Dicas de Mulher Dicas de Beleza

Corrente russa: procedimento que promete reduzir celulite, gordurinhas e flacidez

Método utiliza estímulo elétrico para causar a contração muscular, intensificando a tonificação e a definição local

em 14/06/2017

Foto: Reprodução / Duda Bertin

A corrente russa é um procedimento estético voltado para melhorias na pele e na musculatura, muito utilizado na busca pelo corpo ideal, como um complemento da boa alimentação e da prática de exercícios.

A região abdominal é a mais procurada, mas a corrente russa pode ser aplicada também nas coxas, glúteos, entre outros, sempre com a supervisão de um profissional especializado. Em esportistas, também é utilizada para melhorar a circulação e relaxar após treinos pesados.

O especialista em medicina estética Julio Nogueira, do W Spa, explica que o método utiliza um estímulo elétrico para causar a contração muscular no local em que é aplicado, movimentando a região e intensificando a tonificação e a definição.

Esse método também pode ser chamado de eletroestimulação, eletroterapia ou corrente elétrica, mas ficou popularmente conhecido como corrente russa por ter sido uma técnica desenvolvida na Rússia na década de 80.

Quais as funções desse procedimento?

Foto: iStock

O profissional explica que a corrente russa garante resultados satisfatórios especialmente em alguns pontos, como:

  • Combate à flacidez;
  • Redução da celulite e da gordura localizada;
  • Fortalecimento do tônus muscular;
  • Melhora do fluxo sanguíneo e linfático.

Tudo isso acontece através da eletroestimulação computadorizada, quando o aparelho de média frequência atinge as fibras musculares, gerando os benefícios citados.

Como funciona a corrente russa

Foto: Reprodução / Duda Bertin

O aparelho é composto de vários eletrodos, que devem ser colocados na região a ser tratada como uma espécie de cinta elástica. “A corrente elétrica que é utilizada é assimétrica e de baixa frequência, com baixa voltagem e pequena a média intensidade”, diz o especialista em medicina estética.

Cada sessão pode durar até uma hora, sendo o estímulo elétrico aplicado por 15 segundos, seguido por um intervalo de um minuto, com um tempo recomendado no final do tratamento de 10 minutos de estimulação elétrica por sessão.

Entre a realização de uma sessão e outra é necessário que haja pelo menos uma semana de intervalo.

Contraindicações

Foto: iStock

De acordo com o especialista Julio, a corrente russa não é recomendada para pessoas com cardiopatias congestivas, portadores de marca-passo, patologias circulatórias como flebites, embolias, varizes, tromboflebites, gestantes, hiper e hipotensos descompensados.

Também não devem fazer o procedimento aqueles que têm problemas renais crônicos, processos infecciosos e inflamatórios, neoplasia, renais crônicos, problemas de pressão, patologias pulmonares como enfisema pulmonar, epilepsia.

Além disso, ele diz que mesmo nas pessoas que estão totalmente aptas é necessário evitar regiões com dermatites ou dermatoses e lesões musculares, por causa da carga elétrica utilizada.

Mais dúvidas sobre corrente russa esclarecidas

Foto: iStock

O especialista em medicina estética Julio Nogueira responde às dúvidas mais comuns sobre o método:

1. Quanto tempo dura uma sessão?

Varia entre 30 minutos a 1 hora.

2. Quantas sessões são necessárias?

O número varia para cada pessoa, mas, em média, são recomendadas entre cinco e 10 sessões.

3. Em quanto tempo o resultado aparece?

De acordo com o especialista, a partir da segunda sessão já é possível começar a notar os resultados.

4. Em quais partes do corpo pode ser feita?

As partes mais comuns e mais procuradas pelas pessoas são abdômen, coxas, glúteos e pernas.

5. Quanto custa uma sessão?

Os preços variam entre R$ 100,00 e R$ 300,00.

Em todos os casos, de acordo com a necessidade de cada pessoa e a parte do corpo escolhida, a corrente age de forma profunda e simultânea, promovendo firmeza, modelação das regiões trabalhadas.

Comentários
Dicas relacionadas