5 sintomas de pH vaginal alterado para você prestar atenção

Escrito por                    
Atualizado em 22.06.22

iStock

Por
Atualizado em 22.06.22

O pH vaginal normal é mais ácido e pode causar problemas quando é alterado. Mantê-lo equilibrado é o ideal e prestar atenção nos sinais que seu corpo dá sobre mudanças na acidez da região íntima é muito importante. Confira agora o que a ginecologista Mariana Rosario, do Hospital Albert Einsten, explicou sobre este assunto.

Publicidade

O que é o pH vaginal

A doutora Mariana explicou que “o pH é uma medida da acidez ou alcalinidade de alguma substância ou local e neste caso, o ph vaginal mede a acidez da vagina”. A doutora também comentou que “o ph ideal para a região íntima é sete – abaixo de sete é ácido e acima de sete é básico – pois normalmente ele é mais ácido”.

O pH vaginal alterado e seus sintomas

iStock

A ginecologista citou que o pH vaginal pode ser alterado por mudanças hormonais. “Na gestação ou no caso de pacientes que usam anticoncepcionais podem ocorrer alterações de microbiota, então a secreção vaginal também pode ter alteração do pH, pelas substâncias que essas bactérias produzem na região”, finalizou. A médica também citou os principais sintomas:

  • Ardência;
  • Coceira;
  • Dor na relação sexual;
  • Corrimento esverdeado;
  • Corrimento parecendo leite coalhado.

Ao notar qualquer um dos sintomas, não deixe de procurar sua ginecologista. Agora, continue a leitura para saber como equilibrar o pH da vagina e entender sua importância.

Como equilibrar o pH vaginal e manter a saúde da região íntima

Mariana ressaltou que o desequilíbrio hormonal é o principal causador da alteração do pH na região íntima. Assim, é preciso tratar diretamente a causa e cuidar sempre da região íntima. Ela trouxe cinco dicas para equilibrá-lo:

  • Suspender o uso do anticoncepcional: “para algumas pacientes pode ser recomendado parar de tomar o anticoncepcional, principalmente se o pH da região íntima está muito desequilibrado”, explicou.
  • Diminuir o consumo de carboidratos: “como a alimentação interfere na microbiota da região íntima, pode ser necessário fazer mudanças e reduzir o consumo de carboidratos”, citou.
  • Diminuir o consumo de açúcares: a ginecologista complementou a informação anterior, dizendo que “alterações na microbiota da vagina também resultam do consumo excessivo de açúcar, assim, é preciso reduzir isso na dieta”.
  • Avaliar a retirada do DIU: “assim como o anticoncepcional, o DIU pode causar mudanças hormonais que interferem no pH vaginal. É feito um exame físico para avaliar a secreção e se o pH está muito alterado é recomendado retirar o DIU”, comentou Mariana.
  • Usar camisinha nas relações sexuais: a médica lembrou que o sêmen possui pH alcalino, então “é recomendado usar preservativo para prevenir alterações no pH da vagina quando não há a intenção de engravidar”.

Essas são algumas dicas que podem ajudar a equilibrar o pH vaginal. Para saber se o pH está saudável, é indicado observar a presença de corrimento e prurido. Por isso, visite sua ginecologista de confiança para analisar como está a secreção da região íntima.

A importância do pH vaginal se manter mais ácido

iStock

Segundo Mariana, “o pH equilibrado mantém as bactérias e fungos – que habitam a cavidade vaginal – em equilíbrio. Com isso, a pessoa fica livre de corrimentos e tudo funciona corretamente na região, inclusive a lubrificação e limpeza natural da vagina”. Ela também citou a questão da fertilidade, para mulheres que estão tentando engravidar, pois “se a paciente tem um pH alterado, o espermatozoide pode não resistir até chegar ao colo do útero para ele conseguir entrar e fecundar o óvulo lá na trompa”, finalizou.

Como você pôde acompanhar acima, o pH vaginal normal é ácido e importante para manter a saúde da região íntima. Agora que você já sabe os sinais de alteração e como equilibrar o pH, confira também a matéria sobre corrimento vaginal.

Publicidade

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.