Do Brasil para o mundo, Rayssa Leal conquista títulos como gente grande

Escrito por                    
Atualizado em 21.06.22

Por
Atualizado em 21.06.22

Em busca de equidade de gênero nos esportes, as mulheres estão lutando cada vez mais por destaque e respeito. Um desses exemplos é a skatista Rayssa Leal, considerada ícone do esporte no Brasil. A maranhense de Imperatriz viralizou na internet ao andar de skate vestida de fada com apenas 6 anos, e logo mais, com 13, conquistou o coração dos brasileiros ao se tornar medalhista de prata na modalidade skate street nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Confira um pouco sobre a trajetória da campeã!

Publicidade

Índice do conteúdo:

Quem é Rayssa Leal?

Nascida em Imperatriz, no Maranhão, Jhulia Rayssa Mendes Leal ganhou o primeiro seu primeiro skate aos seis anos. Por meio de um vídeo que viralizou na internet feito por sua mãe, no qual ela estava andando pelas ruas de sua cidade natal enquanto realizava manobras vestida com uma fantasia de fada, a menina ganhou a atenção da mídia.

O vídeo chegou até a lenda do skate, Tony Hawk e foi repostado pelo mesmo com a legenda: “Eu não sei nada sobre isso, mas é incrível: um salto de conto de fadas no Brasil por Rayssa Leal”. A repercussão a levou até o programa Esporte Espetacular, onde teve a chance de conhecer sua grande inspiração no esporte, Letícia Bufoni, além de receber seu apelido: a fadinha do skate.

Aos 7 anos, viajou 2.800 km com a mãe para competir no Campeonato Brasileiro de Street Skate Mirim em Blumenau, Santa Catarina. A maranhense saiu como primeira campeã brasileira de skate mirim. Desde então, competiu em campeonatos a níveis internacionais, chegando a conquistar etapas da SLS, a primeira e maior liga de skate street. Após conquistar a etapa de Los Angeles em 2019, ela se tornou a atleta mais jovem a ganhar uma etapa do mundial e garantiu sua vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

As Olimpíadas de Tóquio 2020 inauguraram a presença do skate na maior competição atlética do mundo. Dividido em dois formatos, skate street e skate park, o Brasil foi representado por 12 atletas, sendo metade mulheres, e conquistou 3 medalhas de prata. Kelvin Hoefler no street masculino, Pedro Barros no park masculino e Rayssa Leal no street feminino. Rayssa se tornou a atleta mais jovem a participar da delegação brasileira e a mais jovem medalhista brasileira aos 13 anos.

O impacto de Rayssa Leal no skate feminino

Rayssa Leal

Publicidade

Rayssa marcou seu nome na história mundial do skate e do esporte. A menina que era vítima de piadinhas na escola por andar de skate, considerado esporte de “menino”, virou ícone de milhares de meninas que sonham em ser como ela.

Rayssa representa uma geração de mulheres que brilham no esporte e que chegaram ao lugar mais alto do pódio após décadas de repressão. Até o final dos anos 70, as mulheres eram proibidas de praticar qualquer atividade física. Uma menina negra, vinda do interior do Maranhão tem o poder de influenciar outras meninas e mulheres a ocuparem lugares socialmente ocupados por homens.

Além disso, a atleta trouxe uma grande visibilidade ao skate, esporte que por muito tempo não foi considerado esporte e que era até proibido em cidades como São Paulo, sendo marginalizado e visto com maus olhos. O orgulho brasileiro anda de skate e tem como lema: “se você pode sonhar, você pode realizar”.

10 curiosidades sobre Rayssa Leal, a fadinha do skate

Além de suas conquistas, Rayssa vem chamando a atenção por seu carisma e a motivação que a acompanha a cada competição. Descubra as curiosidades da campeã do skate:

1. Aos 10 anos foi patrocinada pela Nike

Em sua entrevista para o Esporte Espetacular, Rayssa usava seus tênis da Nike que já estavam com alguns furos e rasgos. A empresa viu e decidiu enviar novos modelos para ela. A parceira deu tão certo que Rayssa virou uma das mais jovens atletas mulheres a serem patrocinadas pela marca.

