Saiba tudo sobre o uso do fluconazol contra a candidíase e outras infecções fúngicas

O medicamento é facilmente encontrado e costuma ser bem tolerado, mas ainda assim deve ser utilizado somente com orientação médica

Escrito por Tais Romanelli
Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

O Fluconazol é um medicamento bastante utilizado para tratar a candídiase, embora esta não seja sua única indicação. Trata-se de um antifúngico que combate infecções causadas por fungos.

A ação esperada do Fluconazol é que ele impeça o crescimento de fungos, já que inibe que esses microrganismos sintetizem compostos (esteroides) necessários para a sobrevivência.

O medicamento é geralmente administrado via oral e é bem absorvido, atingindo os níveis no sangue de meia hora a seis horas. Para se ter uma ideia: normalmente, o tempo médio para início do alívio dos sintomas após a administração do medicamento, no caso do tratamento da candidíase vaginal, é de um dia.

Abaixo você entende melhor para que serve o Fluconazol, por que ele é um medicamento bastante utilizado, quais são seus nomes comerciais e suas contraindicações.

Para que serve o Fluconazol? As principais indicações

A maioria das pessoas, ao ouvir falar sobre Fluconazol, já associa o medicamento ao tratamento da candidíase. “Ele é muito utilizado para candidíase porque tem um espectro que abrange matar a cândida albicans”, comenta Domingos Mantelli, ginecologista e obstetra.

Leia também: 15 medicamentos que você usa sem prescrição mas podem ser perigosos

Mas, vale destacar, o Fluconazol tem também ação contra outros fungos: Cryptococcus neoformans, Microsporum spp., Blastomyces dermatitides e Histoplasma capsulatum, por exemplo.

Desta forma, muitas infecções por fungos podem ser tratadas com o Fluconazol, como, por exemplo:

Candidíase vaginal: infecção causada pela Candida e uma das alterações mais prevalentes entre as mulheres. Os sintomas são irritação da vulva e da vagina, normalmente acompanhada de vermelhidão e intensa coceira, além da presença de uma secreção vaginal esbranquiçada.

Candidíase oral: também conhecida como “sapinho na boca”, é mais frequente em crianças (até mesmo em bebês). Os sintomas, de forma geral, são surgimento de placas esbranquiçadas na boca, língua ou garganta; ardência na boca; dor ou dificuldade para engolir.

Candidíase peniana: no homem os sintomas da candidíase geralmente são prurido e aparente “descamação” da glande (porção final do pênis).

Leia também: 7 problemas vaginais e como lidar com cada um deles

Pitiríase versicolor: infecção fúngica em que o fungo interfere na pigmentação normal da pele, resultando em manchas pequenas espalhadas pelo corpo.

Tinea cruris: também conhecida como micose na virilha, é uma infecção que costuma atingir as regiões da virilha, coxas e nádegas, causando placas avermelhadas e intensa coceira.

Onicomicose: trata-se da infecção da unha causada por fungos.

Tinea pedis: popularmente conhecida como frieira, é a infecção por fungos que ataca geralmente a sola e os espaços entre os dedos dos pés.

Esses são apenas exemplos de indicações. Mantelli ressalta que o medicamento pode ser usado para vários tipos de infecções de fungos, já que tem um amplo espectro para pegar e tratar infecções fúngicas.

Leia também: Coceira vaginal: entenda os motivos do problema e saiba como evitar

Como o medicamento deve ser tomado?

Mantelli destaca que o medicamento deve ser tomado dependendo de cada caso, e seguindo sempre as orientações do médico responsável. “Mas, geralmente, para candidíase, é necessário tomar um comprimido em dose única para a mulher e um comprimido em dose única para o homem. Trata-se o casal em dose única. Dependendo do grau de infecção, às vezes esse tratamento pode se estender um pouco mais”, diz.

No caso de infecção fúngica de pele, normalmente a indicação costuma ser de um comprimido por semana, sendo que o tratamento pode durar de duas a seis semanas. Mas, vale reforçar, cada caso é um caso, por isso, somente o médico poderá indicar a dosagem correta e as particularidades de cada tratamento.

