Clinomania: transtorno que causa o desejo excessivo de ficar na cama

Escrito por
Em 10.10.21

iStock

Por                                
Em 10.10.21

Quando o desejo de estar deitado, dormindo ou não, é incontrolável e passa a prejudicar a rotina diária e o convívio social, é possível ser um transtorno raro chamado clinomania. Para entender mais sobre o assunto, os psicólogos André Lucas M. Gonçalves (CRP 08/25446) e Jackeline Corrêa (CRP 08/22340) explicaram o que é, quais os sintomas e como diferenciar da depressão. Acompanhe a matéria!

Publicidade

O que é clinomania

Segundo os psicólogos, a clinomania pode ser caracterizada por transtorno quando é atribuído por um desejo excessivo de estar na cama, atrapalhando significativamente a rotina diária, como nas relações de trabalho, familiar e social. A psicóloga Jackeline informou que “a clinomania não é declarada como transtorno psicológico ou mental pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) e não está presente na Classificação internacional dos distúrbios do sono (CID-11)”.

Entretanto, o psicólogo André ressaltou que a clinomania “pode configurar como um fenômeno psicopatológico contemporâneo, pois o desejo em permanecer na cama, mesmo sem sentir sono, tem se apresentado como uma queixa clínica persistente, levando o sujeito a uma incapacidade crônica de dissentir ao seu desejo de repouso”. Confira abaixo os sintomas mais comuns da clinomania:

  • Desejo excessivo de ficar deitado ou dormindo;
  • Intensa sensação de bem-estar e prazer quando está na cama;
  • A pessoa evita conviver socialmente para permanecer deitado;
  • Em dias nublados ou chuvosos, a vontade de ficar na cama é ainda maior;
  • Desconforto e irritabilidade ao precisar se levantar.

Embora a clinomania atinja pessoas com idade entre 20 e 40 anos, a condição também acomete idosos. Pois, fatores como o envelhecimento, fragilidade do corpo e problemas de mobilidade podem contribuir para o aparecimento dessa condição nesta faixa etária.

O que causa a clinomania

iStock

Não existe causas específicas, mas existem situações que contribuem para o desenvolvimento da clinomania. Veja algumas delas:

  • Realizar atividades na cama: segundo a psicóloga Jackeline realizar atividades na cama pode favorecer essa condição em que “o indivíduo passa a idealizar a cama como espaço para a realização de atividades, como ler, fazer refeições e assistir séries e filmes. Em situações mais graves, ele pode negar encontros sociais para permanecer deitado, utilizando-se como desculpa o tempo e o clima”;
  • Uso de aparelhos eletrônicos: o psicólogo André informou que o uso de computadores e smartphones horas antes de dormir e uma rotina de sono descontrolada pode aumentar o desejo de permanecer na cama e desenvolver o transtorno;
  • Fatores comportamentais: Jackeline explicou que “pessoas que sofrem de clinomania relatam diferentes motivos por desejarem permanecer deitadas, essas causas normalmente atribuem a ‘cama’ como uma ‘zona de conforto’, um local protegido do mundo externo, uma espécie de útero ou redoma tão confortável que impossibilita de se antepor”.

Os psicólogos alertaram que o desejo em estar deitado pode se tornar obsessivo. O indivíduo pode negar a gravidade de seus sintomas, passando a idealizar a cama como espaço para a realização das atividades do cotidiano prejudicando o convívio social.

Como tratar a clinomania

O diagnóstico da clinomania pode ser confundido com outras causas, como parassonias orgânicas ou depressão. A partir do momento que os sintomas impossibilitam a pessoa de conviver socialmente e cumprir tarefas do cotidiano é importante procurar um psicólogo. “O tratamento busca levar o paciente a descobrir os reais motivos que o levaram a essa condição, estimulando sua interação social, mudança de seus hábitos de sono e elaboração de um novo sentido ao desejo”, orientou Jackeline.

Além disso, André citou a importância de manter uma rotina do sono, estabelecendo um horário para dormir, acordar e evitar o uso de aparelhos eletrônicos enquanto está na cama. “Prefira iluminar o quarto com luzes quentes e, se possível, realize exercícios físicos e tome sol durante o dia. Isso ajudará a regular seu ciclo circadiano (relógio biológico)”, indicou André.

Publicidade

Clinomania X depressão

iStock

A clinomania apresenta um único sintoma: a falta de vontade de sair da cama. Já a depressão, pode apresentar esse sintoma associado a outros. Segundo o psicólogo André, “pode-se dizer que a clinomania é um dos sintomas de um episódio depressivo devido ao quadro de hipersonia, normalmente ligados a fobias e hipocondria”.

Para a psicóloga Jackeline “casos mais agudos de clinomania aumentam os riscos para a depressão, pois procurar permanecer refugiado na cama sem contato social, podendo gerar problemas relacionados à vida social e relacional”. Dessa forma, ambos ressaltaram a importância de consultar profissionais da saúde mental para o diagnóstico clínico correto.

A clinomania em casos mais severos, além do acompanhamento psicológico, pode ser necessário a associação de medicamentos prescritos por um psiquiatra. Por isso, atente-se aos sintomas e busque ajuda médica quanto antes. Aproveite e saiba mais sobre a psicoterapia e os seus benefícios para a saúde mental.