Infecção urinária na gravidez: conheça os sintomas e saiba como tratar

Escrito por Andrea Sakugawa

iStock

A gravidez é uma fase maravilhosa na vida de qualquer mulher, mas é normal trazer consigo alguns sintomas indesejáveis, tais como os da infecção urinária, também conhecida como cistite.

Como explica o urologista e professor da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC), Marcos Tobias Machado, “a infecção do trato urinário consiste na presença de bactérias na urina com repercussão clínica”. Apesar de desagradável, mas pode ser facilmente tratada, caso diagnosticada com antecedência. Confira abaixo os principais sintomas:

Sintomas

  • Dor para urinar;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Em casos mais graves, dor lombar e febre;
  • Possibilidade de septicemia (infecção generalizada).

Ao engravidar, é importante estar sempre atenta às mudanças no corpo e no organismo. Os sintomas da infecção urinária são característicos e, no caso de se manifestarem, o primeiro passo a ser dado é procurar um especialista.

Principais causas

iStock

Segundo o Dr. Marcos, “as mulheres de uma maneira geral são predispostas à infecção urinária devido à posição anatômica da uretra e do ânus, permitindo que as bactérias de origem intestinal, como a Escherichia Coli, penetrem através da uretra”. Nas mulheres grávidas, os riscos são ainda maiores por alguns fatores:

Leia também: 10 receitas de chá para acabar com a infecção urinária

  • Embebição dos tecidos (elevação do teor aquoso dos tecidos);
  • Redução dos fatores protetores locais no trato urinário;
  • Aumento da circulação sanguínea na região pélvica, que resulta no aumento da umidade na vagina;
  • Aumento do volume do útero, que pode fazer com que a urina fique acumulada no canal.

Infecção urinária na gravidez: como tratar

iStock

  • Antibióticos: segundo o médico, os antibióticos não devem ultrapassar a barreira placentária para não causar danos ao bebê, “sendo preferível, em casos não complicados, cefalosporinas de primeira geração, como a cefalexina ambulatorial por via oral durante 7 dias”.
  • Internação: necessária apenas em casos mais graves com o emprego de antibióticos endovenosos. “Os casos associados à obstrução do trato urinário podem necessitar de procedimento cirúrgico para drenar a urina”, completa Marcos.

Tratamentos caseiros

  • Hidratação: tomar bastante água ajuda na hidratação do organismo, contribuindo também com a diluição da urina, de modo a evitar que a mesma cristalize.
  • Suco de cranberry: rico em vitaminas C e E, o cranberry ajuda a tratar e a combater novos episódios de infecção urinária.
  • Ingestão de vitamina C: assim como o cranberry, outras frutas também são ricas em vitamina C (que ajuda a liberar as toxinas do organismo), tais como: laranja, toranja, kiwi, abacaxi, morango, groselha preta, etc.
  • Chá de manjericão: com ação inibitória, o chá de manjericão é ideal para combater as bactérias da infecção urinária.

Começar o tratamento adequado o quanto antes é de extrema importância para curar a infecção urinária e evitar que o quadro se agrave. Aliados aos antibióticos e às medidas caseiras, algumas ações simples no dia a dia ajudam a combater o problema, como urinar antes e após a relação sexual, realizar a higiene íntima diariamente e consumir alimentos diuréticos (melancia, aspargo, graviola, laranja, entre outros).

Perguntas frequentes

iStock

Mais recorrente entre as mulheres, a infecção urinária ainda gera perguntas, principalmente durante a gravidez. Para esclarecer, o Dr. Marcos responde às principais dúvidas:

1. É permitido ter relações sexuais durante a gravidez e com infecção urinária?

“É recomendável que não. O risco de piorar o quadro é grande com a subida dos germes para os rins. Deve-se, portanto, esperar que a infecção seja curada completamente antes que o casal volte a ter relações sexuais.”

2. A infecção urinária traz riscos para o bebê?

Leia também: Cólica na gravidez: causas, sintomas e quando se preocupar

“A presença de infecção urinária não tratada está associada ao nascimento de bebês pequenos para a idade gestacional e ao trabalho de parto prematuro, o que pode trazer sequelas ao recém-nascido.”

3. A infecção urinária pode se tornar mais perigosa durante as últimas semanas de gestação?

”Sim, inclusive pode induzir ao trabalho de parto prematuro.”

4. Quais os riscos para a mãe e para o bebê se a infecção urinária não for tratada adequadamente?

“Quadros mais graves de infecção urinária podem causar à mãe a perda do rim ou mesmo infecção generalizada. Já o bebê, pode nascer abaixo do peso e com todas as consequências de um nascimento prematuro.”

Leia também: 12 aplicativos incríveis para monitorar a gravidez

5. O que fazer para prevenir a infecção urinária?

“Faz parte dos exames pré-natais de rotina a realização da urocultura, que detecta se existe alguma bactéria na urina da gestante. Realizar este exame e passar pelas consultas com regularidade são as principais ações preventivas contra a infecção urinária durante a gravidez.”

Como diz o ditado, a prevenção é sempre o melhor remédio. Mas, caso notem os primeiros sintomas da infecção urinária, as mulheres devem buscar o tratamento imediato recomendado pelo médico. Com atenção e cuidados adequados, é possível que as mamães tenham uma gestação saudável e sem riscos para o bebê!

Para você