Fatos sobre a bissexualidade para conhecer e mitos para quebrar já

Escrito por
Em 05.11.19

Talitta Cancio

A bissexualidade é uma daquelas palavras que todo mundo acha que sabe o que significa, mas no final descobre que não. Assim, muitos acabam apenas reproduzindo estereótipos e inverdades. Para entender melhor o termo, confira as informações de uma psicóloga e esclareça suas dúvidas sobre o assunto.

Continua após o anúncio

Índice do conteúdo:

O que é bissexualidade

De acordo com a psicóloga Yasmin Modesto (CRP O8/28759), a bissexualidade é uma orientação sexual onde há interesse em relações afetivas, sexuais ou amorosas com pessoas do mesmo gênero ou gêneros diferentes. Ademais, a profissional também explica que “seguindo a linha psicanalítica, Freud define que todos os seres nascem bissexuais. Posteriormente, se identificam em sua individualidade com o(s) gênero(s) capazes de lhes gerar prazer”.

10 fatos e mitos sobre a bissexualidade

A bissexualidade ainda é cercada de preconceitos e mitos, não só por se tratar de relações que não são consideradas dentro da hétero e cisnormatividade, mas também por sofrer discriminações dentro da própria comunidade LGBT. Nesse sentido, veja a seguir uma lista dos fatos e mitos sobre o tema:

  1. “Os bissexuais são indecisos, têm questões mal resolvidas ou relações incompletas” Mito. Se para algumas pessoas está tudo bem sentir atração por pessoas de diferentes características físicas, para os bissexuais isso apenas inclui gênero.
  2. “Os bissexuais são promíscuos” Mito. Segundo a psicóloga, existe uma idealização de relações a três envolvendo bissexuais e diversas construções pornográficas. Todavia, ela afirma que isso não passa de um estereótipo. Ou seja, qualquer um pode ser promíscuo, independente da orientação sexual.
  3. “Os bissexuais podem ter relações monogâmicas e demonstrar fidelidade” Fato. Assim como no caso de qualquer pessoa, o comportamento dos bissexuais é variado. Ou seja, quem é bi pode ter relações casuais, de longa data ou passar a vida toda sem nenhum parceiro.
  4. “Os bissexuais são homossexuais que não se aceitam por completo” Mito. Quem disse que as pessoas precisam estar em caixinhas, e que só existe a da heterossexualidade e a da homossexualidade? A bissexualidade é uma orientação sexual também. Ela existe e é legítima.
  5. “Existe uma invisibilização dos bissexuais” Fato. Isto é, os bissexuais não são gays, lésbicas ou héteros. São bissexuais. Além do preconceito, a psicóloga explica que as pessoas não acreditam que os bissexuais realmente existem.
  6. “Os bissexuais também têm riscos de saúde mental” Fato. Em suma, a psicóloga afirma que a invisibilização e outras questões da sexualidade podem causar abalos na autoconfiança e prejudicar a saúde mental desses indivíduos.
  7. “Os bissexuais não sofrem em um relacionamento hétero” Mito. Só para exemplificar, a profissional relata que dentro de sua prática clínica, observa o estereótipo de que bissexuais não são fiéis ou estão em constante hiperssexualização. Mesmo em um relacionamento hétero, existem relatos de abusos devido à bissexualidade.
  8. “A bifobia existe e tem um custo alto para os bissexuais” Fato. Ou seja, bissexuais também são agredidos e sofrem violência psicológica.
  9. “Existem relatos de bifobia dentro da própria comunidade LGBTQ+” Fato. Apesar da letra B ser relacionada à bissexualidade, o preconceito com os bissexuais acontece dentro da própria comunidade LGBT. Isso porque existe a invisibilização dos bissexuais e a descrença quanto à orientação sexual dessas pessoas.
  10. “Ser bissexual não é trair o ativismo/comunidade gay ou lésbica” Fato. Nesse sentido, dizem que bissexuais se passam por héteros quando lhes é conveniente e que isso evita problemas por manter um privilégio. No entanto, se o bissexual finge ser hétero, é por proteção, assim como pode acontecer com gays e lésbicas. Decerto, reconhecer esse privilégio e ainda assim lutar pelas causas LGBTQ+ é possível.

Procurar entender e falar sobre os mitos e fatos da bissexualidade é saudável e traz visibilidade ao tema. Sobretudo porque ser bissexual ainda significa estar cercado de tabus e discriminações por todos os lados. Se você quer se aprofundar ainda mais, acompanhe o tópico a seguir!

Leia também: Sexismo: o que é, como reconhecer e combater esse preconceito

Experiências com a bissexualidade

Ouvir relatos de diferentes perspectivas sobre a bissexualidade é uma forma de ter empatia e descobrir mais sobre este tema tão necessário. Por isso, veja uma seleção de vídeos com diversas experiências:

O processo da descoberta da bissexualidade

No dia da visibilidade bissexual, Mari compartilha sua experiência no processo de se descobrir bissexual. Com um relato sincero, ela conta sobre as incertezas e questionamentos que teve até se identificar e se posicionar. E isso, na visão dela, foi essencial para contribuir com o movimento LGBT e com o seu desenvolvimento pessoal.

Experiências e questões bissexuais em aula com ativistas

Continua após o anúncio

Neste episódio do Canal das Bee, Jéssica conversa com a ativista bissexual e pesquisadora em gênero e sexualidade, Regina Facchini, e com a Magô Tonhom, do Canal Voz Trans. Juntas, elas explicam a realidade dos bissexuais e questionam o que chamam de “autoestima delirante da hétero e cisnormatividade”. Dê o play e aproveite o vídeo!

Leia também: 11 coisas que podemos aprender com a série Orange is The New Black

Mitos e verdades com relatos de experiência bissexual

Neste vídeo, Klébio Dantas conta como foi sua identificação como bissexual. Além disso, ele aproveita para compartilhar, sob sua perspectiva, alguns mitos e verdades acerca do assunto.

A bissexualidade em diferentes perspectivas

Comemorando o dia do orgulho LGBTQI, Ellora convida dois amigos bissexuais para contar os seus relatos. Os três tiveram experiências muito distintas, e aproveitam para conversar sobre como foi a descoberta individual e falam também sobre o preconceito que vivenciam e a invisibilidade da causa.

A dor e a delícia de ser bissexual

Leia também: Desigualdade de gênero: o que é, onde se manifesta e como combatê-la

Luiza e Felipe batem um papo superdescontraído sobre bissexualidade, passando pelas dores e delícias de se encontrar em sua sexualidade. Eles falam sobre as questões mais comuns que enfrentaram, como o processo de autoaceitação, os preconceitos e a invisibilidade.

Gostou de entender mais sobre a bissexualidade? Você também pode conferir sugestões de filmes LGBTQ+. Apoie a causa e traga mais visibilidade ao tema! Compartilhe a matéria na sua na roda de amigos e discussões.

Continua após o anúncio

Assuntos: Relacionamentos

Para você