5 chás naturais para diminuir o ácido úrico

Feitos com plantas benéficas ao organismo, eles ajudam a evitar cálculos renais e dores nas articulações

Escrito por

Foto: iStock

Continua após o anúncio

O ácido úrico é uma substância que vem da decomposição de certas fontes de alimento. Ele é enviado para o sangue e, depois, os rins o eliminam do corpo.

No entanto, quando há interrupções em seu processo de eliminação – seja porque o corpo se torna menos capaz disso ou porque há muito ácido úrico – podem surgir reações inflamatórias que afetam a qualidade de vida, causando dor nas articulações e um maior risco de gota e cálculos renais.

Mas existem remédios naturais que são benéficos, como alguns chás que possuem propriedades diuréticas e purificadoras. Veja algumas opções:

1. Chá de cardo de leite

Foto: iStock

O cardo de leite é uma planta com muitos benefícios para a saúde e o chá feito com ela melhora as funções de órgãos excretores do corpo. Seus antioxidantes ajudam nas funções do fígado e, ao mesmo tempo, ajudam a limpar o sangue, prevenindo problemas causados pelo excesso de ácido úrico.

Como fazer

  • Esmague os botões de cardo de leite com uma argamassa e pilão – quantidade aproximada de 2 colheres de sopa de gemas de cardo de leite (30 g);
  • Aqueça 1 xícara de água (250 ml) em uma panela e, antes de ferver, adicione o cardo de leite;
  • Abaixe o fogo e deixe por 5 minutos. Desligue, espere esfriar por 10 minutos;
  • Beba no meio da manhã e, se quiser, novamente no meio da tarde, por pelo menos três semanas de forma contínua.

2. Chá de dente-de-leão

Foto: iStock

As propriedades purificadoras e diuréticas do dente-de-leão são boas para diminuir os níveis de ácido úrico. Seus componentes melhoram as funções renal e hepática e também evitam a retenção de líquido.

Como fazer

  • Coloque uma quantidade aproximada de 1 colher de chá de pétalas de dente-de-leão secas (5 g) – em 1 xícara de água (250 ml) fervente;
  • Cubra o chá e deixe por 10 minutos;
  • Beba duas xícaras por dia durante duas semanas.

3. Chá de alcachofra

Foto: iStock

A alcachofra contém ácidos linoleico, oleico e cafeico que ajudam na decomposição e eliminação de purinas da corrente sanguínea. Suas propriedades diuréticas ajudam a produção de urina, que é um fator chave na redução do ácido úrico.

Continua após o anúncio

Como fazer

  • Lave 1 alcachofra e corte a haste com uma faca;
  • Remova as folhas externas e deixe apenas as mais suaves;
  • Despeje 2 xícaras de água (500 ml) em uma panela e leve ao fogo;
  • Quando ferver, adicione as folhas de alcachofra e abaixe o fogo, deixando por mais 5 minutos;
  • Retire e deixe esfriar. Beba um copo com o estômago vazio e repita durante o meio da tarde por duas semanas.

4. Chá de urtiga

Foto: iStock

Essa planta atua na purificação de sangue e, quando tomada como chá, pode reduzir a inflamação que vem da retenção de ácido úrico. Seus componentes ajudam na eliminação dos cristais que se formam nos rins.

Como fazer

  • Coloque 1 colher de chá de urtiga (5 g) em 1 xícara de água (250 ml) fervente e cubra;
  • Deixe esfriar por 10 a 15 minutos;
  • Beba um copo com o estômago vazio todos os dias por pelo menos duas semanas.

5. Chá de cavalinha

Foto: iStock

As propriedades diuréticas deste chá ajudam a aumentar a produção de urina, o que ajuda a eliminar o ácido úrico e outros resíduos do corpo.

Como fazer

  • Adicione 1 colher de sopa de rabo (15 g) a 1 xícara de água (250 ml) fervente;
  • Cubra e deixe por 10 minutos;
  • Quando estiver pronto para beber, filtre;
  • Beba duas xícaras por dia – uma de estômago vazio e repita no meio da tarde – por três semanas.

Se você tem algum sintoma que indique altos níveis de ácido úrico, um desses chás poderá te ajudar a controlar de forma natural. O consumo regular de qualquer um deles ajuda a eliminar as toxinas e os resíduos onde o ácido úrico em excesso pode ser encontrado no organismo, evitando complicações. Mas, se notar algum problema, procure um médico.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.