Dicas de Mulher Dicas de Comportamento

12 questionamentos que toda mulher deveria se fazer ao menos uma vez

Refletir sobre certos aspectos importantes da vida é necessário para atingir a realização pessoal

em 18/07/2014

Foto: Thinkstock

Ao longo da vida, passamos por momentos em que nosso comportamento diante de vários aspectos deve ser analisado. Esses questionamentos fazem parte da nossa natureza e principalmente, da nossa caminhada em busca da felicidade. Ninguém quer ser arrastado pela vida e perder o controle do que é ou do que prioriza. Por isso, algumas perguntas se fazem importantes para que saibamos exatamente se estamos seguindo o caminho que pretendíamos.

Esse é um processo de aprimoramento, que vem junto com o amadurecimento. Sejam nossas escolhas certas ou erradas, elas servem para nos ensinar para uma próxima ocasião. Uma das coisas boas da vida é que ela sempre pode ser recomeçada. Mas o acerto em certas questões importantes pode ajudar para que seu caminho seja mais eficiente e com menor possibilidade de surpresas desagradáveis.

Os questionamentos femininos ao longo da vida são infinitos. O primeiro passo é conseguir raciocinar com calma e inteligência. Emocional e racional devem ser equilibrados, sem nunca apenas um decidir sozinho. Veja, a seguir, doze dos maiores questionamentos que acompanham as mulheres contemporâneas e que são essenciais para o autoconhecimento.

1. Estou seguindo um caminho que me deixa feliz?

De um jeito ou de outro, todo mundo sabe mais ou menos do que gosta na vida. Se gosta de ter amigos, de viver na natureza ou na cidade, de ser bem sucedido no trabalho… Acontece que durante nossa caminhada podemos nos perder ou seguir rumos que não eram bem os que pretendíamos. Isso é comum na correria e nas obrigações do dia a dia.

Por isso é importante às vezes pararmos para meditar o quanto estamos decidindo das nossas vidas em contrapartida com o quanto estamos deixando que os acontecimentos decidam por nós.

2. Sou uma pessoa que faz diferença na minha comunidade?

Foto: Thinkstock

Vivendo em sociedade, cada indivíduo tem seus direitos e deveres, o que o define como verdadeiro cidadão. E a cidadania está muito além de simplesmente pagar as contas e respeitar as leis de trânsito. A participação de cada um no incentivo de coisas boas para sua comunidade é importantíssima para a qualidade de vida de todos.

Participar das questões da sua rua, prédio ou bairro e apoiar movimentos ecológicos, como coleta seletiva entre outras questões benéficas, fará de você uma pessoa querida e protegida, além de alguém que inspira boas atitudes.

3. Retribuo as gentilezas que recebo?

Muitas vezes estamos tão ocupadas com outros problemas que não percebemos movimentos gentis que recebemos. Quando uma pessoa é educada, ela espera uma atitude recíproca e essa resposta pode ser decisiva para a manutenção do bom comportamento do outro.

Por isso devemos sempre retribuir as gentilezas e ajudas que recebemos, como forma de gratidão e de criação de um ciclo de colaboração. Você tem dado a atenção que deveria às boas ações que recebe?

4. Quero ou não ter filhos?

Vivemos em uma época em que tal questionamento é possível e muito comum. Com o avanço da medicina e o maior interesse das mulheres em assuntos além da família, podemos ter a liberdade de escolher se queremos ou não ser mães. Mesmo que esse ainda seja o sonho mais comum entre as mulheres, muitas têm preferido se dedicar a outros assuntos antes de planejar a maternidade.

De acordo com a psicóloga Pâmela Magalhães, ainda que se mantenha uma forte pressão cultural e social de que mulher deve constituir casa e família com filhos, o comportamento feminino diante desse questionamento vem mudando: “Não são poucas as mulheres que vem priorizando outros aspectos da vida, permitindo-se declinar do papel de mãe ou mesmo protelar a maternidade para um momento mais oportuno, respeitando outra prioridade”.

5. Cuido do meu corpo como deveria?

Foto: Thinkstock

Seja você jovem ou madura, o corpo sempre precisa de certa atenção. Não se trata aqui de ser bonita ou esbelta, mas sim da sua saúde. A idade é implacável, vamos envelhecer e o melhor que podemos fazer é nos preparar para isso. Alimentação saudável, um mínimo de exercícios físicos e um coração tranquilo já são suficientes para manter o corpo normalmente saudável.

