Saiba qual o melhor creme para melasma para auxiliar no seu tratamento

Escrito por
Atualizado em 27.09.21

iStock

Por
Atualizado em 27.09.21

O creme para melasma é importante na rotina de skincare para ajudar a tratar as manchas que aparecem na pele. Se você quer saber mais, a dermatologista e tricologista Joana D’arc Diniz (CRM: 67786-8 RJ), Diretora Científica da Sociedade Brasileira de Medicina Estética e da Sociedade Brasileira do Cabelo (RJ) esclareceu, a seguir, os principais pontos!

Publicidade

Como prevenir o melasma com os cuidados certos

Joana explicou que o melasma são manchas crônicas, cuja coloração é mais escura e amarronzada. As causas desse problema, muitas vezes, estão relacionadas à predisposição genética ou a alterações e disfunções hormonais. “O melasma é um dos grandes desafios da dermatologia. Embora não tenha cura definitiva, ele pode ser atenuado e controlado com tratamentos, além de ser muito importante ter alguns cuidados preventivos, dentre os quais, destaca-se evitar a exposição ao sol e fazer uso contínuo do protetor solar”, complementou.

Por isso, apostar em um bom protetor solar é imprescindível na prevenção do melasma e, para saber o melhor tratamento, o ideal é consultar um dermatologista, pois, essa escolha depende de vários aspectos, como grau e profundidade das manchas, tipo de pele e uma avaliação sobre cada ativo.

“Além disso, é importante salientar que a exposição ao sol e lâmpadas (inclusive celular, notebook), estresse foto-oxidativo, não usar bloqueador solar, gravidez e uso de pílulas anticoncepcionais favorecem bastante o aparecimento da pigmentação ou intensificam e agravam muito as já existentes”, finalizou Joana.

Os melhores cremes e outros produtos para melasma

O creme para melasma contém ativos que ajudam no clareamento da mancha e na uniformização da pele. Há outros produtos, como o protetor solar e alguns séruns que complementam o tratamento tópico. Veja as melhores opções de creme para melasma:

1. Creme facial antirrugas Anasol – $

Um creme anti-idade noturno, com ácido glicólico e extrato de chá-verde. As suas propriedades ajudam a estimular a síntese de colágeno e a promover a renovação celular. Ele tem a textura mais oleosa, podendo complementar o seu tratamento para melasma no quesito hidratação power noturna.

“Eu usei ele por uns 5 meses e gostei, porém fica grudento na pele e não seca totalmente. Mas ajudou muito nas manchas.” – Pelemista

2. Photoderm Cover Touch FPS50+, da Bioderma – $$

Publicidade

Um protetor solar com alta cobertura, perfeito para cobrir e proteger o melasma contra as agressões externas. Apesar de parecer com uma base, ele conta com uma tecnologia que deixa a pele respirar, minimizando o surgimento de cravos e espinhas.

“Eu já fui para a piscina com ele, mas não fico passando a mão no rosto, me lembro de não passar a mão no rosto, e ele durou e me protegeu muito. (…) Então é isso, fica a minha dica para quem tem melasm de um protetor solar com cobertura mais alta.” – Andreza Goulart

3. Gel creme clareador Profuse Clair – $$$

Um gel creme com ação antioxidante, que é um clareador multifuncional. Contém proteção UV, uniformiza o tom da pele e ajuda a tratar manchas escuras, como o melasma.

“Ele realmente tem a função de clarear a nossa pele, mas ele também reduz as imperfeições e ajuda na uniformização do tom da nossa pele. Então, realmente, é um produtinho que entrou na minha vida e não vai sair nunca mais!” – De Boa Nos Enta

4. Creamy ácido tranexâmico – $$$

Esse produto contém ácido tranexâmico, o glicólico, a niacinamida e o alfa-arbutin. Ele ajuda no tratamento da hiperpigmentação, promovendo o clareamento e deixando a tonalidade da pele mais uniforme.

“O que eu gostei muito, muito, muito desse produto é que ele é bem líquido. Então ele não forma filme, ele não atrapalha o uso de outro produto, ele é absolvido até muito rápido pela pele, o que eu adorei! E assim, eu não consigo colocar em palavras o resultado que esse produto trouxe para minha pele.” – Rita

5. The Ordinary Ascorbic Acid 8% + Alpha Arbutin 2% – $$$

Um sérum indicado para clarear e minimizar os tons irregulares da pele. Por conta da vitamina C, tem ação antioxidante e torna-se uma boa opção contra as manchas do melasma e os sinais de envelhecimento cutâneo.

