“Nossa sexualidade não é uma invenção da modernidade, não é algo que está na moda”

Publicado por
Atualizado em 27.04.22

Paula Mariá Riemer | Foto: Yasmin Victorino

Por
Em 10.03.22 às 10:33

Paula Mariá Riemer é oraculista, escritora e uma das criadoras de Nosotras Tarot, primeiro tarô exclusivamente feminino e feminista no mundo. Enquanto mulher contemporânea, acredita que nossas lutas ainda são muito básicas, uma vez que ainda temos de lutar por direitos fundamentais:

Publicidade

“[…] é preciso reconhecer que o Brasil ainda é um país muito machista e ainda estamos lutando pelo direito básico de permanecermos vivas, de não sofrermos violência dentro das nossas casas ou fora delas e de existirmos com liberdade”.

Apesar desse cenário, Paula acredita muito na potência das mulheres. Para ela, juntas somos mais fortes. Porém, a oraculista defende que essa união precisa vir de um lugar em que as mulheres reconhecem suas diferenças, ou seja, é necessário vivenciar a interseccionalidade dentro do feminismo.

“Somos muitas mulheres e cada uma com sua própria visão de mundo, com suas próprias demandas, com suas próprias necessidades. Juntas libertarmos umas às outras, erguermos umas às outras, levando em consideração que somos únicas à nossa própria maneira”.

Casada com uma mulher, Paula diz ainda que o Brasil está imerso em uma onda de conservadorismo que limita nossa potência e é perigosa à vida das mulheres, sobretudo enquanto mãe e mulher LGBTQI+. E lamenta: “Encontro dificuldade em respaldar minha família, em ter minha família respeitada diante dos espaços públicos e privados”.

Dificuldade para empreender e buscar novos modelos de trabalho

Paula relata a dificuldade que há em empreender e criar negócios buscando novas formas de trabalho que possam de fato acolher as mulheres. Para, assim, não reproduzir esquemas exploratórios e desrespeitosos perpetuados por gerações de homens, em ambientes dominados por eles. Segundo ela, estes últimos são “esquemas de trabalho que não respeitam a nossa ciclicidade, que não respeitam a nossa maternidade”.

Diante desse cenário, acredita que um grande desafio é criar formas de trabalho que correspondam a modelos mais saudáveis, respeitosos e, preferencialmente, liderados por mulheres.

“A gente tem poucas mulheres em cargos de liderança no Brasil, tem muitas mulheres que ainda sofrem para fazer o seu dinheiro. E muitas vezes esse dinheiro se desfaz, pois acaba indo para a mão dos homens que o administram. Elas [as mulheres] não têm direito a decidir o que fazer com seu próprio dinheiro”.

Paula ainda defende que precisamos de uma nova perspectiva de trabalho, o que é um grande desafio, pois estamos nos tornando referências para as mulheres do futuro. Isso pode ajudá-las a saber por onde começar para buscar seus objetivos.

Publicidade

Mulheres que a norteiam

A escritora Alice Walker é uma das grandes referências de Paula, bem como a diretora de cinema Céline Sciama. Essas artistas exploraram temas importantes para mulheres em outras épocas, como sexualidade e amor entre mulheres. Esses temas são fundamentais porque o lugar da nossa sexualidade vem sendo tratado como um assunto recente, mesmo que de modo politizado.

“[…] é muito importante quando a gente constrói obras que lembram que a nossa sexualidade não é uma invenção da modernidade, não é algo que está na moda. As mulheres lésbicas e as mulheres bissexuais sempre existiram desde o início dos tempos e sempre existirão. E acredito que essas duas artistas realizaram trabalhos incríveis retratando isso”.

A cantora Beyoncé também é citada, uma referência importante sobretudo para mulheres negras. Para Paula, ela é importante porque nos lembra de trabalharmos por aquilo que acreditamos. Além disso, ela nos lembra que precisamos dar nosso melhor e não nos limitar pelo que os outros tentam nos impor.

Maya Angelou, também escritora, é mais uma referência potente ao mostrar que nossos talentos não podem ser limitados e rotulados. A criatividade pode nos fazer exprimir nosso âmago e transformar o mundo ao redor.

Por fim, Paula menciona sua esposa, a artista Elisa Riemer, como outra de suas referências. Ela tem um trabalho incrível que exalta mulheres, principalmente o amor entre elas, por meio de trabalhos artísticos que estimulam nossa potência e capacidade de transformação do mundo.

Paula Mariá Riemer é uma mulher potente que luta por relações de trabalho genuínas e pelos diretos das mulheres, sobretudo como mãe e LGBTQI+. Além dela, que tal conhecer mais mulheres incríveis?

Assuntos: Entrevistas