Como escolher o modelo de berço ideal para o seu bebê

Berço redondo, portátil, moisés... Confira as vantagens de cada modelo e o que considerar ao escolher o berço do seu pequeno

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Getty Images

Quem já é mãe sabe: escolher o modelo de berço ideal para o bebê exige atenção a vários detalhes, especialmente nos dias atuais, em que as opções encontradas no mercado são infinitas.

A escolha, é claro, vai muito além da estética! Para a arquiteta e designer de interiores Taciana Leme, os quesitos mais importantes na escolha de um berço são: segurança, conforto e funcionalidade.

Alessandra Rodrigues, arquiteta e paisagista, do Escritório Mangô Arquitetura, comenta que a escolha do berço do bebê tem relação principal com as características da família. “Podemos em um só quarto fazer diversos projetos com diferentes modelos de berço, mas é o estilo e o dia a dia dos pais que definirão qual opção está mais de acordo para o quartinho”, diz.

Berço redondo, berço portátil, berço moisés, entre muitas outras opções… Na prática, como escolher? Afinal, cada modelo tem suas vantagens e desvantagens.

Danielle Negri, pediatra da Perinatal, exemplifica: berço com trocador ou cômoda acoplada é recomendado para quartos pequenos e aproveitamento de espaço. “Miniberços permitem sua movimentação pela casa e ocupam menos espaço, entretanto, só acomodam o bebê até seis meses”, diz.

Leia também: 20 fotos emocionantes de mães amamentando seus bebês

“Alguns berços podem se transformar em minicama, o que pode ser um fator de economia no futuro e aumenta a vida útil do móvel em até dois anos. Berço portátil é bom para viagens, pode ser desmontado e montado em qualquer lugar, mas é simples. A estabilidade é reduzida e não tem acessórios como grades e estrado móvel reguláveis”, acrescenta a pediatra.

Neste contexto, abaixo, você conhece um pouco mais sobre as características dos principais modelos de berço vendidos no mercado hoje, para escolher aquele que tem mais a ver com as necessidades do seu bebê e da sua família!

1. Berço tradicional

Foto: Reprodução / Lojas KD

Maria Rosimeire Rodrigues de Souza Cruz, proprietária da Misk Decor, explica que as vantagens deste tipo de berço são seu tamanho menor (em comparação a outros modelos, como os que têm cômoda acoplada) e o fato de ser mais econômico. “A desvantagem, porém, é o fato de não virar minicama e ter um design inferior”, diz.

Para Alessandra Rodrigues, esta é a opção mais prática e rápida para quem precisa montar o quarto do bebê com agilidade. “Com dois padrões (brasileiro e americano), o importante é conferir se os berços seguem as exigências de segurança (travamento, grades arredondadas, material não descascável etc.)”, diz.

2. Berço minicama

Foto: Reprodução / Grão de Gente

Taciana explica que a diferença entre o berço tradicional e o minicama é que o segundo pode, com algumas partes desmontadas e o estrado colocado na posição mais baixa, se transformar em uma cama com as mesmas dimensões do berço, porém, mais baixa que uma cama convencional. “Sua utilidade vai depender muito do desenvolvimento individual de cada criança… Algumas, logo que começam a andar, já querem pular do berço, neste caso é mais seguro usar a minicama; outras, ficam bem no berço até mais de dois anos de idade”, diz.

Leia também: 10 corpos de mulheres após a gravidez para você observar, admirar e respeitar

Alessandra destaca que, com esse tipo de berço, as grades podem ser retiradas, o estrado abaixado e, assim, a criança terá uma caminha para até os três anos. “Busque modelos que mantenham os padrões de colchão (para facilitar a compra dos kits), que venham com manual de montagem e sem quinas para o bebê não se machucar quando começar a andar”, orienta.

3. Berço com trocador, cômoda e bicama (multifuncional)

Foto: Reprodução / Americanas

Para Alessandra, esse modelo chamado de multifuncional é uma das melhores opções. É uma cama/bicama com berço, um trocador e uma cômoda acoplada. “Ele se ajusta a quem tem um quarto pequeno, tem mais um filho no quarto, precisa de uma cama de ‘hóspedes’, quer aproveitar os móveis por mais tempo… Futuramente a cama será para o bebê maiorzinho e a cômoda se transforma em um criado-mudo… Mas fique atento! O trocador é pequeno e muitos pais ficam inseguros de usá-lo e preferem um espaço maior para caso o bebê role”, diz.