2. Foi indica ao Oscar do esporte

Em 2020, Rayssa foi indicada ao Prêmio Laureus, considerado o Oscar do esporte mundial, na categoria “Melhor Atleta de Ação”. O prêmio foi dado a Chloe Kim, atleta norte-americana de snowboard, mas Rayssa deu um show no tapete vermelho vestida de fadinha.

3. A amizade com Letícia Bufoni

Letícia Bufoni é considerada uma das maiores skatistas da história e pioneira do skate feminino no Brasil. Seus feitos contagiaram uma menina no interior do Maranhão que tinha o sonho de se tornar uma grande skatista como ela. Após o encontro das duas no Esporte Espetacular, é possível encontrá-las juntas para além das competições, como em viagens de férias, tamanha a amizade que criaram. Elas se chamam carinhosamente de mãe e filha!

4. Maior nota da história entre as mulheres no skate

Na etapa da SLS em Salt Lake City, Rayssa brilhou na pista e chegou as finais. Disputando o primeiro lugar da competição contra a japonesa Funa Nakayama, medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a brasileira precisava de uma nota 8,2 para se consagrar campeã. Uma nota, até então, nunca conquistada por uma mulher na história da competição. Em sua última manobra, Rayssa Leal conquistou a maior nota entre as mulheres: 8,5. A emoção foi tão grande que seus amigos Felipe Gustavo e Letícia Bufoni invadiram a pista antes mesmo do veredito final.

Publicidade

5. Prêmio Espírito Olímpico

Através de uma votação online promovida pelo COI (Comitê Olímpico Internacional), Rayssa Leal foi eleita a atleta que melhor representou o Espírito Olímpico no Japão em 2021. A maranhense concorreu por seus momentos de amizade com a japonesa Momiji Nishiya, que ganhou a medalha de ouro enquanto Rayssa ficou com a prata. Ela desbancou a norte-americana Simone Biles, grande atleta da ginástica artística que optou por priorizar sua saúde mental a competir em todas as provas nos Jogos. Além do prêmio, a skatista ganhou o direito de eleger uma instituição para receber cerca de 260 mil reais. A escolhida foi a ONG Social Skate, referência no Brasil no uso do skate como ferramenta de inclusão social.

6. Foi eleita a skatista do ano em 2021

O ano de 2021 celebrou os maiores feitos da carreira de Rayssa: medalhista em Tóquio, campeã de duas etapas da SLS, vice-campeã mundial e campeã da STU Open Rio. Para fechar com chave de ouro, Rayssa foi eleita a skatista do ano pela Confederação Brasileira de Skate.

7. Comandou mutirão para reformar pista de skate

A única pista de skate da cidade de Imperatriz, onde Rayssa nasceu e ainda mora, está situada na praça Mané Garrincha. Após diversos pedidos e reclamações ao poder público, os skatistas realizaram uma vaquinha e compraram materiais para tapar os buracos na pista. Em uma postagem em suas redes sociais, Leal conta que: “Infelizmente nada muda, essa é a situação da nossa pista. Só quem anda de skate sabe que um buraco desses pode causar uma ida ao hospital”.

8. Já tem mais de 6 milhões de seguidores no Instagram

Antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio começarem, a fadinha do skate contava com cerca de 600 mil seguidores em sua conta no Instagram. No primeiro dia da competição, ela já contava com 3,36 milhões de seguidores. Ao final, mais de 6 milhões de pessoas a acompanhavam em sua principal rede social.

9. Foi capa da Vogue

Em uma edição especial de novembro com a joalheria HStern, Rayssa deixou de lado a roupa de fada e deu lugar as joias da marca para ser capa da Vogue Brasil.

10. Lançou seu próprio tênis

Lançado em parceria com a Nike, o “Nike SB Zoom Verona Slip x Rayssa Leal” foi inspirado no vídeo que viralizou em 2015 e mostrou o potencial de Rayssa Leal ao mundo. Em uma coloração azul, imitando as nuvens e o vestido de fada que ela usava, o tênis ainda conta com a frase “If you can dream, you can do it” em sua palmilha, expressão que tem muito significado para a skatista.

Aos 13 anos, Rayssa já conquistou bastante coisa e ainda tem muito a brilhar. Enquanto ela se prepara para arrasar em sua próxima competição, que tal se conferir a história de mais uma mulher superimportante no esporte brasileiro? A rainha Marta.

Publicidade

Assuntos: Esportes