8 calmantes naturais que ajudam a controlar a ansiedade e outros males

Escrito por
Atualizado em 14.09.21

iStock

Por
Atualizado em 14.09.21

A rotina agitada, as preocupações com o trabalho e vida pessoal deixam muitas pessoas preocupadas e acabam resultando em um ritmo acelerado de viver. Dessa, elas acabam recorrendo ao uso de medicamentos para acalmar a mente e relaxar um pouco. Outras pessoas preferem usar os calmantes naturais para ajudar na ansiedade. Confira a seguir, a explicação da nutricionista Dra. Drieli Seron (CRN 5013/8) sobre o uso dos calmantes naturais.

Publicidade

O que são calmantes naturais

Segundo a nutricionista Drieli, os calmantes naturais são “uma alternativa mais segura para substituir os medicamentos que tranquilizam e acalmam as pessoas”. Existem várias opções de calmantes, mas Drieli contou que essa opção “não vai substituir, em muitos casos, os medicamentos alopáticos, mas para a maioria das pessoas, é uma boa alternativa”. Para ela, combinar o uso dos calmantes naturais com as mudanças de comportamento e estilo de vida podem favorecer ainda mais o efeito dos calmantes.

8 calmantes naturais que podem ser aliados no dia a dia

iStock

Veja abaixo os principais calmantes naturais recomendados pela nutricionista:

1. Maracujá

Talvez o mais popular da lista, o maracujá pode ser um grande aliado para ajudar você a se acalmar. Segundo a nutricionista, o que tem realmente o efeito calmante é a folha do maracujá por conta da “quantidade de alcaloides e flavonoides que ela tem”. Também conhecida como Passiflora incarnata, ela “atua no sistema nervoso central, dá a sensação de relaxamento muscular e ajuda bem no controle da ansiedade”, completou Drieli.

2. Camomila

A camomila também é bem comum e é “rica em flavonoides e possui ação anti-inflamatória e contém bastante antioxidantes”. Segundo a Dra., a função anti-inflamatória da camomila ajuda no relaxamento, pois “a pessoa inflamada e o excesso de gordura corporal podem prejudicar o funcionamento do corpo e, consequentemente, a produção hormonal, deixando o organismo acelerado e com dificuldades para relaxar”. A planta também pode ajudar no relaxamento dos nervos e também nos receptores de GABA, que “além de induzir o sono, ajuda na redução da ansiedade”.

3. Erva-doce

A erva-doce também possui o efeito calmante, pois “possui nutrientes, principalmente magnésio, que auxiliam no relaxamento”. A nutricionista destacou que a erva-doce contém “flavonoides que ajudam na concentração de glutationa, melhora os antioxidantes e previne radicais livres”.

4. Valeriana

Essa planta “atua nos neurotransmissores, induz o sono e só pode ser usada com prescrição médica”. Dessa forma, o profissional da nutrição não está apto para prescrever o uso da valeriana, porque ela possui um “grande efeito no sistema nervoso central”, explicou Drieli.

5. Kava-kava

A kava-kava possui “efeitos ansiolíticos e indutores de relaxamento e sono” (1). Algumas substâncias encontradas na planta atuam diretamente no sistema nervoso central, por isso é “muito utilizada para tratamentos da ansiedade ou outros distúrbios nervosos” (1). O seu consumo não causa efeitos adversos, mas idosos, portadores de doença de Parkinson e pacientes com problemas hepáticos não podem utilizar a kava-kava (2).

Publicidade

6. Lúpulo

Lúpulo (Humulus lupulus) é utilizada no preparo da cerveja, mas também pode ajudar a “diminuir o estresse, a ansiedade e melhorar a qualidade do sono (2). O efeito sedativo, que ajuda no tratamento da ansiedade e insônia, é proveniente da ação do metilbutenol (2). A planta pode ser consumida na forma de chás, infusão das folhas, ou cápsulas com extrato seco (2).

7. Erva-de-São-João

É uma planta que age no sistema nervoso central e pode ser usada para auxiliar no tratamento de depressões leves e moderada (2). A erva-de-São-João inibe a ação da enzima monoamina oxidase (MAO), que é responsável pela degradação de neurotransmissores (2). Entretanto, ela é contraindicada para pacientes que usam medicamentos anticoagulantes, contraceptivos orais, medicações para asma e insuficiência cardíaca (2).

8. Erva-cidreira

Erva-cidreira ou melissa, a planta medicinal de nome científico Melissa officinalis, possui ação calmante que ajuda no combate da ansiedade, nervosismo e insônia (3). A erva é muito popular porque conta da sua palatabilidade e alta aceitação sensorial, além de ser muito utilizada para tratamentos de dores de cabeça, gripe, bronquite crônica e dores reumáticas (3).

Esses calmantes naturais são de fácil acesso e consumo e podem ajudar você a melhorar a sua qualidade de vida. Então, tente incluir alguns deles na sua alimentação para aproveitar os seus benefícios e relaxar!

7 alimentos que agem como calmantes

iStock

Drieli contou que outros alimentos também podem ajudar no relaxamento do organismo. Confira abaixo alguns exemplos:

  1. Banana: “fonte de magnésio, triptofano e é precursor da serotonina”;
  2. Canela “possui efeito relaxante e atua nos canais receptores de GABA”;
  3. Abacate: “é fonte de glutationa, vitamina E e ácido fólico”;
  4. Frutas vermelhas: “ricas em antocianinas”;
  5. Castanhas e sementes oleaginosas “além de serem boas fontes de zinco, são boas fontes de magnésio”;
  6. Kiwi “é precursor de fitomelatonina e (…) seu consumo pode ajudar muito na qualidade do sono”;
  7. Chocolate 75% cacau: “rico em antioxidantes, polifenóis e flavonoides”.

Para a Dra., “esses alimentos devem estar presentes de modo geral na alimentação da pessoa. Não adianta comer uma banana no final do dia e achar que vai relaxar por conta disso”. Sendo assim, ela destacou que também é fundamental fazer “mudanças de estilo de vida e nos hábitos alimentares”.

5 atitudes que você pode tomar para manter a calma

Não basta colocar todas suas expectativas em cima de calmantes naturais! É preciso adotar alguns hábitos que ajudam na qualidade de vida. Confira algumas sugestões da nutricionista Drieli Seron:

  1. “Tenha vida equilibrada em relação à alimentação, todas as refeições devem oferecer nutrientes para o corpo”;
  2. “Consuma menos produtos industrializados e embutidos”;
  3. Faça atividade física, “ela é uma das principais orientações para quem busca ter uma vida mais saudável. O exercício físico ajuda na produção de seratonina”;
  4. Reduza tempo de tela para não prejudicar as horas de sono;
  5. “Tenha uma boa ingestão de água e líquidos durante o dia, pois isso é muito importante para o funcionamento do corpo”.

“Cada um possui uma necessidade, por isso é importante buscar um profissional especializado para respeitar o limite de cada organismo”, finalizou Drieli. Então, não hesite em procurar ajuda de um médico para melhorar o seu bem-estar. Aproveite e confira também os melhores chás para dormir e tenha uma boa noite de sono!

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.