Fernanda Cassim

Psicóloga e Colunista

Psicanalista e Palestrante, graduada em Psicologia e em Letras, com Mestrado e Doutorado em Linguística e Pós-Graduada em Sexualidade Humana. Dedica sua carreira ao desenvolvimento de mulheres líderes no trabalho, nos relacionamentos e na vida. É autora do livro "A linguagem da loucura" e empresária, ama comunicação, esportes, viagens e celebrações.

Conteúdos por Fernanda Cassim

As mulheres de Bridgerton
As mulheres de Bridgerton

A busca pelo amor verdadeiro quando o casamento era um negócio

Preciso enfrentar conversas difíceis, mas não consigo!
Preciso enfrentar conversas difíceis, mas não consigo!

Muitas das crises que você vivencia hoje poderiam ter sido evitadas se você estivesse disposta a ter conversas difíceis

O dia em que eu me tornei mãe da minha mãe
O dia em que eu me tornei mãe da minha mãe

Mãe-coruja, mãe-solo, mãe-amiga, mãe-de-primeira-viagem… não importa que tipo de mãe você tenha, em algum momento ela vai passar a ser mãe-filha

Por que não consigo deixar esse ressentimento?
Por que não consigo deixar esse ressentimento?

Situações que você considera imperdoáveis dizem mais sobre você do que sobre quem te machucou

Você nunca estará pronta
Você nunca estará pronta

Embora o fracasso esteja frequentemente associado ao erro, o maior boicote que podemos fazer a nós mesmas é esperar a situação ideal

Guia atualizado sobre como ser mulher em 2024
Guia atualizado sobre como ser mulher em 2024

Manual prático para guiar suas experiências no mundo contemporâneo

Não está mais aqui quem falhou!
Não está mais aqui quem falhou!

Por que alimentamos o hábito de fugir das situações que não estão indo bem?

Descubra as quatro fantasias que você deve evitar neste Carnaval
Descubra as quatro fantasias que você deve evitar neste Carnaval

Ó abre alas, minha foliã! É Carnaval e os papéis que você vai representar no bloquinho é você quem escolhe!

Eu não aguento mais!
Eu não aguento mais!

Relacionamentos, trabalho, vida social… Saiba como as diversas áreas de nossa vida se contaminam quando não estamos emocionalmente saudáveis.

Os presentes de natal mais criativos dos amantes
Os presentes de natal mais criativos dos amantes

Se você é aquela pessoa que tem dificuldade em presentear, talvez deva pensar mais no valor das coisas - e não no preço!

Tão perto e tão longe: é possível trabalhar junto e manter um relacionamento saudável?
Tão perto e tão longe: é possível trabalhar junto e manter um relacionamento saudável?

Dizem que "casal que trabalha junto cresce junto", mas meu dia a dia na clínica de psicologia e meu ouvido aguçado para os conflitos conjugais me levam a crer que, na prática, a coisa não funciona tão bem assim.

Intimidade e comunicação: quem fala na cama, fala na vida!
Intimidade e comunicação: quem fala na cama, fala na vida!

Descubra como a construção de intimidade sexual por meio da comunicação pode aprimorar suas relações em todas as áreas da sua vida

Coito interrompido funciona?
Coito interrompido funciona?

As atitudes e métodos contraceptivos são uma boa forma de dar autonomia sobre a hora de engravidar, por isso falar sobre a eficácia deles é fundamental

Me tornei mãe e deixei de gozar
Me tornei mãe e deixei de gozar

Os impactos da maternidade na sexualidade feminina são diversos. Como voltar a ter uma vida sexual ativa e prazerosa depois da chegada de um bebê?

Que ridícula!
Que ridícula!

Por que me sinto tão mal quando tento propor algo diferente para o meu parceiro?

No Mundo Real, a Barbie ganhou uma vagina!
No Mundo Real, a Barbie ganhou uma vagina!

No filme mais aguardado e provocativo do ano, a boneca que impactou gerações de mulheres se torna (ainda mais) capaz de ser o que deseja.

O que é esse tal de “Ponto G”?
O que é esse tal de “Ponto G”?

Todo mundo já ouviu falar do tal do "Ponto G", mesmo que ele seja um mistério para os próprios cientistas e pesquisadores da área. Afinal, ele existe?

Como saber se sofri um abuso ou assédio sexual?
Como saber se sofri um abuso ou assédio sexual?

Muitos abusos ocorrem de forma sutil, fazendo com que as mulheres sequer compreendam que foram vítimas