O problema é que com a correria cotidiana acabamos deixando esses importantes fatores para depois, e às vezes para nunca mais. Você está satisfeita com a maneira de como cuida do seu corpo? A hora dessa mudança é agora!

6. Estou na profissão que gosto?

Desde muito cedo, quando terminamos os estudos básicos, ou antes, por necessidade, já começa a pressão para a escolha de qual carreira seguir. A cobrança vinda de todos os lados, além de nossas próprias dúvidas, pode dificultar a escolha e causar confusão diante de tantas opções.

Muitas vezes acontece de entrarmos um uma área que não é de nosso interesse ou de mantermos um trabalho por estabilidade. Apesar de toda a segurança que uma profissão dá, seguir um caminho que não satisfaz também não é uma situação agradável e pode influenciar em toda a sua satisfação e autoestima. Procure analisar os prós e contras de se manter na profissão em que você está seguindo e busque coragem para obter seus objetivos.

7. Sou quem eu queria ser?

Todos nós sabemos pontuar as qualidades que admiramos nos outros, assim como os defeitos que detestamos. Mas e você? Será que tem esses atributos que você tanto quer ver no mundo? É muito comum cobrarmos dos outros, mas pouco paramos para analisar nosso próprio comportamento. Intimamente nos cremos boas pessoas, mas para os outros, as atitudes são necessárias para demonstrar suas qualidades.

8. Eu assumo os meus erros?

A autocrítica é fator indispensável para a evolução. Sabemos que ninguém é perfeito, então, como melhorar sem conhecer os pontos fracos a serem corrigidos? Não só uma, mas muitas vezes na vida devemos pensar em como estamos lidando com as consequências dos nossos atos. Não é incomum que algumas pessoas teimem em atribuir sua culpa à outros. Assumir deslizes é a maneira mais fácil de alcançar o crescimento pessoal.

9. Esse é o homem certo para mim?

Foto: Thinkstock

Tem gente que se joga nos relacionamentos sem pensar muito ou planejar de alguma forma. Mas existem momentos em que essa análise se faz necessária, seja pela pretensão de ter filhos ou de morar juntos, por exemplo. Momentos de carência também podem nos influenciar a assumir relacionamentos que não são bem o que desejávamos. Uma postura passiva nesse momento pode acabar te deprimindo além de te manter fechada para novas opções.

“Raras são as mulheres que não tem o sonho do casamento com véu e grinalda, e sonham ainda com aquele homem que realmente será a grande paixão da sua vida! Por mais que os tempos mudem e a modernidade faça morada, as mulheres carregam ainda aquela dúvida persistente”, comenta a psicóloga especialista em relacionamentos, Pamela Magalhães.

10. Dou atenção suficiente aos meus amigos e parentes?

Por estarem sempre ali do nosso lado, os familiares e parentes mais próximos podem acabar sendo deixados um pouco de escanteio. É o que pode acontecer quando temos a certeza de que eles estarão sempre ali, o que nos dá a segurança de que nunca os perderemos.

11. Está na hora de construir uma família?

Ainda estamos longe de desvencilhar a mulher da família. Querendo ou não, a tradição nos diz para sonharmos com um casamento, filhos e uma casinha de cerca branca. Há quem realmente almeje por isso, o que não tem nada de errado. O problema é quando sofremos pressão nesse sentido sem estarmos certas de se é isso mesmo que queremos para a nossa vida.

Esse também é um questionamento bastante comum para quem já está por volta dos 30 anos, por ser uma época bastante representativa de passagem da juventude para a vida adulta.

12. Estou aberta para a vida?

Será que você está aberta às infinitas possibilidades que a vida te oferece? Desde abrir seu coração para um amor, conhecer pessoas novas até aceitar convites para eventos, viagens, trabalhos desafiantes. Fato comprovado é que quanto mais dizemos ‘sim’ à vida, mais ela nos retorna com emoções maravilhosas.

Se você é daquelas que nunca aceita convites, seja em nome do conforto, da preguiça ou do estresse, analise se você não está deixando a vida passar pela janela, deixando tudo pra depois. Aproveite o curto tempo que temos sobre esse planeta e curta tudo o que for possível conhecer. Se permitir viver as nuances e aventuras da vida certamente te deixará mais feliz e otimista.

Pensar sobre si mesmo é a melhor maneira de ser uma pessoa cada vez melhor e mais feliz. Experimente responder às perguntas acima e provavelmente você terá uma bela surpresa sobre você mesma e do rumo que a sua vida está tomando.

Comentários
Dicas relacionadas