Objetificação da mulher: uma cultura que precisa morrer

Escrito por                    
Atualizado em 18.05.22

Canva

Entre as formas de objetificar a mulher, estão a hipersexualização e a banalização do seu intelecto. A objetificação feminina pode causar diferentes tipos de violências no dia a dia, tanto no trabalho quanto em casa. Acompanhe a matéria para entender esse assunto que exige urgência reflexiva.

Publicidade

Índice do conteúdo:

O que é objetificação da mulher?

Envato

A objetificação da mulher está socialmente estruturada em uma cultura que enxerga as mulheres como objetos, seja de beleza ou de prazer, destinados ao consumo masculino, explica Deborah Vieira, doutoranda em Comunicação pela UFJF. “Esse sistema também enquadra a mulher em certos padrões de ‘perfeição’ e tenta apagar nossos sentimentos, desejos e até nossa consciência e capacidades cognitivas”, completa a pesquisadora que estuda as bandeiras feministas levantadas pelas deputadas.

História da objetificação da mulher

A doutoranda explica que o processo de objetificação da mulher é uma construção histórica. “Algo que remonta há séculos, uma herança do patriarcado e da divisão sexual do trabalho, na qual o homem possuía certo “domínio” sobre as mulheres, esposas e filhas, sendo responsável pelo sustento familiar enquanto às mulheres cabiam o ambiente do lar”.

Exemplos de objetificação da mulher

A objetificação da mulher está enraizada na sociedade, isso significa que muitas agressões passam despercebidas ou não são reconhecidas como violentas. Com certeza, grande parte das mulheres (se não todas) já enfrentou uma situação de objetificação. A seguir, confira alguns exemplos:

Publicidade

Historicamente, a publicidade já contribuiu muito para a objetificação da mulher. Por exemplo, “as propagandas de cerveja, que sempre colocavam um corpo feminino, seminu, eram totalmente voltadas para atrair a atenção dos consumidores, algo que vem mudando nos últimos anos devido às críticas”, explica Deborah.

Esporte

Deborah explica que, no esporte, a objetificação feminina “vai desde o enquadramento das câmeras até o uniforme destinado a elas, muitas vezes, menor e mais colado ao corpo, se comparado ao dos atletas homens”.

Publicidade

Política

Envato

Há séculos, e ainda atualmente, a política é um ambiente muito machista. Ao ocupar esse espaço, muitas mulheres sofrem com insultos, até mesmo do presidente, são chamadas de burra, silenciadas, julgadas pela aparência, entre outras formas de violência. A doutoranda ainda ressalta que: “as primeiras-damas são utilizadas como “acessórios” à imagem dos maridos, ainda, não são vistas como seres políticos individuais e atuantes”.

Padrão de beleza

Envato

Socialmente construído e propagado pelas mídias, o padrão de beleza perfeito é excludente, objetificador, elitista e violento. “As implicações dessa cultura de objetificação são muitas e impõe problemas tanto psicológicos, como distorção da imagem corporal, quanto de saúde, como a bulimia e anorexia. Muitas mulheres, insatisfeitas com seus corpos, tentam alcançar um “padrão” de beleza imposto como caminho para o sucesso, felicidade e aceitação”, explica a pesquisadora.

Cultura do estupro

Envato

Sim, a objetificação da mulher vai longe! Segundo Deborah, isso desencadeia “outros problemas tão graves quanto, como a cultura do estupro, o assédio sexual e a violência contra a mulher. O homem se sente como “dono” do corpo e das ações femininas, impondo o que ele quer por meio da violência”.

A mulher se torna um objeto em diversas situações cotidianas. Isso está acontecendo com você no trabalho ou em casa? Saiba que você não está sozinha. Chega de objetificação! É hora de criar uma rede de apoio e dizer não ao silenciamento. A seguir, confira algumas formas para combater essa violência.

Como combater a objetificação feminina?

A objetificação da mulher está em todos os lugares, por isso, é importante saber reconhecer e denunciar. Conheça alguns caminhos essenciais para, aos poucos, derrubar essa cultura machista e opressora:

  1. Educação: nas palavras da pesquisadora, “acredito que uma das formas de romper com a objetificação da mulher é por meio da educação. Uma educação crítica, que faça todos repensarem e ressignificarem os papéis sociais impostos e “naturalizados” como sendo de “homens” e “mulheres”, um sistema binário que exclui outras diversas formas de ser. Todas todos e todes somos seres dotados de características, ideias e vontades próprias. Acredito que pela educação podemos criar uma sociedade mais justa, menos machista, sexista e misógina, capaz de reconhecer essas formas de opressão e combatê-las.”
  2. Identificar situações: para combater, é preciso reconhecer a opressão e o opressor. Além disso, é importante “alertar outras mulheres, as vítimas e até aqueles que são a fonte do problema, para que essa situação não passe despercebida”, explica Deborah.
  3. Conscientização: como aponta a pesquisadora, é importante que haja um processo de conscientização sobre a objetificação, sua história e, principalmente, suas implicações sociais, psicológicas e físicas para as mulheres. “Isso deve acontecer desde a infância para evitar que a objetificação seja reproduzida no futuro. Esse processo também deve ser realizado com adultos, no presente, tentando interromper o ciclo”.
  4. Participar: uma participação ativa na sociedade é de extrema importância. Procurar espaços em que você possa falar sobre suas experiências e descobertas com outras mulheres. Espaços em que você se sinta confortável para compartilhar e ouvir. Isso tudo te torna mais forte e capaz de grandes mudanças.
  5. Assumir responsabilidades: “é importante que cada pessoa assuma sua responsabilidade enquanto ser social e lute pela conscientização dos outros a sua volta, seja na escola, no trabalho, em casa ou na vizinhança. Esse movimento de identificação e conscientização também tem que partir de nós”, finaliza Deborah.
    1. Mulher não é objeto! E a objetificação não é apenas uma brincadeirinha ou uma piada na roda de amigos. Cada vez mais, as mulheres estão quebrando com as barreiras do machismo, colocando o assunto em pauta e buscando seus direitos.

      Vídeos e relatos sobre a objetificação da mulher

      Diversas mulheres compartilham suas experiências em relação à objetificação feminina, desde os campos filosóficos até a cultura pop.

      Publicidade

      Objetificação da mulher, a filosofia explica

      Nesse vídeo, a Lia Freitas fala sobre a objetificação da mulher e cita diversos pensadores, inclusive, a filósofa Simone de Beauvoir, que contribiu bastante para o movimento feminista.

      Ser mulher é vulgar

      Nesse vídeo, a Ellora faz uma reflexão sobre o porquê só as mulheres são consideradas vulgares.

      Objetificação da mulher na cultura

      O canal Tempero Drag faz uma reflexão crítica, histórica e política sobre como as mulheres são representadas na cultura. Confira!

      Ser mulher é ter mil medos

      Nesse curto documentário, que foi o TCC da jornalista Anna Luiza Main, diversas mulheres se abrem para conversar sobre atitudes machistas que enfrentam diariamente.

      A objetificação da mulher é um problema enraizado na sociedade. Com essa prática, outras formas de violência se materializam. Por isso, leia também sobre a cultura do estupro.