Entretenimento

O talento e originalidade de Leticia Bufoni no skate feminino

Leticia Bufoni

Atualizado em 25.07.22

Única menina no meio de muitos meninos, Leticia Bufoni passou por muitas dificuldades até ser respeitada nas pistas de skate onde andava em São Paulo. A coragem da paulista de Vila Matilde a fez alcançar o mais alto patamar do skate mundial, inspirando milhares de garotas a impulsionar o esporte feminino. Conheça sua trajetória!

Publicidade

Criada em Vila Matilde e radicada nos Estados Unidos

Leticia Bufoni e Silva é natural de São Paulo e cresceu no bairro Vila Matilde. Nascida em 13 de abril de 1993, quatro anos depois da prefeita da época, Luiza Erundina, liberar a prática de skate na capital paulista. Começou a andar pelas pistas da zona leste aos 9 anos e se dividia entre o skate, futebol e kart. Aos 10 anos, foi chamada para jogar no time da Juventus, no bairro da Mooca.

Mesmo sozinha e sem saber falar em inglês, ela se mudou para os Estados Unidos aos 14 anos para tentar a sorte no skate. Com o apoio da família, Leticia se estabeleceu no estado onde o esporte teve origem, Califórnia. Dois anos após a mudança, foi convidada a participar da copa Maloof Money, uma competição anual voltada para skatistas amadores e profissionais. Leticia foi a vencedora e faturou 25 mil dólares. Em 2010, ela participou de seu primeiro X-Games, considerado o maior evento de esportes radicais, ficando em segundo lugar na categoria Street.

X-Games, Street League e Olimpíadas

A carreira profissional de Leticia Bufoni começou nos X-Games de verão e sua primeira medalha de ouro veio em 2013, em uma edição realizada em Foz do Iguaçu. Até 2021, ela já havia conquistado 6 medalhas de ouro. A primeira liga de skate profissional, a SLS, foi criada somente em 2010, enquanto os X-Games acontecem desde 1995. A categoria feminina iniciou em 2015 e a primeira campeã mundial de skate street foi Leticia Bufoni, enquanto, do lado masculino, Kelvin Hoefler foi o campeão. Os dois protagonizaram uma rivalidade nos Jogos Olímpicos de Tóquio anos depois, demonstrando não existir um clima muito amigável entre os dois campeões mundiais.

A primeira vez que o skate entrou como esporte olímpico foi nas Olimpíadas de Tóquio-2020, tanto na modalidade park quanto street. Ao lado de Pâmela Rosa e Rayssa Leal, Leticia integrou o time feminino no street. Kelvin Hoefler, Felipe Gustavo e Giovanni Vianna integraram o time masculino. Kelvin e Rayssa faturaram ambos a medalha de prata, enquanto Leticia garantiu o sétimo lugar.

Pioneira do skate feminino

Quando começou a andar de skate, Leticia não tinha em quem se espelhar. Antes dela, somente Larissa Carollo e Karen Jonz haviam despontado no esporte, mas sem muito reconhecimento. Quando começou a ganhar competições e as empresas investiram nela, Bufoni passou a se tornar um símbolo no skate feminino. Em entrevista à Forbes, ela declara: “Meu papel é incentivar mais meninas a andar de skate, a ganhar medalhas e a continuar competindo e evoluindo”.

Como resultado dos seus feitos, ela foi eleita a Personalidade do Ano de 2009, pela revista Época, ao lado de Ronaldo Nazário. Além dessa premiação, a esportista entrou para a lista de mulheres mais poderosas do esporte em 2018, em lista feita pela Forbes. Leticia Bufoni é referência do skate feminino no Brasil e no mundo.

10 curiosidades sobre a princesa do skate

Você sabia que, além do skate, Leticia ainda é entusiasta de esportes radicais? E de automobilismo? Vem saber mais sobre essa paulista conhecida como “princesa do skate”:

1. Seu pai quebrava seus skates

Leticia Bufoni

Publicidade

Além da rejeição sofrida na pista por parte dos meninos que ali também andavam, Leticia contou ao The Players’ Tribune como seu pai lidou com seu desejo de andar de skate, quebrando a peça para ela nunca mais andar. “Então, pai, vou te desobedecer desta vez. Eu não sei qual será a sua reação. Um amigo me empresta um shape velho e outro me passa umas rodinhas usadas. Quando chega em casa, no dia seguinte à destruição do skate, você descobre que não tem como me fazer desistir. Então, você é quem vai se render”.