Taciana destaca que os berços com trocador e bicama são ideais para quem tem pouco espaço e precisa otimizar algumas funções em uma mesma peça.

Esse é um tipo de berço ideal para quem busca praticidade, pois é um móvel multiuso que, além de garantir conforto para a criança, tem espaço para guardar suas roupas, produtos de higiene etc. Maria Rosimeire destaca que a grande vantagem deste modelo de berço é a praticidade, já que a cômoda fica bem próxima (para pegar roupas e tudo mais).

Em relação à bicama (que fica abaixo do berço), a vantagem é também a praticidade. “Os pais podem dormir junto com o bebê, por exemplo, quando precisar”, comenta Maria Rosimeire.

Leia também: 30 ideias fofas e criativas para anunciar a gravidez

Já Taciana comenta que esse modelo de berço que inclui bicama é muito utilizado por quem precisa acomodar um bebê e uma criança em um mesmo quarto ou por quem tem uma babá.

Vale destacar que alguns modelos oferecem ainda somente o trocador junto ao berço. Esse modelo, embora não seja tão completo, oferece um conforto a mais, pois não será preciso trocar a criança em cima da cama, por exemplo.

4. Berço de balanço

Foto: Reprodução / Archi Products

Taciana comenta, primeiramente, que existem os berços de balanço tradicionais, mais antigos, que têm uma dimensão pequena e ocupam pouco espaço, porém, oferecem menos conforto e, apesar de embalarem o bebê, precisarão ser trocados com pouco tempo de uso. “E existem os ‘berços de balanço modernos’ que servem para deixar o bebê próximo dos pais durante o dia enquanto se locomovem pela casa”, diz.

Alessandra explica que os berços de balanço são confortáveis para o bebê e prático para os pais, pois podem ajudar nas noites de sono do bebê. “Alguns modelos são dobráveis, mas confira se o modelo tem travamento adequado e o limite máximo de peso/idade, para não ter risco de o bebê virar”, orienta a arquiteta.

5. Berço montessoriano

Foto: Reprodução / Moldura Pop

Alessandra explica que quarto montessoriano é um conceito que agrada muito a médicos e pedagogos, pois a ideia é deixar a criança mais autônoma no espaço em que está. “Porém, o berço traz muitas vezes uma rejeição dos pais por ficar muito próximo (ou diretamente) no chão. A melhor alternativa é escolher berços montessorianos que são ajustáveis à altura de acordo com o tamanho do bebê, podendo se tornar uma caminha tatame”, diz.

Leia também: Faça você mesma: 18 ideias DIY incríveis para facilitar a vida de mamães e papais

Para Taciana, o correto é nem dizer berço montessoriano. “Pois, dentro desta proposta do quarto montessoriano, o bebê deve ter liberdade, então, a recomendação é o uso de colchonetes protegidos por almofadas, ou logo ma cama montessoriana protegida por almofadas, que nada mais é que uma cama no chão”, diz a arquiteta e designer de interiores.

6. Berço cegonha

Foto: Reprodução / Archiexpo

Alessandra comenta que o bebê passa por uma transição da vida uterina para este novo mundo, e o berço cegonha foi feito para deixar esse momento mais suave. “Os movimentos do berço são similares ao movimento no útero da mãe, deixando o bebê mais confortável e relaxado. Feito para acolher a criança até os três meses, deve ser instalado no quarto dos pais para maior segurança”, diz.

De forma geral, esse não é um berço que terá vida longa, pois é pequeno e não oferece a segurança necessária para bebês acima de três meses, mas pode ser visto como uma alternativa para deixar o bebê pequeno ao lado da cama dos pais, não substituindo o uso de outro berço fixo.

7. Berço moisés

Foto: Getty Images

Alessandra destaca que esta é outra ótima opção para os pais terem o bebê mais próximo deles nos primeiros meses. “Confira a qualidade do produto e instalação, mas assim que notar que o bebê começou a rolar, é sinal de que precisa de mais espaço, então troque por um berço convencional”, diz.

