar para um voo alto”, destaca.

Depoimento de quem já abriu seu próprio negócio

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Fernando Mello, sócio proprietário da Agência Carnaval, conta que decidiu, em 2010, abrir seu próprio negócio, em parceria com um amigo. “Recebi um convite de um grande amigo e atual sócio para largarmos o emprego e abrirmos uma agência de Marketing Digital. Eu era super bem remunerado, trabalhava na Bayer como analista programador. Minha principal tarefa era dar manutenção nos sistemas administrativos da empresa. Decidi abrir meu negócio porque todo dia que eu levantava da minha cama para ir trabalhar ficava triste por fazer algo que não gostava e contava as horas para que o dia terminasse. Isso não era vida e nem justo comigo e nem com o empregador. Parece mentira, mas foi no dia 1 de abril de 2010 que a decisão foi tomada”, diz.

De acordo com Mello, as principais dificuldades que enfrentou foram: conquistar novos clientes e se reeducar para viver com menos renda. “Superei com o apoio de minha mulher que também acreditou que poderia dar certo. Paramos de gastar com restaurantes, teatros, entre outros gastos. Cortamos custos como TV a cabo, empregada doméstica e passamos a cozinhar e congelar as refeições do dia a dia”, diz.

“Estudei muito sobre o assunto marketing digital e conseguimos dar ótimos resultados para nossos clientes. A partir deste momento comecei a receber diversas indicações e o número de clientes cresceu de forma assustadora”, relata Mello.

O empresário dá uma dica a quem está pensando em abrir seu próprio negócio. “O principal conselho é para que abram o seu negócio para tornar a sua vida e a das demais pessoas melhor… Se o intuito for apenas dinheiro sua dificuldade será quintuplicada. Mas se fizer por gosto, tudo se tornará mais fácil e melhor. Boa sorte”, diz.

Vale a pena investir em uma franquia?

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Ao pensar em ter o próprio negócio, muita gente chega a cogitar a possibilidade de abrir uma franquia. Mas será que isso é realmente vantajoso? O que levar em consideração antes de abrir uma franquia? Em que área investir? Essas são algumas dúvidas comuns em torno do assunto.

Paulo Cesar Mauro, diretor presidente da Global Franchise, explica que o mercado de franchising tem apresentado ano a ano crescimento acima do PIB nacional, além de uma baixa taxa de encerramento. “Sendo assim uma das opções mais seguras para quem deseja empreender”, diz.

Uma das maiores vantagens do segmento, de acordo com Mauro, é o fato de o empreendedor ter a chance de estar associado a uma marca ou produto conhecido e consolidado. “Além disso, as chances de um franqueado obter sucesso em seu negócio são maiores, pois ele terá acesso ao know-how da marca, padronizações e suporte em diversas etapas”, acrescenta.

De acordo com Mauro, antes de investir em uma rede, o investidor deve fazer algumas considerações:

  • Precisa pesquisar e analisar qual tipo de negócio se enquadra ao seu perfil, pois a afinidade com o segmento de atuação da marca e experiência no ramo são cruciais e devem ser levadas em conta na hora da decisão.
  • Outro ponto importante a ser avaliado é o capital necessário para o investimento. Antes de comprar uma franquia, o empreendedor precisa analisar suas finanças e verificar se o negócio realmente está de acordo com suas condições financeiras, pois, no início da operação, será preciso injetar dinheiro para o negócio girar. O ideal é seguir à risca a recomendação da rede quanto ao volume de capital de giro (reserva de caixa) necessário, até o negócio se equilibrar. Se puder ter um valor adicional, melhor ainda.

A opinião de quem apostou em uma franquia

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Wilson Kano, diretor da ObentôMania, rede de restaurantes que trabalha com marmitas japonesas, acredita que foi vantajoso investir neste tipo de negócio pois a área de alimentação é uma das poucas que, independentemente de crises e oscilações econômicas, continua avançando.

Na opinião de Kano, antes de investir em uma franquia, o ideal é conhecer minimamente o negócio. “Realizar muitas pesquisas, comparar exaustivamente e bater o martelo com aquela que mais lhe realizar enquanto empreendedor. Porque uma coisa eu posso afirmar: quem investe em uma franquia achando que é dinheiro fácil, de pouco suor, engana-se. A vantagem de comprar uma franquia é que você possui mais chances de faturamento (por estar inserido em uma rede), de contar com suporte e aderir a um modelo de sucesso”, diz.

Alessandra Brandão, diretora da rede de intercâmbio 2be Study, destaca que a área de intercâmbios cresceu mais de 600% nos últimos anos porque as pessoas estão se conscientizando que a experiência internacional e aprendizagem de um novo idioma in loco fazem a diferença no currículo e na vida. “Então, empreender neste segmento da economia é fazer uma aposta quase que certeira”, diz.

Para Alessandra, franquias, independentemente de seus segmentos, são negócios mais seguros. “Afinal, o futuro franqueado adquire a oportunidade de fazer parte de uma rede já reconhecida pelo público, com uma proposta que tende a ser diferenciada e contar com um suporte único – bem diferente caso ele mesmo decida iniciar uma nova rede/marca”, diz.

Tom Ricetti, diretor da padaria drive thru Pão To Go, ressalta que o empreendedor precisa estar ciente de que, apesar do franchising oferecer uma série de vantagens, como associação a uma marca conhecida e suporte do franqueador, o sucesso do negócio depende da administração e dedicação dele. “Por isso, antes de abrir uma franquia, o empreendedor precisa pesquisar e encontrar uma rede que se enquadre ao seu perfil”, diz.

Erni Luís da Silveira, diretor da rede Vinho & Ponto, acredita que quando o empreendedor/empreendedora opta por uma franquia, é fundamental que ele/ela tenha afinidade com o produto ou serviço no qual irá investir. “Não é só uma questão de dinheiro. Ele deve ter ciência das horas e horas de trabalho e dedicação. Por isso, indico empreender em algo que dê prazer e realização. Assim, certamente, todos os esforços serão feitos com alegria e amor”, diz.

Mais dicas para você

Os especialistas dão suas dicas para quem pretende abrir seu próprio negócio:

  1. “Converse com pessoas que empreenderam e se deram bem e, principalmente, com aquelas que não se deram tão bem, para saber e entender a curva de aprendizado”. (Marcel Spadoto)
  2. “Aja de forma racional quanto ao dimensionamento dos limites e tolerância, para saber o ponto de saída e abandono, caso as coisas não saiam da forma que foi planejada”. (Marcel Spadoto)
  3. “Para prosperar e não passar por grandes riscos sugiro ter um grande diferencial, um planejamento sempre na ponta do lápis, um atendimento de excelência, se juntar com profissionais que pensem em evoluir cada vez mais e buscar cada vez mais a qualidade do produto e serviço para o mercado que for atuar”. (André Miotto)

Gostou das dicas? Se você está pensando em abrir seu próprio negócio já tem boas orientações para começar a correr atrás!

Comentários
Dicas relacionadas