6 tipos de micose de pele mais comum e como tratar

Escrito por                    
Atualizado em 27.06.22

iStock

Por
Atualizado em 27.06.22

A micose de pele é uma doença causada pela presença de fungos contraídos do ambiente, objetos, pessoas ou animais contaminados. Ela pode causar incômodos, como vermelhidão, dor, descamação e coceira em qualquer parte do corpo. Confira quais são os 6 tipos mais comuns e como tratar cada um.

Publicidade

1.Tinea pedis ou “frieira”

iStock

Esse tipo de micose costuma causar descamação, coceira, vermelhidão e, em alguns casos, mau cheiro. Geralmente aparece entre os dedos e nas plantas dos pés. É popularmente conhecido como “frieira” e é causada pelo contato com ambiente, objetos ou outras pessoas contaminadas.

Como tratar

O tratamento da Tinea pedis é feito com a aplicação de pomadas e cremes antifúngicos diretamente no local da lesão. Também pode ter tratamento via oral, através da ingestão de comprimidos.

Mas atenção, o uso de um antifúngico em pomada ou em comprimido depende da apresentação clínica. Por isso, é importante consultar o médico, pois é ele que irá recomendar o tratamento mais adequado.

Entre as melhores formas de prevenir o surgimento da frieira, estão: secar bem a área entre os dedos dos pés, não repetir o mesmo sapato diariamente, guardar os calçados em locais arejados e usar talcos nos pés para absorver a umidade são as principais formas de prevenir o problema.

2.Tinea corporis

Caracterizada por lesões vermelhas, coceiras e descamações, a Tinea corporis é um tipo de micose de pele que pode acometer qualquer local do corpo. Contudo, ela é mais comum nas pernas, braços, tronco e nádegas. A contaminação ocorre por contato com ambiente, objetos, animais ou pessoas infectadas.

Como tratar

O uso de antifúngicos em creme ou em comprimido é a melhor forma de cuidar do problema. O chá de sálvia, chá de aipim e a babosa misturada com óleo de melaleuca são as opções de remédios caseiros que podem ser utilizados paralelamente ao tratamento indicado pela dermatologista.

A melhor forma de prevenção à Tinea Corporis é secar bem as dobras do corpo como virilha, embaixo das mamas e axilas, pois os fungos gostam de locais quentes e úmidos para se proliferarem. Além disso, é importante evitar compartilhar objetos de uso pessoal com outras pessoas e evitar usar roupas apertadas, principalmente em regiões com clima quente e úmido.

Publicidade

Fique em alerta caso tenha algum animal de estimação. É bom ficar atenta se tem alguma alteração na pele, pois a micose pode ser transmissível.

3.Tinea capitiss

iStock

A Tinea capitiss é um tipo de micose de pele que acomete o couro cabeludo, em que o fungo infecta os cabelos que se quebram. Como resultado, os fios ficam mais curtos nas áreas afetadas. Esse tipo de infecção é muito comum em crianças, sendo mais raro em adultos. A transmissão ocorre pelo contato com animais ou outras pessoas infectadas.

Como tratar

O tratamento é realizado através do uso de pomadas antimicóticas no caso de crianças, e medicamentos por via oral no caso de adultos. Além disso, o médico também pode indicar a aplicação de um shampoo contendo sulfeto de selênio.

4. Onicomicose

É uma infecção das unhas causadas por fungos. Pode acometer qualquer unha, porém é mais comum nos pés. Os principais sintomas são mudanças na cor da unha, que geralmente ficam mais esbranquiçadas ou amareladas, acompanhada de mudanças no formato e na textura.

Como tratar

A Onicomicose pode ser tratada com antifúngicos em forma de comprimidos, aplicação de uma pomada ou esmalte direto na região afetada.

Já a aplicação de óleos essenciais como óleo de cravo-da-índia, orégano ou melaleuca são opções caseiras muito eficazes contra a Onicomicose. Por possuírem ação antifúngica e antibactericida, são ótimas opções de tratamento caseiro que, para maior eficácia, devem ser usados junto ao tratamento prescrito pela dermatologista.

5. Candidíase

iStock

Costuma ocorrer por proliferação da Candida albicans, fungo que temos naturalmente na pele e na mucosa. Este tipo de micose pode acometer diversos locais, assim como a região oral (conhecida como “sapinho”), região de fraldas e a genital. A proliferação desse fungo se dá pela defesa do organismo. No caso de crianças, idosos e diabéticos também acontece pela presença de umidade e atrito no local, por causa de dermatite de fraldas.

Como tratar

A melhor forma de tratar a candidíase é através do uso de medicamentos antifúngicos. Assim, esses remédios podem ser comprimidos, óvulos vaginais e pomadas. Tudo irá depender do local afetado pela doença.

Publicidade

6. Ptiríase versicolor ou “pano branco”

Conhecida popularmente como “pano branco”, ocorre por aumento de um fungo que existe naturalmente na pele, chamado Malassezia furfur.A Ptiríase é mais comum em adultos e jovens que moram em lugares quentes e úmidos. Entre os principais sintomas está a presença de lesões claras, que descamam e ficam mais evidentes quando a pessoa toma sol.

Esse tipo de micose não é transmissível, pois se trata de um fungo já existe no corpo. Assim, suas principais causas podem ser o calor, oleosidade na pele, suor em excesso e predisposição genética. Os sintomas mais comuns da Ptiríase versicolor são descamações na pele, manchas brancas em forma de círculo e que geralmente desaparecem após o verão.

Como tratar

Assim como no caso das outras micoses, o tratamento da Ptiríase versicolor é feito com pomadas antifúngicas como Econazol, Terbinafina e Cetoconazol. Lavar a região afetada com chá de folha de aipim, fazer o uso de um sabonete de enxofre ou então de uma solução de bicabornato de sódio com água são formas caseiras de tratar o problema.

Por fim, na suspeita de qualquer alteração na pele, unhas e couro cabeludo é importante procurar o médico para fazer o diagnóstico correto da micose. Só assim o profissional prescreverá a medicação adequada.

Além da infecção de pele, confira quais são os outros tipos de micose, suas causas e tratamento adequados.