Sexo anal: os mitos e verdades e as melhores posições para tornar essa prática prazerosa

Perca o medo e invista em uma prática que pode ser altamente prazerosa, ajudando a renovar e turbinar a vida sexual a dois!

Escrito por Luciana Rodrigues

Foto: iStock

Cercado de tabus, o sexo anal ainda é um assunto que gera muita curiosidade, inseguranças e dúvidas. Porém, se tratado com paciência e leveza, pode ser uma experiência muito prazerosa.

A prática também pode renovar o sexo entre o casal, ajudando a estabelecer uma relação mais íntima e de confiança, bem como criar novos momentos de prazer a dois.

Mas lembre-se: para que seja bom, você deve estar relaxada e disposta mesmo a experimentar. Você não precisa decidir tentar a prática do sexo anal apenas para agradar o companheiro, pois assim, o que deveria ser algo gostoso poderá se tornar doloroso e nada agradável.

Confira os principais mitos e verdades sobre sexo anal, as melhores posições para a prática e o que você deve ter à mão na hora de curtir esse momento com o parceiro.

7 mitos e verdades sobre o sexo anal

Foto: iStock

Algo importante para você que quer se aventurar é saber o que de fato é verdade e o que é mentira quando se fala de sexo anal, afinal, muitas coisas que não são verdades podem estar impedindo você de se entregar a essa vontade. Conheça alguns mitos e verdades dessa prática esclarecidos por especialistas da área.

Leia também: 10 brinquedos que você deve ter para apimentar a relação

1. Sexo anal sempre irá doer?

MITO: No caso das mulheres, a relação anal tende a ser mais dolorosa porque a região não tem a mesma elasticidade da vagina”, afirma o urologista Moacyr Simas. Mas ele também explica que não é normal sentir dor constantemente. “Se ocorrer dor em todas as relações, é sinal de que algo está errado. Tomando certos cuidados evita-se a dor, como, por exemplo, o uso de lubrificantes e estar com o corpo relaxado, sem tensões. O casal deve estar em sintonia e confortável com a situação, garantindo o prazer do ato para as duas partes.”, diz.

2. É mais fácil contrair DST’s no sexo anal?

VERDADE: “O sexo anal é considerado um dos modos mais frequentes de se contrair as DSTs. No caso do HIV, o líquido seminal de uma pessoa soropositivo carrega grande quantidade de carga viral, e durante o ato podem ocorrer microfissuras na região do ânus e reto, facilitando a contaminação.”, explica Moacyr. E a preocupação não é apenas com o HIV. “Além disso, na relação anal é possível contrair qualquer tipo de DST, como HPV, gonorreia, herpes e hepatite C. Por isso, mesmo na relação anal, é muito importante usar camisinha.”

3. A região anal não volta a elasticidade normal após o ato?

Leia também: 10 coisas relacionadas ao sexo que você deve experimentar

MITO : o urologista explica que, quando feito da forma adequada, isso é um mito. “Se a penetração anal for feita em estado de relaxamento e prazer, nenhum prejuízo será causado à região.”

4. Sexo anal causa hemorroidas?

MITO : Moacyr explica que as hemorroidas são resultado do aumento da pressão nas veias do ânus. “A pressão faz com que essas veias inchem, tornando-as doloridas, principalmente quando a pessoa está sentada. Entre as principais causas de hemorroidas estão o esforço excessivo durante a evacuação, constipação, permanecer sentado por longos períodos e infecções anais.”, diz. Porém, para quem já tem hemorroidas, a prática pode ajudar a piorar o quadro.

Quanto ao sexo anal, o urologista esclarece que “as relações anais mais violentas ou sem lubrificação adequada podem causar lesões na região anorretal, mas não provocam hemorroidas.”

5. Brinquedos e acessórios podem machucar o canal anal?

Leia também: 10 dicas para fazer o melhor sexo da sua vida

DEPENDE: Quando os brinquedos são para este fim, eles tendem a não causar problemas, segundo Moacyr. “Vibradores e acessórios sexuais são bem-vindos do ponto de vista do prazer, mas é preciso tomar cuidado ao adquirir esses tipos de produtos, para manter a boa saúde íntima. É necessário ficar atento a possíveis traumas e lesões. Existem casos, por exemplo, que a introdução de objetos pontiagudos na região anal pode vir a causar incontinência fecal (perda involuntária de fezes ou gases intestinais), devido ao trauma nos esfíncteres anais”, alerta o médico.

6. O tamanho do pênis pode prejudicar o sexo anal?

MITO : O mais relevante, segundo Moacyr, é a mulher estar relaxada para o dilatamento da região ocorrer. Porém ele alerta para os cuidados relacionados ao tamanho do canal: “Em termos de comprimento, recomenda-se manter uma atividade mais lenta e cuidadosa com pênis com mais de 18 cm, já que o canal do reto tem profundidade média de 17 cm.”

7. É possível ter orgasmo com sexo anal?

VERDADE : A dúvida mais citada sobre sexo anal é verdade sim! Mas depende de uma série de fatores, tal como o urologista Moacyr Simas ressalta: “Em geral, a pessoa que está executando a penetração vai sentir mais prazer, pois o canal anal é mais estreito. Mas tudo vai depender da lubrificação da região anal, das preliminares, do grau de excitação da pessoa que está sendo penetrada e da sintonia do casal para aprimorar a prática sexual.”

Leia também: 10 segredos de casais sexualmente satisfeitos

Já a Personal Sex Lu Port-aux aponta um outro item essencial para que o prazer nesse momento seja pleno: “Quanto mais segura você se sentir na hora do anal e se excitar, mais vai se liberar dos receios, da ansiedade e curtir a situação, que pode ser muito prazerosa para o momento.”

