Transfobia: o que você precisa saber sobre o preconceito para combatê-lo

Escrito por
Em 15.07.20

iStock

Existem muitos preconceitos enraizados em nossa sociedade, sobre os quais devemos debater a fim de não reproduzi-los. A transfobia é um deles! Nesse sentido, preparamos esse artigo com informações sobre ela para que você se informe e possa ajudar no combate desse mal. Confira!

Continua após o anúncio

O que é transfobia?

Pessoas transexuais e transgênero são aquelas que não se identificam com seu sexo e gênero de nascença. Ser um homem ou mulher trans é o contrário de ser um homem ou mulher cis. Estes, por sua vez, se identificam com o sexo biológico e gênero em que nasceram.

Segundo o dicionário, transfobia é o preconceito contra os transexuais ou pessoas transgênero. Em suma, é toda forma de discriminação ou violência contra pessoas trans por sua identidade de gênero.

Causas da transfobia

Você já parou para pensar no porquê de a transfobia acontecer? Existem causas principais que, juntas, resultam em uma forma de opressão quase que inabalável. Por isso, é importante conhecer essas causas e evitá-las. Olha só:

  • É uma questão estrutural: uma razão evidente de esse preconceito acontecer é a cultura da “heterocisnormatividade”, que julga como adequado apenas relações heteroafetivas entre pessoas cis. Isso exclui completamente pessoas trans e de diferentes orientações sexuais.
  • Falta de conhecimento: a desinformação nos leva a reproduzir comportamentos transfóbicos sem questioná-los.
  • Questões religiosas: muitas formas de preconceito se relacionam à religião. Isso porque, em alguns casos, o pensamento cristão vigente em nossa sociedade desaprova decisões diferentes das consideradas corretas. Nesses casos, a transexualidade é vista como “um desvio de como as coisas deveriam ser”.
  • Contrariando estereótipos: tende-se a lidar melhor com o que é “comum”. Por isso, quando alguém se manifesta diferente do considerado normal, contrariando os estereótipos de masculino e feminino cis, por exemplo, sua postura é tida como errada.

Essas são apenas algumas das causas. Devemos entender que é um problema enraizado, ou seja, tem diversas origens e motivações. Vale lembrar que reconhecer e compreender as causas da transfobia é importante, mas não a justifica!

Como combater a transfobia

Não restam dúvidas de que algo deve ser feito, não é? Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), os países têm a obrigação de combater a transfobia. Quer saber como fazer a sua parte? Acompanhe esses passos simples, mas que podem auxiliar na luta contra esse preconceito.

Dicas de Mulher

1. Se informe

Obter conhecimento sobre o tema é imprescindível! Assim, você é capaz de entender melhor a causa e não reproduzir atos transfóbicos.

2. Se posicione

Presenciou uma situação opressora? Faça algo! Ouviu uma piada transfóbica? Repreenda! Não podemos nos calar diante de situações como essa: o preconceito deve ser questionado e debatido sempre!

Continua após o anúncio

3. Dê oportunidades

É comum, para pessoas trans, a dificuldade de conseguir emprego devido ao preconceito. Pelo mesmo motivo, ocorre grande taxa de evasão escolar entre a população trans. Caso você possa, empregue e dê visibilidade a essas pessoas!

4. Não seja invasiva

Quando estiver diante de uma pessoa trans, não faça perguntas inapropriadas referentes ao seu sexo ou à cirurgia de redesignação sexual. Você está diante de um homem ou mulher, apenas. Sem rótulos!

5. Eduque as crianças

Sabe-se que a educação é um ponto importante na desconstrução de pensamentos limitantes e ultrapassados. Por isso, seja responsável para que as crianças ao seu redor tenham uma visão livre de preconceitos.

É um dever diário evitar que comportamentos transfóbicos se reproduzam. Faça a sua parte e atue na conscientização do preconceito. Lembre-se: não é preciso ser trans para lutar pela causa!

Transfobia no Brasil

O Brasil é o líder no ranking mundial de países que mais matam transexuais e travestis. Vale lembrar da subnotificação de casos, ou seja: a realidade pode ser muito pior do que os dados oficiais mostram. Apesar de a transexualidade não ser mais considerada uma doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ela ainda é patologizada.