Maria comenta que esse tipo de berço é prático e bom para os primeiros meses de vida da criança. É de fácil transporte e fica perto da mãe em qualquer lugar, mas, como no caso do berço cegonha, não tem vida longa e acaba não substituindo o berço convencional (fixo).

8. Berço portátil

Foto: Reprodução / Bebê Panda

Taciana destaca que os berços portáteis têm um ótimo custo e várias dimensões possíveis, porém, não são muito confortáveis. “Costumam ser mais utilizados para quem viaja muito ou para deixar a criança na casa dos avós. Escolha os mais leves e mais fáceis de limpar e montar”, diz.

Apesar de ser bastante interessante, não é o mais indicado para ser usado como berço permanente, pois é menos resistente e, em alguns casos, pode ser menos confortável. Seu principal objetivo é tornar a vida dos pais mais prática, pois com esse tipo de berço pode-se viajar com mais facilidade com os bebês ou, simplesmente, deixá-los dormindo em outros locais (como, por exemplo, no quarto dos pais ou casa dos avós).

Maria Rosimeire reforça que esse tipo de berço oferece fácil transporte, sendo uma opção prática para os pais acomodarem o bebê em qualquer lugar.

Alessandra alerta sobre o cuidado na hora da compra: “O cuidado nesse caso deve ser redobrado. Alguns modelos no mercado não têm o tecido respirável, podendo sufocar o bebê. Opte por modelos vazados e com as laterais firmes para não ter o risco de o bebê ficar preso”, orienta.

9. Berço redondo/oval

Foto: Getty Images

Taciana explica que, normalmente, os berços redondos são a primeira montagem de um berço oval. “Neste formato, ele costuma ser utilizado até uns seis meses de idade, depois disso costuma ficará apertado, então monta-se no formato oval”, diz.

“No formato redondo, o berço pode andar pela casa e acompanhar os pais onde estejam. Esse tipo de berço tem um custo alto, pois só pode ser fabricado em madeira, porém se transforma em quatro versões: redondo (funciona como um moisés), berço comum, minicama e ainda duas poltroninhas”, acrescenta a arquiteta Taciana.

Alessandra ressalta que, conhecidos também como “crescer”, esses berços são práticos, com rodízio e ajustáveis no tamanho para o crescimento do bebê. “O que deve ser analisado é o custo do enxoval com dois tamanhos (que não são padrão) para o berço: o redondo e o oval”, explica.

Como escolher o tipo ideal para o seu filho?

As profissionais explicam quais são os aspectos que devem ser levados em conta na hora de escolher o berço ideal para o seu bebê!

Segurança e qualidade

Foto: Getty Images

A pediatra Danielle destaca que a segurança para o bebê é o principal aspecto a ser verificado na hora de escolher o berço. “O tamanho mais comum é o padrão americano (130cm x 70cm). É importante a ausência de quinas ou pontas que possibilitem prender a roupa do bebê”, diz.

“Em relação à grade, a distância entre as grades menores deve ser menor que a cabeça do bebê (aproximadamente 6,5 cm). Entre estrado e grades laterais, a distância precisa ser menor que 2,5 cm, para evitar que a criança prenda as mãos e os pés. O colchão deve ser firme, ajustado ao tamanho do berço”, destaca a pediatra.

Danielle acrescenta que o berço deve permitir regulagem da altura do colchão e possuir selo do Inmetro. “Grades móveis, mesmo de um lado somente, hoje são contraindicadas. Rodízios, se presentes, devem ter travas”, diz.

A arquiteta Taciana recomenda dar preferência a berços que não tenham peças pequenas que se soltem, com quinas arredondadas e que se movimentem com firmeza. “A função de diferentes alturas para o estrado permitem que você mude a altura do mesmo conforme o bebê vai crescendo, facilitando que ele seja colocado no berço quando recém-nascido e evitando que ele pule do berço quando maiorzinho”, diz.

“Verifique se o fabricante tem boa procedência e certificação do Inmetro… Existem algumas medidas entre grades e alturas que devem seguir a norma”, ressalta Taciana.