Publicidade

“Boa fórmula para clareamento da pele! Se você tem a pele oleosa saiba que no começo da aplicação terá um sensório desagradável, mas que provavelmente equilibrar com poucos minutos.” – DrasDupin

6. Eucerin Anti-Pigment dia FPS 30 creme – $$$

Esse creme facial diário, que faz parte da linha Anti-Pigment, foi desenvolvido para atuar contra as manchas. Ele possui o Thiamidol, um ingrediente patenteado de Eucerin, capaz de reduzir a hiperpigmentação já existente e previne o aparecimento e o reaparecimento de novas manchas.

“Aquele melasma que eu estou controlando desde o primeiro semestre, eu senti muita diferença usando essa linha Anti-Pigment.” – Luciana Vilela

7. Gel creme Dermage clareador Clarité Cysteamin – $$$$

O produto contém Cisteamina 5%, um componente que age diretamente na mancha. Ele é um ótimo creme para melasma e também pode ser usado nas axilas e virilhas. A sua fórmula é livre de parabenos, álcool, corantes e óleos.

“Meu queridinho, somente o cheiro que apesar de estabilizado, ainda é desagradável tanto pra mim quanto para o marido,rs. Por esse motivo, uso a noite por 15 minutos, antes de deitar. Nunca tive nenhuma reação alérgica e a textura em gel que seca rápido na pele. ” – Lucy Campos

A determatologista nos conta que determinados ativos atuam no clareamento, como é o caso da hidroquinona, do Thiamidol e do Belides. No entanto, por serem muito específicos, esses ativos devem ser prescritos por um dermatologista que elencará a melhor opção para a sua pele, além dos demais cuidados que incluem os fatores de proteção UVA e UVB.

Outras opções que complementam os tratamentos de melasma

Dependendo da avaliação do seu dermatologista, alguns tratamentos podem ser indicados, trazendo bons resultados no clareamento e atenuação do melasma. Confira as opções separadas por Joana!

  • Peeling de cisteamina: “atualmente, um dos procedimentos mais modernos e promissores para tratar as manchas causadas pelo melasma tem sido o peeling de cisteamina, que é formulado por meio de um antioxidante (L-cisteína) que o organismo produz naturalmente. A cisteamina atua significativamente no controle e redução da produção de melanina na região tratada, proporcionando resultados efetivos”, aponta Joana. De acordo com a dermatologista, pesquisas recentes indicam que esse ativo consegue diminuir em aproximadamente 75% a pigmentação, principalmente nos casos de melasma persistente. O tratamento pode ser complementado com creme para melasma noturno à base de cisteamina, já que esse componente não provoca reações alérgicas nem irritações, tornando-se uma boa alternativa para peles sensíveis.
  • Microagulhamento: o microagulhamento ajuda a estimular a eliminação dos grânulos de melanina, o conjunto de pigmentos que formam a mancha, e possui a vantagem de não destruir a melanina – não causando a hipocromia. “Essa técnica é realizada com um aparelho que utiliza inúmeras microagulhas com movimento rotatório, que promove pequenas lesões que posteriormente promovem uma regeneração da epiderme e renovação celular. É indicado para diversos problemas estéticos, inclusive, o melasma. Também é aplicado simultaneamente a ele o drug delivery, que engloba ativos clareadores que são introduzidos na pele. Pois, devido ao processo do microagulhamento e as pequenas perfurações que promovem os ativos conseguem ser bem mais absorvidos e penetrados profundamente na derme e, por isso, aceleram e atuam melhor na sua renovação”, salientou a especialista.
  • Peeling químico com associações de ácidos: “o peeling químico é um ótimo recurso para tratar certos casos superficiais ou profundos. São realizados em geral com a associação de vários tipos de ácidos, que ajudam a promover o clareamento, tem efeito esfoliante, renova a epiderme da área atingida e reduz a produção de melanina no tecido cutâneo”, explicou Joana. Alguns ácidos utilizados são: o glicólico, o salicílico, o retinóico, o tricloroacético, o kójico, o lático ou o tranexâmico. Ainda assim, o peeling químico é mais recomendado para os casos superficiais de melasma, para que não aconteça o efeito rebote com a hiperpigmentação.
  • Laser ou luz intensa pulsada: “os resultados de ambos em geral são mais rápidos, entretanto também envolvem mais riscos. Isso porque sua ação pode vir a causar manchas no pós-procedimento. O chamado efeito rebote”, apontou a dermatologista.
  • Tratamento via oral: uma possibilidade que atua como coadjuvante no tratamento. De acordo com a dermatologista, há nutricosméticos com formulações que contêm ativos capazes de combater as manchas, a foto-oxidação e o escurecimento da pele. Entretanto, a dermatologista ressalta a importância de consultar um médico especialista e não se automedicar.

A dermatologista finaliza que, comprovadamente, o que é eficaz para as manchas é a associação de tratamentos, os quais causam menor agressão à pele. Tratar o melasma demanda paciência e cuidados, além de uma rotina de skincare para a manutenção de uma pele hidratada, com brilho e elasticidade!

Publicidade