2. Maior medalhista feminina da história dos X-Games de verão

O recorde de 6 medalhas de ouro em edições de verão dos X-Games rendeu um lugar no Guinness World Records, em que Leticia é a maior medalhista feminina da história dos jogos. Ela ainda possui 3 medalhas de prata e 3 de bronze em sua coleção, ganhando espaço no esporte feminino.

3. Tem uma pista de skate em casa

Com o desejo de ter uma pista própria para treinar para as competições, Leticia construiu uma no quintal de sua casa em Los Angeles. Inspirada em diversos picos por onde manobrou, a pista conta com corrimão, escada e transições de madeira. Isso também mostra que a união entre paixão e dedicação é a chave para os resultados da esportista.

4. Tem a própria marca de shapes para skate

Ao lado da skatista britânica Sky Brown, Bufoni fundou sua marca de shapes para skate, a Monarch Project. O projeto surgiu a partir do desejo de assumir o controle de sua carreira e tomar todas as decisões por trás do processo. “É bom finalmente ter o controle”, afirma Bufoni na descrição do site da marca, “e poder decidir como minha imagem é retratada por meio de uma marca de placa é muito importante para mim”.

5. Surfista no tempo livre

A facilidade de fazer manobras no skate a levou até a prancha de surf e fazer manobras radicais na água. Em seu tempo livre, Leticia surfa em Guarujá, cidade onde tem casa no Brasil, com a companhia de amigos, como os surfistas Gabriel Medina e Pedro Scooby.

6. Personagem no Tony Hawk’s Pro Skater 5

Tony Hawk, o maior skatista de todos os tempos, possui sua própria série de jogos digitais voltados para o skate. A história do jogo conta com a presença de diversos skatistas que fizeram história, como Nyjah Huston, Chris Cole e Andrew Reynolds. Leticia se tornou personagem da quinta edição, o Tony Hawk’s Pro Skater 5. Em 2020, ela foi convidada para fazer parte do Tony Hawk’s Pro Skater 1 + 2, com a trilha sonora da banda Charlie Brown Jr.

7. Amizade com Rayssa Leal

Quando a skatista Rayssa Leal ficou conhecida como a “fadinha do skate”, ela revelou que seu maior sonho era conhecer sua ídola, Leticia Bufoni. O encontro das duas foi organizado pelo Globo Esporte e, desde então, Leticia passou a ser como uma “mãe” no skate para Rayssa. Elas possuem um carinho especial uma pela outra e demonstram sempre a torcida mútua nas competições e redes sociais.

Publicidade

8. Leticia Let’s Go

A Globoplay lançou uma série sobre a vida da atleta. Com o nome Leticia Let’s Go, os episódios mostram a vida da campeã dos X-Games, seu dia a dia, sua rotina de treinos, amigos, família e aventuras. O seriado contém apenas 3 temporadas e os episódios não passam de 30 min, sendo uma ótima opção para maratonar nos finais de semana. Além da Globoplay, você pode assistir a série pelo Vivo Play e Apple TV.

9. Primeira mulher a ter patrocínio da Nike Skateboarding

A Nike Skateboarding é um braço da gigante empresa de material esportivo voltada para skatistas. Leticia Bufoni foi a primeira mulher a entrar para o time. Ela também foi a primeira mulher a ter um shape com seu nome, com o apoio da empresa Plan B. Em 2021, ela lançou sua linha de tênis, a SB Zoom Verona, criada em parceria com a Nike. O tênis rosa com o nome da skatista nos calcanhares vendeu 18 mil pares antes mesmo de seu lançamento oficial nos Estados Unidos.

10. É apaixonada por carros e motos

Além da paixão por esportes radicais, Bufoni sempre teve atração por carros e corridas. Ela possui sua própria minicoleção de carros de luxo e esportivos, além de motos. Quando pode, assiste aos GPs de Fórmula 1 bem de pertinho, como em Miami e Interlagos.

Uma das mulheres mais poderosas do mundo esportivo levou o Brasil para o lugar mais alto do pódio diversas vezes e abriu as portas para outras garotas se inspiraram a ir atrás dos seus sonhos. São essas representatividades que quebram as barreiras, conquistando espaços e alcançando equidade de gênero nos esportes.