Sociedade

Gênero-fluido: o que você precisa saber sobre a identidade e como combater o preconceito de gênero

iStock

Atualizado em 22.06.22

Você deve ter percebido que as pessoas vêm destacando os seus pronomes nas redes sociais. Essa ação teve início a partir de um movimento de pessoas que se identificam como gênero-fluido, em busca de respeito e um tratamento condizente com a sua identidade. Mas você sabe o que é gênero-fluido?

Publicidade

Índice do conteúdo:

O que é gênero-fluido?

O gênero-fluido é uma identidade de gênero que ainda gera muitas dúvidas. Milena Sophia, psicóloga, comenta um pouco sobre. “Vivemos em um sistema binário em que, de um lado, temos o masculino e, do outro, temos o feminino. Uma pessoa de gênero-fluido é alguém que não se identifica só com um extremo, uma pessoa não binária. É alguém que não se considera totalmente feminina ou masculina. É alguém que flui entre os gêneros, entendendo que o gênero é uma construção social. Afinal, o que é ser homem? O que é ser mulher? Uma pessoa gênero-fluido abraça aspectos da masculinidade e da feminilidade. Dependendo da época, a pessoa pode se identificar mais como homem, como mulher ou, então, com os dois ao mesmo tempo.”

Qual o significado das cores da bandeira do gênero-fluido?

gênero-fluido

iStock

A bandeira gênero-fluido foi criada em agosto de 2012 por JJ Poole, que conta que a bandeira representa a flutuação e flexibilidade do gênero. O rosa simboliza a feminilidade, a branca representa a ausência de gênero, a roxa se trata da combinação entre masculinidade e feminilidade, a preta mistura todos os gêneros e o azul representa a masculinidade.

Como se identificar como gênero-fluido

Como a Milena explicou, uma pessoa que se identifica como gênero-fluido não se identifica totalmente como mulher nem como homem. Na verdade, existe uma flutuação entre os dois gêneros. J., que trabalha com teatro, focalizado em pessoas não binárias, e faz parte da comunidade Gênero-fluido Vivências, um grupo que apoia e compartilha experiências sobre gênero. J. conta, “quando encontrei o termo e suas características, senti que aquilo parecia ter sido construído em volta de mim”. Em geral, perceber-se como gênero-fluido se trata de uma questão de identificação. O importante é se conhecer e refletir sobre como se sente à vontade. Vale lembrar que existem vários outros gêneros não binários.

As principais dúvidas sobre gênero-fluido

A seguir, confira as principais dúvidas sobre o gênero-fluido segundo a psicóloga Milena Sophia e J.

Qual a diferença entre gênero-fluido e uma pessoa não binária?

J. explica que “uma pessoa não binária não é, necessariamente, gênero-fluido. Não binário é aquele que foge do 0 e 1 (masculino e feminino padrão)”. Entretanto, o gênero-fluido é um gênero não binário, pois existe na fluidez entre o feminino, o masculino e outras identidades de gênero.

Bissexualidade e gênero-fluído são a mesma coisa?

A sexualidade e o gênero de uma pessoa são coisas completamente diferentes. O gênero se trata de como a pessoa se identifica, seja como mulher, homem ou nenhum dos dois. Já a sexualidade se refere a atração física, romântica ou sensorial. J. explica que a sua sexualidade não interferiu na descoberta de seu gênero. “É curioso, pois sou pansexual, ou seja, eu gosto de pessoas, de quem elas são, não de como elas se parecem, e isso não depende de sua aparência ou gênero. Mas até me entender como gênero-fluido, não gostava de mim.”

Qual a diferença entre transgênero e gênero-fluido?

Pessoas binárias são mulheres e homens que se identificam com o gênero socialmente imposto quando nasceram. Já pessoas trans e gênero-fluido são pessoas não binárias, justamente por se identificarem fora da esfera binária. Uma pessoa trans, que nasceu em um corpo compreendido como masculino a partir papéis de gênero atribuídos socialmente, se identifica apenas com um gênero. Nesse caso, como mulher. Em contrapartida, o gênero-fluido “consiste basicamente em transitar entre o masculino e o feminino, sentir-se em ambos ou em nenhum, mas eu entendo que se caracteriza por sua fluidez, podendo fluir por períodos curtos ou longos”, explica J.

Publicidade

Gênero-fluido precisa de fazer terapia?

Muitas pessoas em processo de identificação gostariam de ter o conforto de consultar um especialista, mas, ao mesmo tempo, pensam que ser gênero-fluido é errado. Milena pontua ser importante fazer terapia, mas é ideal que todas as pessoas façam, inclusive as binárias. “Talvez, pessoas gênero-fluido tenham uma maior ‘necessidade de terapia’ por conta do preconceito que sofrem. É importante destacar que a fluidez de gênero e a transexualidade não são ‘doenças mentais’, mas identidades tão válidas quanto as binárias e cis. A disforia de gênero pode acontecer nesses casos, mas não é lei”, conta.

Porque o uso de pronomes diferentes?

