Entretenimento

‘Tudo em todo lugar ao mesmo tempo’ mostra que uma mulher é heroína após os 50 anos

Divulgação | A24

Filme mescla gêneros diversos e pontua, de modo amável, que conflitos enfrentados por mulheres têm caráter universal

Em 25.06.22

‘Tudo em todo lugar ao mesmo tempo’ é um filme absurdo e, ao mesmo tempo, faz todo sentido. Misturando os gêneros de ficção científica, comédia, ação e drama, o filme diverte, envolve e emociona de maneira criativa e delicada. Isso enquanto conta a história de uma senhora que vai declarar seus impostos. Pode não parecer à primeira vista, mas este é um filme que ecoa muito dos sentimentos das mulheres.

Publicidade

Não é comum que mulheres de quase 60 anos recebam a oportunidade de interpretar uma heroína em filmes de ação, ainda que seja Michelle Yeoh, reconhecida atriz de ação do cinema. Ela mesma declara que foi uma oportunidade única na carreira ao jornal ‘The Guardian’, “Me sentia preterida, porque você é relegada a papéis menores. E os caras estão sendo protagonistas. Eles ainda são como super-heróis com 60, 70 anos. Por que uma mulher não tem uma oportunidade de fazer isso?”.

Em um filme que funciona também como uma celebração de sua carreira, com recortes de trabalhos anteriores e aparições em eventos, a atriz entrega uma performance de ação, humor e emoção que deveria lhe render premiações, elogios e inúmeros outros convites.

‘Tudo em todo lugar ao mesmo tempo’ prova que os conflitos de mulheres, especialmente as mais velhas, são universais e que todos os públicos podem se identificar com elas, ao contrário do que diz o senso comum. A sensação de estar sendo puxado em muitas direções diferentes com as demandas de trabalho, família e sociedade é de fácil identificação.

Evelyn Wang, interpretada por Michelle Yeoh, tem problemas financeiros, precisa lidar com burocracias intermináveis do imposto de renda, as expectativas de seu pai, uma relação complicada com a filha e com o casamento que esfriou. São muitas demandas ao mesmo tempo que a deixam exausta e perdida em si mesma e frustrada com sua vida, o que torna a ideia de conhecer as possibilidades de vida que se desenvolveram em outros universos muito intrigante, quem nunca se pegou pensando nos “e se…” da vida?

É divertido descobrir os desenvolvimentos da trama e ser surpreendido, então, sem entregar muito, fica a sugestão de prestar atenção aos pontos da trama que apresentam algumas sugestões de como lidar com essa pressão de universos pairando sobre a cabeça, há uma profundidade nas soluções que o filme apresenta por meio de seus absurdos.

Um filme sobre estar em todos os lugares acaba incentivando que as pessoas estejam presentes e atentas a quem está ao seu redor e a valorizar a gentileza, tanto com os outros quanto consigo mesma. A vida é caótica e quase nada faz sentido, mas é preciso valorizar os poucos momentos que fazem e aprender a conviver com a versão de nós mesmas que somos.

Este é o filme perfeito para quem gosta de obras geeks nada óbvias, mas mesmo quem não costuma assistir ação e ficção científica não vai se arrepender de dar uma chance para essa obra diferente, Evelyn com certeza entrará para a lista de personagens inspiradoras da ficção!