Saiba o que causa o ressecamento vaginal e como tratá-lo

Escrito por
Em 30.03.20

iStock

O ressecamento vaginal ou secura vaginal afeta mulheres na pré/pós-menopausa em qualquer idade. Ocorre devido à queda dos níveis de estrogênio, como explica Karina Tafner (CRM-SP 118066) – ginecologista e obstetra, especialista em Endocrinologia Ginecológica e Reprodução Humana e especialista em Reprodução Assistida -, sendo mais frequente devido à atrofia vaginal (afinamento da parede vaginal) presente na menopausa.

Continua após o anúncio

O que causa o ressecamento vaginal?

iStock

Karina ressalta que, na maioria das vezes, a secura vaginal surge apenas depois da menopausa, pois tem como maior causa a queda da produção de estrogênio. No entanto, pode acontecer em qualquer idade decorrente de diversas causas, dentro das quais podem ser citadas:

Atrofia vaginal

“À medida que os níveis de estrogênio caem, o revestimento da vagina se torna mais fino, seco, rosa claro, de cor azulada e menos elástico”, explica Karina.

Os sintomas relacionados à atrofia vaginal, de acordo com a ginecologista, apresentam um impacto negativo sobre a qualidade de vida de até 50% das mulheres na pós‐menopausa, sendo seus fatores contribuintes evitáveis e tratáveis.

“Os sintomas vaginais mais comumente relacionados à atrofia vaginal (aginite atrófica) incluem: sensação de secura vaginal, ardor e queimação vaginal, sinusorragia (sangramento após a relação sexual), dispareunia (dor nas relações sexuais) e irritação vaginal”, destaca Karina.

Pós-parto

A ginecologista Karina explica que, no pós -parto, também pode ocorrer ressecamento vaginal quando a mulher está em amamentação exclusiva, pois os ciclos ovulatórios são suspensos e, com eles, a produção de hormônios femininos. Tal fator leva à diminuição da lubrificação e consequente secura vaginal.

Distúrbios ovulatórios

Karina destaca que distúrbios ovulatórios causados por alterações hormonais como hiperprolactinemia e hipotireoidismo também podem ser responsáveis pela secura vaginal.

Alterações psiquiátricas

“Depressão, síndrome do pânico, ansiedade e certos medicamentos utilizados para o tratamento destas alterações muitas vezes provocam uma diminuição da libido e do desejo sexual da mulher acarretando em menor lubrificação vaginal e em maior potencial de ressecamento”, explica a ginecologista.

Continua após o anúncio

Determinados medicamentos

“Alguns medicamentos utilizados para tratamentos de resfriados ou alergias – que contêm anti-histamínicos – usados no tratamento dos sintomas da asma e para acne excessiva podem causar ressecamento das mucosas por todo o corpo, incluindo na região genital”, comenta Karina.

Alergia no local

A ginecologista destaca ainda que determinados produtos de higiene íntima podem provocar alergia em pessoas suscetíveis, causando ressecamento e vermelhidão no local.

“O uso de calcinhas com tecidos sintéticos, que não sejam de algodão, também podem causar esse tipo de irritação, provocando secura vaginal”, acrescenta a ginecologista.

A mensuração dos sintomas mais incômodos, especialmente dispareunia e secura vaginal, é possivelmente o parâmetro mais útil na prática clínica para diagnóstico, embora seja uma mensuração subjetiva, conforme comenta Karina. “Outras ferramentas de pesquisa estão surgindo, como um conhecimento mais amplo dos elementos da lâmina própria da vagina, a medição da distensão vaginal, entre outras futuras possibilidades. Os ginecologistas podem realizar o diagnóstico com base nos sintomas do paciente e em um exame físico completo”, diz.

Como tratar o ressecamento vaginal

iStock

O tratamento será baseado na(s) causa(s) do ressecamento vaginal. “Na grande maioria das mulheres, a perspectiva de regressão dos sintomas é excelente pós-tratamento”, destaca Karina.

No caso de mulheres na menopausa, por exemplo, Karina explica que as recomendações das sociedades médicas destacam como tratamento principal o uso tópico de estrogênio intravaginal para regressão do quadro e do ressecamento vaginal.

“Os tratamentos locais de estrogênio são os mais eficazes ao mesmo tempo em que têm um efeito mínimo sobre outros tecidos do corpo e tratam a atrofia vaginal. Incluem creme de estrogênio vaginal, anel de estrogênio vaginal ou comprimidos de estrogênio vaginal (os dois últimos ainda não comercializados no Brasil)”, acrescenta a ginecologista.

Karina ressalta que a secreção (e consequente lubrificação) vaginal depende da ação dos estrogênios. “Além disso, as células do epitélio vaginal sob ação dos estrogênios produzem glicogênio, que é convertido em ácido lático sob ação da flora bacteriana para manutenção do adequado pH vaginal”, explica.

Se o ressecamento vaginal for consequência de alergia no local proveniente de produtos de higiene íntima e/ou de calcinhas de tecido sintético, as orientações certamente serão no sentido de não fazer o uso desses produtos e/ou tecido.

Continua após o anúncio

“Opções não hormonais como lubrificantes, hidratantes vaginais e terapia com lazer podem ser úteis em pacientes com queixas de atrofia urogenital leves ou moderadas ou em mulheres que apresentam risco de neoplasia responsiva aos estrogênios”, acrescenta Karina.

Se a mulher se sente excitada mas não lubrificada pode utilizar lubrificantes vaginais se não houver nenhum outro problemas diagnosticado pelo médico após exame físico, conforme explica Karina.

O ressecamento vaginal proveniente do uso de contraceptivo, de acordo com Karina, é mais provável no caso de contraceptivos que não contenham estrogênio, só progesterona. “Podem-se utilizar hidratantes vaginais e lubrificantes nesse caso”, orienta.

Contraindicações e alertas

Karina destaca que desconhece remédios naturais e/ou chás para lubrificação e/ou tratamento de secura vaginal.

“Não recomendo utilizar alternativas caseiras indicadas por leigos, pois elas podem prejudicar ainda mais a saúde vaginal. O ideal é sempre procurar o ginecologista que irá orientar o melhor tratamento de acordo com as particularidades do caso”, finaliza a ginecologista Karina.

Confira também orientações de como escolher lubrificante íntimo para momentos a dois mais confortáveis.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.