O pronome é uma questão de respeito. J. explica de uma forma simples e direta. “Ninguém gosta de ser identificado por aquilo que não é”. Ela também aconselha: “se tem dúvida, pergunte! Ninguém é obrigado a saber, então é bem simples chegar e perguntar: ‘Ei, quais são seus pronomes?’ Sendo o primeiro contato, acho difícil que a pessoa se incomode”. A psicóloga Milena Sophia completa explicando que, quando usamos o pronome que a pessoa escolheu, além de respeitar a identidade dela, é acolhedor. “Tentar forçar o padrão binário em alguém, não tratando a pessoa pelo pronome que ela escolheu, além de desrespeitoso, é uma violência. E quando sofremos violência e desrespeito, nossa autoestima fica abalada”, explica.

Pessoas sofrem preconceito por serem não binárias?

Infelizmente, o “diferente” sempre é alvo de agressões. J. conta que a maior discriminação que sofre é quando invalidam seu gênero. “Já pensou nisso? Alguém falar que o que faz você se amar é simplesmente um vislumbre seu, algo inexistente. Sem falar na discriminação que uma pessoa que não é cis sofre diariamente.” Milena explica como essas discriminações podem afetar a vida das pessoas: “pode afetar em todos os níveis: psicológico, social, educacional, financeiro, biológico, etc. A saúde é integral: mente e corpo não são tão separados quanto somos ensinados. Segundo uma pesquisa da UFSC, vítimas de discriminação têm um risco quatro vezes maior de desenvolver depressão ou ansiedade e ainda estão propensas a agravos como hipertensão”.

O que as pessoas gênero-fluido querem que você saiba!

Pessoas diferem, mas merecem respeito. J. conta que as pessoas já pensaram que o fato de ela ser gênero-fluido era algo só para aparecer e que já chegou a ouvir que ela estava tentando aparecer. Ela também menciona que, quando descobriu ser gênero-fluido, foi o momento em que começou a se amar mais. “As pessoas são diferentes e, com base na minha experiência, ser gênero-fluido me fez ser uma pessoa melhor, pois passei a cuidar de mim.”

Personalidades gênero-fluido

Com certeza você conhece ao menos uma entre essas celebridades e personagens, mas não sabia que se identificam como gênero-fluido, confira!

Miley Cyrus:

Miley é muito aberta sobre sua sexualidade e seu gênero. Ela já se definiu como pansexual e gênero-fluido. “Eu não me identifico como menino ou menina e não acho que meu companheiro tenha de ser definido dessa forma”. A atriz e cantora usa os pronomes ela/dela.

Ezra Miller:

Ezra Miller, amado Patrick de As Vantagens de Ser Invisível, se declarou em 2018 como gênero-fluido. “Não me identifico como homem. Não me identifico como mulher. Quase não me identifico como humano”. Ezra prefere o pronome they/them, que vem sendo traduzido como elu/delu.

Loki:

gênero-fluido

Oliver

Publicidade

Loki, personagem inspirada no Deus nórdico da trapaça, foi confirmado como gênero-fluido pela Marvel Studios em sua série. No arquivo completo sobre o anti-herói é possível ver que no campo “gênero” a marcação é “fluído”.

Ruby Rose:

Ruby Rose, estrela da primeira temporada de Batwoman, explica que se identifica com ambos os gêneros e também se sente confortável em seu corpo. “Sinto que não sou nenhum dos dois. Se eu tivesse de escolher, seria um rapaz. Sou um menino, mas não sinto que deveria ter nascido com outras partes do corpo. Sinto que a grande questão está em como me visto, em como falo, em como me sinto e no que me faz feliz”. Seus pronomes são ela ou elu.

Snowflake:

A Marvel Studios confirmou que a personagem Snowflake, da nova formação dos quadrinhos Novos Guerreiros, é a primeira heroína de gênero-fluido da editora.

Cara Delevingne:

Cara Delevingne, modelo e atriz, também se expressa abertamente sobre seu gênero. Ela ainda afirmou que nada foi tão bom quanto entender o seu lugar no mundo. “Foi uma grande revolução perceber, pela primeira vez, que os gêneros são muito mais fluidos do que apenas masculino e feminino”.

Pabllo Vittar:

A cantora e drag queen maranhense, Pabllo Vittar, também se identifica como gênero fluído. Pabllo fala abertamente sobre seu gênero e ajuda a amplificar as discussões de gênero no país.

A cantora e drag queen maranhense, Pabllo Vittar, fala sobre sua sexualidade e gênero publicamente há algum tempo. Em uma entrevista, a cantora conta: “eu sou menino, sou gay, faço drag, sou genderfluid […] gosto de transitar tanto no universo feminino quanto no masculino”.

Publicidade

Conseguiu entender mais sobre o gênero-fluido e como se passa o processo de identificação de gênero? Embora este seja um tema complexo, buscar por novas informações nunca é demais. Se você se interessou pelo tema, confira também a matéria sobre os não binários e entenda mais sobre a ampla esfera dos gêneros!

Jornalista, escritora e aspirante a artista. Facinada por abelhas, plantas e artesanato. Naturalmente curiosa e investigativa. Se aventura nos mais diversos filmes e séries disponíveis online.