Menstruação marrom é normal? Ginecologista explica as possíveis causas

Geralmente ela não representa nada grave, mas, caso a mulher esteja grávida ou na pós-menopausa, esse tipo de sangramento pede atenção

Escrito por Tais Romanelli
Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Nem toda mulher se dá conta, mas é normal que a menstruação tenha oscilações no volume e na coloração: variando de uma quantidade escassa no final e no começo do fluxo – semelhante à “borra de café” – até um sangramento mais intenso e consistente, por vezes acompanhado de coágulos.

Tais mudanças no fluxo menstrual podem, por vezes, preocupar a mulher que está sempre atenta à sua saúde íntima. Muitas questionam, por exemplo, se uma menstruação marrom pode ser sinal de algum problema ou se pode estar relacionada à gravidez. Exatamente por isso, antes de qualquer coisa, é preciso ter consciência das variações normais à menstruação, para entender a partir de que momento pode ser necessário buscar orientação médica.

Patrícia de Rossi, ginecologista do Conjunto Hospitalar do Mandaqui, em São Paulo, explica que o ciclo menstrual costuma durar de 25 a 35 dias, com média de 28 a 30 dias. “É muito comum que haja mudanças de um mês para o outro, por isso o consideramos ‘regular’ quando há variação de até 3 dias, para mais ou para menos, entre as menstruações. A duração normal do fluxo é 2 a 7 dias (com média de 3 a 5 dias)”, diz.

É importante lembrar ainda que o uso de medicações como a pílula anticoncepcional combinada pode reduzir a duração e o volume do fluxo, conforme destaca a ginecologista.

Porém, de acordo com Patrícia, algumas alterações merecem, sim, atenção. “Se o fluxo menstrual for abundante com, por exemplo, volume que enche um absorvente comum em menos de 2 horas, ou com coágulos maiores que 2,5cm, é possível que haja uma causa hormonal ou uterina que mereça ser investigada”, explica.

Leia também: 7 fatos sobre a vagina que toda mulher deveria saber

“Se isso acontecer após um atraso da menstruação, pode também indicar um problema relacionado a uma gravidez, como uma ameaça de aborto. Neste caso, recomenda-se uma avaliação médica para definir o diagnóstico”, acrescenta a médica.

Patrícia explica ainda que se a alteração menstrual persistir por alguns meses ou causar outros sintomas, como dor, fraqueza ou cansaço, é necessária uma consulta com ginecologista para investigar o problema, incluindo testes para anemia.

O que é a menstruação marrom? É sinal de doença?

Se a coloração marrom do fluxo menstrual é sua preocupação, fique calma, provavelmente não é nada grave.

“O sangramento menstrual escuro, semelhante à ‘borra de café’, é característico do início e, principalmente, do final do fluxo menstrual. Trata-se de um aspecto normal para essa fase, em que o sangue que demorou mais para ser expelido do útero sofre transformações químicas que levam a essa mudança na coloração”, esclarece Patrícia.

“Algumas mulheres apresentam ainda esse tipo de sangramento entre as menstruações, quando é chamado de ‘spotting’ ou manchas. Na maioria dos casos, essa ocorrência não é sinal de nenhuma doença, mas comumente acontece em mulheres que estão usando algum método anticoncepcional com progestagênios, como o dispositivo intrauterino de levonorgestrel, injetável trimestral de medroxiprogesterona, implante subcutâneo contraceptivo ou pílula somente de progestagênio (desogestrel)”, destaca a médica.

Leia também: Coceira vaginal: entenda os motivos do problema e saiba como evitar

Conforme ressalta Patrícia, a não ser que a mulher esteja grávida ou após a menopausa, esse tipo de sangramento não deve causar grandes preocupações. “Mas, na dúvida, recomenda-se a avaliação médica para esclarecimento e orientações”, diz.

5 possíveis causas da menstruação marrom

Patrícia aponta abaixo as principais situações que podem ocasionar a menstruação marrom:

1. Variação normal da menstruação

Patrícia lembra que um sangramento menstrual escuro (semelhante à “borra de café”), é característico do início e do final do fluxo menstrual, sendo, assim, normal: já que o sangue demorou mais para ser expelido do útero, sofrendo transformações químicas que levam a essa mudança na cor.

2. Uso de método anticoncepcional

A ginecologista ressalta que algumas mulheres podem apresentar um tipo de sangramento marrom entre as menstruações, chamado de “spotting” ou manchas. Na maioria dos casos, acontece em mulheres que estão usando algum método anticoncepcional com progestagênios, como o dispositivo intrauterino de levonorgestrel, injetável trimestral de medroxiprogesterona, implante subcutâneo contraceptivo ou pílula somente de progestagênio (desogestrel).

3. Gravidez

Patrícia explica que é interessante certificar-se da ausência de gravidez. “Pois, nesse caso, a menstruação marrom pode-se tratar de várias situações, inclusive de alguma gravidade, como abortamento e gravidez tubária”, diz.

4. Lesões no colo do útero

Vale a pena investigar se não é este o caso. “Lesões no colo do útero podem ser diagnosticadas por meio do exame especular na consulta ginecológica, suplementadas pela citologia oncótica (preventivo, exame de Papanicolaou) e, em alguns casos, colposcopia (exame do colo do útero com lente de aumento após aplicação de ácido acético) com ou sem biópsia (retirada de um fragmento da região para ser analisada ao microscópio)”, explica Patrícia.

5. Problema no endométrio

Na pós-menopausa, ou seja, após um ano sem menstruar e sem uso de hormônios, a menstruação marrom pode representar algum problema no endométrio (camada interna do útero). “Geralmente fazemos exames para ter informações sobre a espessura do endométrio e outras causas de sangramento nessa idade (pólipo endometrial ou atrofia, por exemplo). Outro exame que pode esclarecer esses casos é a histeroscopia (visualização do interior do útero com uma microcâmera)”, explica Patrícia.

Menstruação marrom pode ser sinal de gravidez?

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Sim, responde Patrícia. “Principalmente em mulheres que não estão usando método contraceptivo ou usando incorretamente/eventualmente”, diz. Então, se este é o seu caso, não descarte a possibilidade de gravidez.

Mas não vale a pena se desesperar e/ou tirar conclusões precipitadas. Investigue. “O diagnóstico é feito pelo teste de hCG urinário ou, com mais precisão, pelo beta-hCG no sangue”, lembra a ginecologista.

Se ocorrer com frequência, a mulher deve fazer algum exame?

Patrícia explica que é recomenda a consulta ginecológica de rotina anual para esclarecimento, “exceto nos casos apontados ou se a mulher se sentir incomodada com o sintoma”.

“Se esse padrão menstrual for consequente ao uso de algum medicamento ou método anticoncepcional, a mulher deve decidir com seu médico se deve manter o uso ou não”, acrescenta a ginecologista.

Agora você já sabe: a menstruação marrom nem sempre é motivo para preocupação. Pode representar apenas uma alteração normal do seu fluxo menstrual.

Em alguns casos, ela pode, sim, estar relacionada a algum problema de saúde e até à gravidez. Mas não adianta se desesperar e/ou tirar conclusões precipitadas. O ideal é, em caso de dúvida, consultar seu médico ginecologista, que, se julgar necessário, investigará o caso, avaliando outros possíveis sintomas (se houver) e/ou solicitando exames.

Além disso, independentemente de sintomas, a consulta de rotina anual com o ginecologista é essencial, e é o que prevenirá qualquer tipo de problema e/ou preocupações desnecessárias com sua saúde.

Dicas pela Web