Barriga inchada: saiba quais são as possíveis causas do problema

O inchaço pode ser resultado de uma alimentação desequilibrada ou até de intolerância a certos alimentos

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Thinkstock

É fundamental nos sentirmos diariamente bem. É claro que um incômodo, como, por exemplo, uma dorzinha de cabeça ou no corpo, dia ou outro, pode ocorrer, por diversos motivos; mas todo sintoma que persistir por muito tempo, ou se repetir com frequência, deve ser investigado.

O fato de observar que a barriga está inchada, por exemplo, também não deve ser ignorado, já que este pode ser um dos sintomas de alguma doença ou problema de saúde.

No caso das mulheres, muitas vezes, a barriga inchada é logo associada à menstruação. Isso porque, de acordo com Eduardo Grecco, gastroenterologista do Hospital Leforte, no período menstrual existe mesmo uma maior retenção de líquidos, levando a este sintoma.

Mas, como o inchaço tende a desaparecer naturalmente com o fim da menstruação, o sintoma não costuma preocupar. Porém, caso o desconforto seja grande nessas situações, uma dica é tomar um chá diurético, como, por exemplo, o chá verde.

Por outro lado, existem casos em que a barriga inchada é proveniente de uma má alimentação ou até de uma intolerância a certos tipos de alimento. Por isso, se você tem sofrido com este problema, vale a pena conhecer, abaixo, alguns fatores que podem estar originando este sintoma. Mas vale destacar que somente um médico poderá diagnosticar qual é o seu caso e indicar o melhor tipo de tratamento.

Gases intestinais

Muitas pessoas, assim que observam estar com a barriga um pouco (ou muito) inchada, associam o sintoma a gases intestinais. Isso porque este pode ser considerado um problema “comum”.

“Geralmente, eles estão associados a uma alimentação irregular e desequilibrada”, explica o gastroenterologista Eduardo Grecco.

Ainda de acordo com o médico, para que não ocorram os gases intestinais, certos alimentos devem ser evitados. São eles:

  • Leite e creme de leite. E a situação é ainda pior em intolerantes à lactose.
  • Alguns vegetais, como agrião, acelga, alho, cebola, brócolis, couve, couve-flor, repolho, batata doce, gengibre, milho verde, pepino, nabo, rabanete, pimentão e pimenta do reino.
  • Leguminosas, como ervilha, feijão, lentilha, grão de bico, soja.
  • Algumas frutas, como banana nanica, caju, caqui, abacate, goiaba, maça, jaca, jabuticaba, melão.
  • Queijos muito gordurosos.
  • Doces, como goiabada, marmelada, chocolates. “Açúcar é fermentativo e deixa resíduos”, destaca Eduardo Grecco.
  • Bebidas gasosas, café e bebidas muito doces.
  • Alguns carboidratos, como pães com miolo, Panetone, pão caseiro (onde há muito fermento), croissant, biscoitos recheados, polvilho.
  • Carnes gordas, como acém, carneiro, costela, músculo, porco e vitela.
  • Frios e embutidos.

O gastroenterologista Grecco acrescenta que, uma dieta que contenha muita gordura, além da maior formação de gases, pode acabar gerando um quadro de obesidade e os famosos “pneuzinhos” laterais.

Intolerância à lactose

Outro ponto a ser considerado é que os leites e derivados provocam, em algumas pessoas, processos inflamatórios no organismo, devido à lactose e às proteínas do leite (caseína e betalactoglobulina). Isso provoca inchaço, desconfortos gástricos e excesso de gases. Quando o leite é eliminado do cardápio, esses sintomas desaparecem.

Porém, o leite e seus derivados só devem ser eliminados do cardápio se essa for uma recomendação médica. E, no caso de pessoas que realmente são intolerantes à lactose, a dieta deverá ser elaborada por um profissional.

Intolerância a glúten

O glúten é uma proteína que pode provocar inflamações em algumas pessoas, o que resulta em dores articulares, problemas gastrointestinais, dores de cabeça, indisposição e inchaço. De forma geral, esses sintomas são sentidos por pessoas que possuem intolerância ao glúten ou pelos celíacos.

A retirada da substância do cardápio dessas pessoas elimina os sintomas, porém, como no caso da lactose, vale lembrar que a eliminação do glúten da dieta só deve acontecer com o auxílio de um nutricionista ou após recomendação médica.

Barriga inchada pode ser sinal de gravidez?

Foto: Thinkstock

Se a barriga começar a ficar mais inchada do umbigo para baixo e a menstruação estiver atrasada há alguns dias, os dois fatores associados podem ser um sinal de gravidez. Dessa forma, a melhor maneira é fazer um teste e/ou consultar seu médico de confiança o mais rápido possível para receber todas as orientações necessárias.

Quando procurar ajuda médica?

Vale ressaltar que todos esses casos citados acima são apenas possibilidades, pois, levando em conta um único sintoma – no caso, a barriga inchada – é impossível diagnosticar um problema de saúde ou uma doença.

O gastroenterologista Grecco destaca que, em alguns casos, o inchaço na barriga pode até ser sinal de um problema mais grave de saúde. “Por isso, sempre que a pessoa sentir que algo está fora do normal, deve procurar assistência médica pra que se possa avaliar com maior critério”, finaliza.

Agora você já sabe que, por mais que o inchaço na barriga cause, aparentemente, apenas um pequeno desconforto, o caso deve ser avaliado, especialmente se outros sintomas estiverem associados a ele.

Caso você observe que frequentemente sua barriga está inchada, não hesite em procurar um gastroenterologista ou gastrocirurgião. Afinal, com saúde não se brinca!

Para você