7 causas da placenta prévia e como tratar esta complicação

Escrito por
Atualizado em 06.05.22

Freepik

A placenta prévia ou placenta baixa, como também é chamada, é uma complicação durante a gestação que pode causar riscos ao bebê e à mãe. Para falar sobre o assunto, o ginecologista e obstetra Dr. Rogério Tabet (CRM:97801), do Sistema Público de Saúde, explicou o que é, citou as causas mais comuns e indicou os tratamentos. Confira!

Publicidade

O que é a placenta prévia?

De acordo com o obstetra, a placenta prévia é a placenta de inserção baixa intrauterina, ou seja, quando a placenta está inserida total ou parcialmente na parte inferior do útero. Geralmente, essa complicação é identificada no segundo trimestre de gestação e acontece, normalmente, devido “às incidências de anormalidades e más formações uterinas”, completou. Além disso, outras causas também podem estar relacionadas conforme descritas abaixo:

7 causas mais comuns da placenta prévia

Envato

  • Muitas gestações anteriores;
  • Gestação gemelar;
  • Processos invasivos e intrauterinos;
  • Procedimentos cirúrgicos uterino, como miomectomia;
  • Curetagem pós-aborto;
  • Cesárias anteriores;
  • Casos de placenta prévia anterior.

Você já conhece as principais causas, entretanto, há alguns tipos de placenta prévia. Saiba mais a seguir!

Os tipos de placenta prévia mais comuns

O obstetra informou que existem três tipos de placenta prévia mais comuns, classificadas de acordo com a sua localização no útero, são elas:

Placenta prévia marginal

Envato

De acordo com o Dr. Rogério, a placenta prévia marginal ou lateral encosta no orifício interno do colo uterino. “O orifício interno é onde se faz contato direto com o bebê, e no orifício externo é feito o toque vaginal ou o exame de papanicolau, por exemplo”.

Placenta prévia parcial

Como explicou o obstetra, “a placenta prévia parcial é aquela que não cobre totalmente o orifício interno do colo.” Nesse caso, quando a gestante entrar em trabalho de parto, cabe uma avaliação obstétrica com a paciente para verificar qual a melhor via de parto.

Placenta prévia centro total

Envato

Publicidade

Já a placenta prévia centro total, o médico informou ser “aquela que recobre totalmente o colo uterino”. Nesse caso, é uma condição mais grave, a mulher não pode entrar em trabalho de parto e não pode ser feito nenhum tipo de exame de toque vaginal. “Em hipótese alguma pode ser realizado o toque vaginal pelo risco de sangramento”, alertou.

Após conhecer os tipos de placenta prévia, continue a leitura para conferir como identificar a condição e como o diagnóstico é feito.

Como identificar a placenta prévia

De acordo com o obstetra, “em muitos casos, é assintomático, em outros, a gestante pode apresentar um leve sangramento vermelho vivo contínuo ou intermitente sem dores”. O diagnóstico “é feito basicamente por ultrassom obstétrico ou transvaginal, porém, vale ressaltar, o exame é realizado acima de 20 semanas de gestação”, completou.

Como funciona o tratamento da placenta prévia

Envato

O Dr. Rogério explicou que não é bem um tratamento, mas, sim, a condução e evolução do pré-natal, ou seja, o obstetra avaliará qual a condição da gestante. “Nos casos em que a grávida está com a placenta centro total, a mulher não pode entrar em trabalho de parto, sendo indicado a cesariana. Agora, a placenta marginal e semitotal, o obstetra analisará as condições para um parto normal ou não”.

Além disso, dependendo do diagnóstico, que “também é feito por ressonância nuclear magnética para avaliar a profundidade da implantação placentária, pode ser necessário realizar histerectomia puerperal e transfusão de sangue”. Outro fator é a questão da prematuridade, pois “se ocorrer sangramento contínuo e houver viabilidade fetal com a vitalidade pulmonar, o parto deve ser antecipado”, acrescentou o médico.

5 cuidados que a grávida deve ter quando está com placenta prévia

Existem alguns cuidados importantes que a gestante deve tomar quando está com a placenta prévia. O obstetra citou alguns para evitar possíveis complicações. Confira:

  • Atividade física: o especialista informou que a grávida deve evitar exageros. Nesse caso, ele orientou a não fazer exercícios físicos e realizar apenas caminhadas, conforme orientação do médico”;
  • Relação sexual: segundo o Dr. Rogério, “o principal cuidado é não ter relação sexual porque há risco de descolamento e sangramento”;
  • Ficar muito tempo em pé: “permanecer muito tempo em pé é outro cuidado que qualquer gestante deve ter, sobretudo, quem está com a placenta baixa”, citou o médico;
  • Esforço físico: não é recomendado “realizar nenhum tipo de esforço físico”, alertou o especialista. Então, é necessário evitar qualquer atividade que possa desencadear sangramentos;
  • Toque vaginal: o obstetra alerta que “em hipótese alguma pode ser realizado o toque vaginal devido ao risco do sangramento. O diagnóstico deve ser feito por ultrassonografia”.

O especialista explicou que medidas como “elevar as pernas não melhoram e nem evitam o prognóstico. Já o afastamento do trabalho só é feito em casos isolados, quando é necessário a internação da paciente devido à sangramento contínuo e patologias associadas”.

Mais dúvidas sobre placenta prévia respondidas pelo obstetra

Canva

Quem tem placenta prévia pode entrar em trabalho de parto?

Publicidade

Rogério Tabert (RT): se for a placenta prévia centro total, não, é necessário realizar a cesariana absoluta. No caso da parcial e da marginal, cabe a avaliação obstétrica com a paciente em respeito à humanização e a estratégia da via de parto.

Quem já teve pode engravidar de novo?

RT: pode, sem dúvida alguma. Obviamente que a incidência em quem já teve é um pouco maior e será diagnosticada após a vigésima semana pelo ultrassom. Porém, pode haver exceções nos casos de gravidez de extrema alto risco ou abortos e má formações importantes uterinas. Enfim, em hipótese alguma, não podemos desencorajar a mulher de engravidar. Isso é humanização.

Existem riscos para a mãe?

RT: devido ao sangramento contínuo pode ser necessário realizar a cirurgia de histerectomia e as complicações pós-histerectomia puerperal pode até levar ao óbito. Não é comum, mas também pode ocorrer sangramento pós-operatório.

Existem riscos para o bebê?

RT: no caso de placenta prévia centro total, se houver sangramento contínuo, pode ser necessário realizar a cesariana e retirar o bebê prematuro. Então, o sangramento ou prematuridade é a principal causa de complicações fetais.

Como dormir?

RT: a maneira de dormir não influencia em absolutamente nada. Obviamente que toda gestante é orientada a dormir em decúbito lateral esquerdo (DLE) para evitar a compressão da artéria. Mas, a gestante pode dormir em decúbito lateral direito e de barriga para cima, de vez em quando. No entanto, o DLE é o mais comum.

É válido ressaltar a importância de realizar o pré-natal, pois, assim, é possível detectar doenças que podem afetar o desenvolvimento saudável do bebê e complicações que afetam a saúde da gestante. Aproveite e saiba mais sobre hemorroida na gravidez, quais os sintomas e como prevenir esse incômodo.

Publicidade

Assuntos: Gravidez