4 boas posições para praticar sexo anal

Um bom ponto de partida para se entregar a esse momento, principalmente se você for praticar pela primeira vez, é encontrar a posição ideal. Se a mulher estiver confortável e tranquila, ajudará a relaxar e, com isso, evitar a contração na região, uma das grandes responsáveis pela dor sentida durante a relação sexual.

A Personal Sex, Lu Port-aux indica 4 boas posições que ajudarão você a encontrar o ponto ideal para esse momento:

Imagem: Dicas de Mulher

1. Mulher por cima

“A melhor posição para a primeira vez ou uma tentativa eficaz é mulher por cima. O parceiro deve permanecer sem se movimentar e a mulher deve controlar a introdução e os movimentos no começo, encaixando com cuidado para ninguém se machucar, sem ter pressa (essa dica vale para todas as posições).

A especialista também destaca que é importante evitar o vai e vem sem a penetração ter sido completa. “Isso é o maior erro cometido. É exatamente pelo fato de os homens penetrarem ‘bombando’ no sexo anal que machuca, pois desse jeito é impossível não acontecer isso. O melhor é colocar devagar, procurar relaxar e curtir um momento totalmente sexy. Quando estiver dentro daí sim você começará movimentos suaves. No início o parceiro deve ter calma, para não fazer movimentos bruscos”, explica Lu.

2. De lado

“Sem afobação, é legal num segundo momento tentar de ladinho, onde a mulher pode controlar tudo, desde a intensidade dos movimentos e ainda ter a possibilidade de utilizar os masturbadores.”, sugere a personal sex.

3. Deitada com as pernas abertas para cima

A especialista Lu Port-aux diz que essa posição é uma alternativa para manipular o clitóris e interagir com o parceiro, falando suas sensações olhos nos olhos. “Isso vai trazer um clima ainda mais quente para os dois. Garanto que a experiência vai deixá-la segura e com vontade de se soltar cada dia mais.”

4. De quatro

“Quando já estiver segura e relaxada, essa pode ser uma das suas posições preferidas. Não se esqueça que, mesmo de quatro, a mulher pode e deve ajudar a introduzir e controlar, manipulando o seu clitóris.”, indica a profissional.

Lembre-se sempre que o seu prazer tem que estar em primeiro lugar para poder aproveitar. Caso contrário, você poderá travar e o momento não ser tão bom. “O sexo para ser bom deve ser divertido, com muita cumplicidade do casal. Desta forma, todos os tabus e receios deixam de existir e suas percepções sobre seu corpo, prazer e empoderamento mudam de forma espantosa”, ressalta Lu.

Itens que podem te ajudar nessa experiência

Foto: iStock

Para que tudo ocorra bem, é preciso que alguns itens estejam próximos na hora da prática. Alguns deles estão relacionados com a segurança e saúde do casal, enquanto outros são essenciais para tornar o momento mais relaxante e tranquilo. Então confira a lista e já reserve esses itens para a noite!

Camisinha: ela é essencial para a saúde do casal, evitando transmissão de DSTs, como já falamos. E vale lembrar que, ao trocar a região anal pela vaginal deve-se trocá-lo, para evitar problemas como infecções urinárias.

Gel lubrificante: como a região não possui lubrificação natural, tal como a vagina, é essencial o uso de gel lubrificante. Ele ajudará a evitar o atrito que pode causar dores e fissuras, trazendo mais prazer à prática. O médico Moacyr Simas ressalta que deve-se utilizar os lubrificantes à base de água, pois não interagem com o látex dos preservativos e são hipoalergênicos.

Vibradores em geral: eles não são imprescindíveis, mas ajudam na estimulação da região, tornando o momento mais prazeroso. A personal sex indica o bullet como um modelo interessante para a estimulação clitoriana durante a prática. Ela também ressalta cuidados com a higiene, caso utilize vibradores na região anal: “também é legal usar preservativo, para evitar a contaminação por bactérias do brinquedo. E também ficará muito mais fácil sua limpeza, evitando utilizar produtos abrasivos, apenas detergente neutro e água.”

Enemas e duchas: algumas mulheres optam pela limpeza do canal antes da prática. Segundo o urologista, pode-se sim usar produtos específicos (tal como o enema) e limpeza com água. Porém, ele alerta que isso deve ser utilizado com cautela e apenas para o ato sexual, não transformando isso em rotina, pois poderá prejudicar sua saúde.

Além desses acessórios e itens, é importante que a mulher esteja segura, que tenha o controle da situação e que principalmente, se sinta empoderada. Sobre isso, a personal sex Lu Port-aux ressalta: “Nós vivemos num país muito machista, onde boa parte das mulheres se submete a fazer tudo para agradar ao homem. Ele brocha quando é pressionado a praticar sexo, então, o que eles precisam entender é que com a mulher não é diferente. A mulher empoderada não precisa perder a sua feminilidade para ser forte e pode mudar completamente a sua visão quanto ao sexo anal.”

Ela também indica mudar um pouco a sua visão sobre o tema: “Ao invés de ver a prática como uma dominação masculina, encare como uma forma de poder, onde quem dita quando estará pronta é você. Ter o poder de tomar a iniciativa e pedir como quer que seja feito, controlar a situação e ter orgasmos com o sexo anal.”

Agora se sente pronta e poderosa para investir em uma nossa experiência que poderá ser incrível e prazerosa em sua vida?

Assuntos: Relacionamentos, Sexo

Dicas pela Web
Comentários