Contraindicações do Fluconazol

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

“Geralmente, as contraindicações são: se a pessoa tiver alguma alergia a algum tipo dessa medicação; ou se o problema for alguma infecção causada não por fungos e, sim, por bactérias e vírus… Porque aí não vai adiantar tomar o Fluconazol”, comenta Mantelli.

Grávidas não devem tomar Fluconazol (ao menos que seja recomendado pelo médico de sua confiança), e o uso durante o aleitamento materno também não é recomendado.

Outra atenção especial é que o Fluconazol não deve ser usado paralelamente à terfenadina ou cisaprida, devido ao elevado risco de arritmia cardíaca.

Leia também: Corrimento amarelado: conheça as causas e tratamentos

Cuidados e efeitos colaterais

Abaixo você confere alguns pontos que merecem atenção em relação ao uso deste medicamento:

  • Especialmente as pessoas que possuem doenças graves, como problemas cardíacos, alterações nos rins e/ou fígado, devem comunicar o médico antes de iniciar o tratamento com Fluconazol.
  • A dose única de Fluconazol (150 mg) não é recomendada para crianças menores de 18 anos de idade e nem para idosos, ao menos que exista supervisão médica.
  • Mulheres grávidas e que estão amamentando não devem utilizar Fluconazol, ao menos que exista orientação médica ou do dentista.

O Fluconazol é um medicamento geralmente bem tolerado, mas algumas reações adversas que já foram observadas durante estudos clínicos, de acordo com a própria bula são:

  • Cefaleia;
  • Dor abdominal;
  • Diarreia;
  • Náusea;
  • Reações de pele podem ocorrer, mas são mais comuns em pacientes portadores do HIV;
  • Toxicidade do fígado;
  • Doses excessivas, muito acima das habitualmente recomendadas, podem provocar distúrbios psiquiátricos (como alucinações e paranoia).

Interações medicamentosas com o Fluconazol

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

De acordo com informações da bula, é preciso cuidado ao associar o Fluconazol com os seguintes tipos de medicamentos:

  • Anticoagulantes;
  • Benzodiazepínicos;
  • Cisaprida;
  • Ciclosporina;
  • Hidroclorotiazida;
  • Fenitoína;
  • Rifabutina;
  • Rifampicina;
  • Sulfonilureias;
  • Tacrolimus;
  • Terfenadina;
  • Teofilina;
  • Zidovudina.

“Interações medicamentosas podem acontecer em muitos casos, depende muito do que a paciente está usando, alguns antibióticos podem interferir, anticoncepcionais… Por isso, é importante sempre ser informado ao médico o que a paciente está usando”, comenta Mantelli.

Nomes comerciais do Fluconazol

Você pode encontrar o Fluconazol à venda por diversos nomes, como, por exemplo:

  • Zelix;
  • Zoltec;
  • Zoltren;
  • Candizol;
  • Flucazol;
  • Flucomed;
  • Fluconal;
  • Fluconeo;
  • Flutec;
  • Glyfucan;
  • Lertus;
  • Monipax;
  • Pronazol;
  • Riconazol;
  • Triazol;
  • Unizol.

É possível ainda adquiri-lo sob a forma genérica. O preço pode variar bastante, mas é possível encontrar o Fluconazol 150mg com 1 cápsula (dose única) à venda na internet por cerca de R$18.

Outras maneiras de tratar a candidíase

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Mantelli destaca que outros tratamentos para candidíase incluem cremes vaginais que contenham alguns antifúngicos e outras substâncias misturadas, dependendo do tipo de corrimento que a paciente tem. “Então podemos utilizar só por via oral, via oral e vaginal juntamente, ou, às vezes, só vaginal, depende do tipo de corrimento e indicação para cada paciente”, explica.

Vale destacar que, apesar do Fluconazol ser um medicamento facilmente encontrado à venda, não deve ser utilizado por conta própria, independentemente do caso.

No caso de tratamento com Fluconazol, é fundamental ainda seguir as orientações do médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. E, também, não interromper o tratamento sem o conhecimento do médico.

Dicas pela Web