Tamanho do berço e disponibilidade de espaço

A arquiteta Taciana recomenda verificar sempre as dimensões do berço, pois elas não são padrão. “A maioria dos berços vendidos no Brasil é padrão americano… Optando por este tamanho você não terá dificuldades em encontrar o colchão e os acessórios para o seu berço”, diz.

Danielle reforça que tamanho e disponibilidade de espaço devem ser considerados de acordo com o quarto do bebê.

Não adianta, afinal, comprar um berço enorme e não ter disponibilidade para circular no quarto, por exemplo.

Conforto e funcionalidade

Pense em características que oferecerão mais conforto para o bebê e também para a rotina dos pais.

Taciana comenta que um item bacana de conforto é grade móvel, que permite que você coloque o bebê no berço de forma tranquila e confortável. “Mas tome cuidado ao escolher este item: teste bem as travas da grade para não correr o risco dela se soltar”, diz.

Os berços que oferecem trocador e cômoda acoplados, por exemplo, oferecem um conforto a mais, pois os pais já têm lugar fácil para trocar o bebê e ainda pegar com facilidade todos os itens necessários (que estarão guardados ali na cômoda).

Preferências para o quarto do bebê e particularidades da família

Foto: Getty Images

O quesito segurança é essencial, mas os demais aspectos estão mais relacionados às particularidades e preferências de cada família. A arquiteta Alessandra destaca algumas perguntas que devem ser respondidas na hora de escolher o modelo de berço ideal:

1. “Quantos bebês teremos?”: quarto de gêmeos, trigêmeos, muitas vezes, fica pequeno para todo mobiliário que precisa. Por isso, a melhor opção são os modelos “crescer” (redondo/oval), que se adaptam de acordo com o tamanho do bebê, facilitando no layout e até deslocamento pela casa (alguns vêm com rodinhas).

2. “Terá mais de uma pessoa dormindo no quarto (bebê + irmão/ babá/ avós/ pais)?”: é importante pensar se o espaço comporta berço + cama + armário. “Quando o quarto fica pequeno para tudo isso, optamos pelos berços multifuncionais, que integram berço + bicama + trocador”, explica Alessandra.

3. “Terá poltrona no quarto?”: muitas mães preferem amamentar na cama ou mesmo no sofá, deixando de ser essencial a poltrona. “Nesses casos, é interessante ter uma cama auxiliar confortável para esse momento especial e até para a mamãe ou papai dormirem mais perto do bebê”, diz a arquiteta.

4. “O quarto terá um armário só para as coisas do bebê?”: se o quarto não tem um armário planejado, é interessante escolher berço que tem conjunto de quarto com guarda-roupa e cômoda. Isso facilita na organização e deixa mais charmoso, conforme explica Alessandra.

5. “Quanto será investido?”: montar o quartinho do bebê faz parte desse momento especial da gestação, mas isso tem custo. “Alguns berços já são preparados para receber o bebê por muito tempo, se tornando caminhas e bicamas. É essencial essa análise para que o quarto fique confortável por mais anos sem precisar gastar mais”, orienta a arquiteta.

“Com todas essas definições, fica mais fácil para escolher o modelo do berço: colonial, provençal, moderno… Apenas pense que todos os móveis devem se comunicar, então escolha um conceito para o quarto todo”, finaliza Alessandra.

Uma seleção de berços para comprar online

Já decidiu qual modelo de berço encaixa-se melhor no quarto do seu bebê? Inspire-se com várias opções que você encontra à venda na internet.

Berço portátil por R$302,99 na Americanas

Berço minicama por R$302,99 na Americanas

Berço com cômoda por R$348,90 na Americanas

Berço americano minicama por R$362,99 na Americanas

Miniberço moisés por R$203,30 na Bebê Store

Berço Provence por R$1.820 na Misk Decor

Berço desmontável por R$399 na Walmart

Berço cama de madeira por R$1.459 na Tulipa Baby

Berço americano minicama por R$509 na Walmart

Para comprar com segurança, pesquise, analise todas as características (vantagens e desvantagens) dos modelos, procure por marcas de procedência e consulte, se possível, um arquiteto que ajudará você na escolha ideal para a sua casa.

Assuntos: Bebês

Dicas pela Web
Comentários