Circuncisão em bebês: saiba mais sobre o procedimento e quando fazer

Escrito por Lia Nara Bau

Foto: iStock

As mamães, via de regra, começam a se preocupar com a saúde de seus rebentos desde a gestação. Mamães de bebês meninos podem ter uma preocupação extra: a fimose, que é a incapacidade de expor a glande do pênis, pois a pele que o recobre não tem abertura suficiente.

Inicialmente, o pediatra pode indicar o uso de uma pomada específica mas, caso o problema persista, pode-se recorrer à cirurgia, que é chamada de circuncisão.

Você sabe quando é recomendado e como é feito esse procedimento? Descubra:

Procedimento

Foto: iStock

O neuropediatra Clay Brites explica que circuncisão é um procedimento também chamado de postectomia ou amputação do prepúcio. Trata-se, justamente, da retirada do prepúcio, uma pele que cobre a glande peniana.

Culturalmente e religiosamente ele também pode ser retirado. Na tradição judaica, por exemplo, o procedimento corresponde ao batismo católico e é feito com os bebês recém-nascidos.

Cerca de 80% dos recém-nascidos meninos têm a glance protegida pelo prepúcio e é normal que nos primeiros anos não possa se retrair. Quando a fimose persiste, a circuncisão é indicada, normalmente após os 2 anos de idade.

O procedimento em bebês é bastante simples. É utilizada anestesia local e leva cerca de dez minutos. Em crianças, é recomendada a anestesia geral. Pode-se ir para casa no mesmo dia e a cicatrização ocorre em uma semana.

Benefícios

  • 12 vezes menos chances de apresentar infecção do trato urinário.
  • 10 vezes menos chances de desenvolver câncer de pênis.
  • Homens circuncidados adquirem e transmitem menos HPV.
  • Países onde os meninos são circuncidados ao nascer têm menores índices de câncer de colo do útero. Isso está diretamente ligado com a higiene da glande.
  • Menos chances de adquirir doenças sexualmente transmissíveis.
  • Índices 15% menores de risco de câncer de próstata.
  • Pode prevenir dores no momento de urinar.

Pra quem é indicado?

Foto: iStock

Atualmente, não há um consenso sobre a recomendação da circuncisão. Isso porque a fimose desaparece com o tempo na maioria dos casos.

Segundo a Academia Americana de Pediatria, entretanto, “existem evidências científicas demonstrando potenciais benefícios médicos da realização da circuncisão em recém-nascidos do sexo masculino, porém, não há uma recomendação na circuncisão de rotina nos bebês”.

No Brasil, o número de meninos circuncidados ao nascimento é muito baixo. Já outros países têm adotado como recomendação. Nos Estados Unidos, 65% dos bebês do sexo masculinos são circuncidados e, no Canadá, 48%.

A partir dos 4 meses, os pais podem, na hora do banho, fazer um suave tração do prepúcio, mas com cuidado para não machucar. Mais tarde, pode-se indicar o uso de uma pomada com corticoide, que promove o relaxamento do anel e permite a exposição da glande.

Quando esses métodos não forem suficientes, indica-se a circuncisão.

Riscos

Foto: iStock

A circuncisão é um procedimento simples que praticamente não oferece riscos. Contudo, como é uma cirurgia, sempre podem ocorrer infecções ou pequenas hemorragias.

Mas Brites enfatiza que, normalmente, “é um procedimento de pequeno risco de complicações e indica-se somente depois que a criança sair das fraldas“.

Cuidados nos pós-operatório

Foto: iStock

No pós-operatório, deve-se evitar esforços físicos, como a prática de esportes, por exemplo.

“Deve-se manter a região limpa e bem aerada, e proteger para a criança não manipular, mexer”, esclarece Brites.

A higienização deve ser feita com água e sabão e, em casos de dor, há o controle com analgésicos, conforme orientação médica. O médico também pode indicar o uso de curativo no local e o uso de pomada cicatrizante e não aderente.

A circuncisão é um procedimento que merece atenção e orientação de profissionais. Procure um médico para ter certeza de que ela é indicada para seu filho.

Assuntos: Bebês

Para você