Os direitos trans no Brasil

Segundo a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5°, “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes.” Podemos ver, portanto, que não deve existir distinção entre transexuais e outras pessoas, tendo todos os mesmos direitos.

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF), órgão máximo do poder judiciário no Brasil, decidiu enquadrar a transfobia como um crime de racismo. Após tal decisão, a transfobia e a homofobia passaram a integrar o rol de discriminações punidas pela lei 7.716/1989.

Ainda, uma conquista das pessoas trans é a garantia de seus nomes sociais. Devemos respeitá-los e nos referir a cada um conforme o nome e o pronome que este preferir.

É importante entender que a transfobia é uma realidade em nosso país. Apesar dos direitos já conquistados, as pessoas transexuais enfrentam batalhas e discriminações todos os dias e ainda estão à margem da sociedade.

Frases transfóbicas que você deve evitar

iStock

Continua após o anúncio

Muitas vezes, ouvimos e até repetimos frases que atingem a população trans. Em alguns casos, sem nem saber. Confira essas 10 frases transfóbicas para não repetir e nem normalizar a transfobia:

Você é homem ou mulher?

Essa é uma pergunta invasiva ofensiva. Além disso, fazendo tal questionamento, você elimina a população não binária (que não se identifica com o gênero masculino nem feminino).

Você é tão bonita/o, parece até mulher/homem de verdade

Mulheres trans não são mulheres de mentira! Assim como os homens trans também não são.

Nem parece que você é mulher/homem

Dizer a um homem trans, por exemplo, que “nem parece que ele é mulher” é extremamente ofensivo. Isso porque ele é um homem, e não uma mulher.

Você virou mulher/homem?

Não, ninguém “virou” mulher/homem. Sempre foi!

Você não pode usar esse banheiro

Continua após o anúncio

Esse comentário é muito transfóbico, já que mulheres trans são mulheres como quaisquer outras e, por isso, têm direito ao uso do banheiro feminino. O mesmo vale para os homens.

Você me enganaria

Pessoas trans não têm como objetivo enganar ninguém. Afinal, sua identidade de gênero não é uma fantasia, é quem ela/ele é!

Sem útero, sem opinião

Essa é uma frase utilizada por mulheres em assuntos que dizem respeito às pessoas do sexo feminino. Parece inofensiva, mas exclui as mulheres trans.

Como é seu nome verdadeiro?

Você deve se referir à pessoa com o nome que ela quiser. Se ela não quer ser chamada pelo nome de registro, respeite.

Você fez a cirurgia?

Isso é muito invasivo, além de que a cirurgia não faz ninguém ser mais mulher/homem. Uma mulher trans, por exemplo, é uma mulher, independente de sua genitália.

Virou mulher para ficar com homem

Primeiramente, ninguém virou mulher! Além disso, orientação sexual é diferente de identidade de gênero.

Você já deve ter ouvido alguma dessas frases, não é? Se atente para não reproduzi-las!

Vídeos sobre transfobia

Quer saber mais? Separamos vídeos que podem te ajudar a entender melhor essa realidade. Dê uma olhada!

A triste realidade por trás da transfobia

Daniela Andrade, uma das principais ativistas trans do Brasil, fala sobre a realidade de quem sofre esse preconceito. É um vídeo duro, mas muito necessário!

Debatendo sobre esse preconceito

Aqui, você encontra a explicação do que é transexualidade, orientação sexual, entre outros. Além disso, o vídeo conta com um debate muito rico acerca do tema.

Relatos de pessoas trans

Nesse vídeo, você encontra relatos de situações transfóbicas. É importante para refletir e repensar nosso papel social. Acompanhe!

Transfobia é coisa séria, não se omita diante desse mal! Comece fazendo a sua parte: escute pessoas trans, debata sobre o preconceito e os direitos trans em nosso país. Leia sobre responsabilidade afetiva e entenda a importância de agir com cuidado ao próximo!

Assuntos: Relacionamentos