Relaxamento capilar

O cabeleireiro Wagner Ramos, especialista em cabelos crespos, tira todas as dúvidas a respeito do procedimento

Escrito por Carolina Werneck

Foto: Thinkstock

Dentre as muitas técnicas utilizadas para alisar os fios, o relaxamento capilar é uma das mais antigas. Com as novidades da indústria de cosméticos, esse tipo de tratamento vem ficando cada vez mais seguro e eficaz.

A seguir, o cabeleireiro educador e técnico em químicas de transformação Wagner Ramos, tira todas as dúvidas a respeito do relaxamento.

O que é o relaxamento capilar e como ele funciona?

O nome “relaxamento” vem do original Relaxer, que é o nome dado ao produto de origem americana que surgiu no Brasil nos anos 80 e foi se aprimorando ao longo dos anos, com fórmulas menos abrasivas e maior poder de alisamento e reparação das fibras. O procedimento consiste em alongar os cabelos, partindo dos cachos naturais e chegando ao estado liso quando for o objetivo. Normalmente estes produtos são divididos em formulações especificas para cada textura de cabelo.

Relaxamento capilar estraga ou danifica o cabelo?

Não mas, como todo produto químico, ele deve ser aplicado por um profissional qualificado, em virtude das contraindicações e métodos específicos de aplicação de cada base química.

De quanto em quanto tempo o relaxamento capilar deve ser feito? Quanto tempo dura?

A frequência de aplicação oscila de acordo com o objetivo. Para alisamentos os retoques ocorrem em intervalos de 30 a 60 dias, de acordo com o crescimento; para relaxamento os intervalos são de 60 a 90 dias, também variando de acordo com o crescimento. Os cuidados diários e produtos de manutenção têm influência direta na durabilidade.

O relaxamento capilar pode ser feito durante a gravidez/gestação ou enquanto a mulher estiver amamentando?

Não é aconselhável, devido à oscilação de proteínas e vitaminas que ocorrem no organismo durante este período. Além do fator sensibilidade, que se altera, muitos produtos são voláteis e outros possuem grande propensão a causar irritabilidade.

Relaxamento capilar ou alisamento? Qual o melhor?

A escolha deverá estar diretamente ligada ao resultado que se pretende. Muitos tipos de cachos naturais são muito pequenos e fechados e, devido à ausência de cachos com maior definição, é aconselhável o alisamento. Já nos casos em que a mulher opta pelo relaxamento, fica a facilidade usar o cabelo liso como variação, apenas fazendo uma escova. Hoje em dia surgiu mais uma variável: a texturização, que consiste em apenas soltar levemente os cachos, mantendo o volume.

Relaxamento capilar – Antes e depois

Relaxamento com amônia antes e depois. Foto: Reprodução / Blog Barbara Caldeira

Tipos de relaxamento capilar

1. À base de amônia

É a mais antiga das Bases em uso, sendo usada em alisamentos, colorações e permanentes. Hoje conta-se com uma maior variedade de derivados (etalonamina, nanoetalonamina, trietalonamina, entre outros), cujas indicações no alisamento são para fibras de médias a grossas, além de cabelos com ondas bem abertas e pessoas que gostam de alterar a cor. Este ativo é extremamente volátil e é preciso habilidade e experiência para se chegar ao resultado desejado.

2. À base de guanidina

O hidróxido de guanidina é uma evolução do hidróxido de cálcio, de modo que o poder de alisamento foi potencializado, tornando este composto mais indicado para este fim por ter a partida mais lenta e menor tendência a causar irritabilidade, quando comparado ao sódio.

3. Com hidróxido de cálcio

Tem a ação mais moderada, foi criado para o couro cabeludo sensível e fibras de médias a finas. Os cabelos precisam estar muito hidratados e é necessário realizar uma reposição de lipídeos, devido ao fato de que a característica calcária proporciona uma maior perda de oleosidade natural.

4. Com sódio

Possui maior poder de alisamento e é mais fácil para se atingir o resultado, seja ele de relaxamento ou alisamento. Tem graduação de força e é contraindicado para aplicação em cabelos com amônia e seus derivados, cabelos com descoloração e sais metálicos. Sua composição possui propriedades lipídicas que evitam o ressecamento dos fios.

Wagner Ramos é especialista em cabelos crespos e ondulados e ressalta a importância de que qualquer tratamento químico seja conduzido por um profissional capacitado, para alcançar os resultados desejados com mais eficiência e evitar danos aos cabelos.

Vídeo: como fazer relaxamento capilar

O vídeo abaixo mostra como fazer o relaxamento em casa com amônia. Apesar de ser feito no cabelo curto masculino, o procedimento no cabelo feminino é o mesmo, o que varia é só o comprimento. Se você desejar fazer em casa, a escolha é sua, mas você estará colocando seu cabelo em risco. Ressaltamos que é importante sempre optar por um profissional para realizar procedimentos químicos no cabelo.

Outra opção: faça um relaxamento capilar natural

Para quem gostaria de investir em um tratamento desse tipo, mas tem medo de que a química danifique os fios, uma boa opção é o relaxamento capilar natural. Esse tipo de relaxamento não possui o mesmo potencial de alisamento do relaxamento químico, mas garante bons resultados de controle de volume e não prejudica as madeixas.

Para fazer o relaxamento natural à base de óleos, misture 10ml de óleo de coco natural, 15ml de óleo de amêndoa natural, 15ml de óleo de abacate natural e 10ml de óleo de argan natural. Passe a mistura no cabelo seco, deixando agir por cerca de 30 minutos. Depois lave os cabelos normalmente, com shampoo e condicionador.

Outra opção é o relaxamento natural à base de babosa. Bata em um liquidificador 2 copos de água morna, 100ml de óleo de coco ou leite de coco, 30ml de óleo de abacate puro, o sumo de duas folhas de babosa e ¼ de sabão de coco ralado. Armazene a mistura em um recipiente plástico com tampa, na geladeira. Aplique o creme com os cabelos molhados, logo após a lavagem, deixando agir por 35 minutos e enxaguando em seguida. O produto tem validade de duas semanas.

Assuntos: Alisamento, Cabelos

Dicas pela Web
Comentários